[an error occurred while processing this directive]

Matérias Mais Lidas


Stamp

O dia em que Chuck Schuldiner soltou o verbo sobre Rick Rozz: "cópia ruim do Kerry King"

Por Emanuel Seagal
Postado em 24 de novembro de 2023

Entre os anos de 1983 e 1984 o guitarrista Chuck Schuldiner fundou a banda Mantas, que rapidamente adotou o nome Death e tornou-se um dos pioneiros do death metal, gênero conhecido na época como um "estilo do thrash metal". Com uma discografia impecável, o nome Death permanece relevante e influente após décadas, mesmo após o fim de suas atividades com o falecimento de Chuck. Aqui resgatamos uma entrevista de 1989, publicada na quinta edição do Morbid, um zine europeu capitaneado pelo guitarrista Ronnie Eide (Emptor, Suffer). Na época o Death desfrutava do sucesso alcançado com seus dois primeiros discos, "Scream Bloody Gore" (1987) e "Leprosy" (1988), e se preparava para o lançamento do "Spiritual Healing" (1990). Confira abaixo alguns trechos do bate-papo que "desenterramos" por aqui, onde foi abordada a temática do vindouro disco e a saída do guitarrista Rick Rozz.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

Por favor, nos fale sobre o novo disco, "Spiritual Healing". Sobre o que se trata o título, como se a capa não fosse o bastante?

Chuck Schuldiner: "Sinto que o 'Spiritual Healing' é o melhor material que já fizemos. Estamos todos muito orgulhosos dele. É o mais progressivo que já gravamos. O título fala sobre falsos religiosos que usam a religião por razões mentirosas."

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

Analisando os títulos das músicas, parece algo de outro mundo, liricamente.

Chuck Schuldiner: "Estou muito feliz com as novas letras. Elas abordam a realidade, que às vezes é muito brutal. Elas vão direto ao ponto. Tenho certeza que ofenderá algumas pessoas, o que me deixa muito feliz!"

Musicalmente você descreveria este disco como uma segunda parte do "Leprosy"? Você achou difícil fazer algo ainda melhor?

Chuck Schuldiner: "Death é uma banda que continuará melhorando a cada disco. Rick (Rozz) foi um merda no 'Leprosy' e arruinou o que estávamos tentando fazer. Foi um ótimo disco, mas eu curto musicalidade e não 'fazedores de barulho'. Com Rick fora da banda eu sabia que poderíamos fazer o que queríamos, e com James conosco não tivemos problemas. Foi um grande alívio."

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3

James, como você se encaixou nas gravações? Está curtindo fazer parte do Death até agora?

James Murphy: "Entrei oficialmente no Death no dia 1º de agosto de 1989, e entramos em estúdio no dia 20. Naquele período eu co-escrevi quatro faixas do álbum. Chuck e eu dividimos o trabalho de guitarra no disco igualmente, o que significa que tocamos igualmente em cada música. Amo estar no Death. O Death era uma das minhas bandas favoritas e ainda é!"

Como se deu a saída do Rick?

Chuck Schuldiner: "Nós o demitimos por diversos motivos. O principal foi que ele não tocava merda nenhuma na guitarra. Ele não era nada profissional, é difícil entender como ficamos com ele na banda. Ele era apenas uma cópia ruim do Kerry King (Slayer). Para piorar, ele não parava de comer e engordar."

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 4

Qual é a situação atual do Death em relação à cena atual do death metal, digo no underground, visto que vocês começaram tudo isso?

Chuck Schuldiner: "Me sinto muito sortudo de estarmos aqui há tanto tempo. Acho que nossa música mostra que não abandonamos o que acreditamos, e apreciamos todo o apoio dos fãs. Somos uma banda que as pessoas podem ter certeza que não vai desistir!"

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 5
Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze 2024


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Emanuel Seagal

Descobriu o metal com Iron Maiden e Black Sabbath até chegar ao metal extremo e se apaixonar pelo doom metal. Considera Empyrium e X Japan as melhores bandas do mundo, Foi um dos coordenadores do finado SkyHell Webzine, escreveu para outros veículos no Brasil e exterior, e sempre esteve envolvido com metal, seja com eventos, bandas, gravadoras ou imprensa. Escreve para o Whiplash! desde 2005 mas ainda não entendeu a birra dos leitores com as notícias do Metallica. @emanuel_seagal no Instagram.
Mais matérias de Emanuel Seagal.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS