Richie: "Salvei os Ramones" diz, antes de excursionar pelo Brasil

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Luiz Pimentel, Fonte: Blog do Luiz Pimentel
Enviar correções  |  Ver Acessos

Ele foi o terceiro baterista dos Ramones, ficou na banda por três anos, tempo suficiente para participar de três álbuns icônicos - "Too Tough to Die" (1984), "Animal Boy" (1986 - e um dos meus favoritos) e "Halfway to Sanity" (1987). Neste final de Agosto e começo de Setembro, inicia turnê com seis shows confirmados pelo país, e bateu um papo comigo.

Separados no nascimento: Sebastian Bach e Fernanda LimaIron Maiden: ouça o baixo de Steve Harris isoladamente

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

- Você se recusou a usar o sobrenome Ramone quando entrou na banda, mas mudou de ideia e começou a usá-lo desde então. Por quê?
Eu nunca me recusei a usar o nome. Eu não sei onde você onde você tirou essa informação. Demorou um pouco para que eles pedissem que eu usasse o sobrenome porque queriam ter certeza de que tinham feito um bom negócio. Depois que tiraram o Marky da banda, não queriam cometer outro erro.

- Como você quebrou o controle absurdo que Johnny Ramone tinha sobre as composições e compôs seis músicas para os Ramones? Você poderia compartilhar com a gente alguma história sobre a mais famosa das seis, "Somebody Put Something in My Drink"? A banda foi receptiva com a sua colaboração?
Johnny só deixava que eu colocasse uma música minha em cada álbum porque ele não receberia direitos autorais pela composição. Então, a gravadora Beggars Banquet, no Reino Unido, pegou outra música minha. Joey e Dee Dee eram os mais receptivos com as minhas composições, e me encorajavam a escrever mais e a cantar nos shows ao vivo. Dee Dee foi quem disse que eu deveria escrever "Drink" depois de eu contar a ele como eu roubava bebidas quando as pessoas as deixavam no bar para irem ao banheiro. Eu era jovem e tinha pouco dinheiro, por isso fazia isso. Só parei quando comecei a me sentir mal, em uma noite, e descobri que tinha LSD na minha bebida. Foi assustador porque eu não sabia o que estava acontecendo comigo.

- Quando você começou a colaborar com os vocais da banda, uma vez que nenhum dos outros bateristas estavam autorizados a fazer isso?
Não tenho certeza se os outros bateristas sabiam cantar, mas Joey foi quem me impulsionou para me envolver mais. Ele entendeu meu talento e do que eu era capaz, e soube que isso daria mais potência aos shows ao vivo. Ele me colocou debaixo de suas asas, e eu sou extremamente grato por isso. Sinto muita falta dele.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

- Como era sua relação com Johnny e com Joey? Tudo que lemos sobre você nos fez perceber que você era muito próximo de Joey e de Dee Dee, mas não era tão amigo de Johnny. É verdade?
Sim, eu era muito mais próximo do Dee Dee e do Joey porque John era um homem muito reservado, não convivia muito com a gente. Fui a alguns jogos de futebol com John enquanto estávamos em turnê, mas em casa, saía com Joey todas as noites. Éramos muito próximos e fazíamos tudo juntos, inclusive entrevistas.

- Como era e ainda é sua relação com outros bateristas do Ramones?
Tommy e eu nos dávamos muito bem, conversávamos de tempos em tempos. Tocamos juntos no aniversário do Joey também. Com Marky, não tenho relação alguma.

- É estranho perceber que você é/foi um baterista de punk rock e, ainda assim, compôs "Suite for Drums and Orchestra". Uma coisa não parece estar muito relacionada à outra. Você conseguiria explicar isso?
Eu queria fazer algo diferente e expandir minhas próprias habilidades musicais. Sempre quis coordenar uma orquestra de 90 peças e sentir o poder de todos esses instrumentos.

- Joey disse, uma vez, que você salvou os Ramones. É verdade?
Claro que é verdade. Se não fosse, ele não diria isso. Eu dei à banda sangue novo, como um injeção na veia. A banda voltou a ficar unida e a tensão entre os membros deu uma acalmada. Joey me chamava de "novo broto", porque eu era muito enérgico e isso transbordava a todos na banda. Isso deu ao grupo uma nova esperança e ajudou que todos continuassem com suas carreiras por muitos e muitos anos.

Datas:
25/08 - Valentino - Londrina, Brasil
26/08 - Vitrola Bar - Londrina, Brasil
27/08 - Vila Madalena - Ribeirão Preto, Brasil
28/08 - Clash Club - São Paulo, Brasil
01/09 - (a ser confirmado)
02/09 - (a ser confirmado)
03/09 - Distrital - Belo Horizonte, Brasil
04/09 - NoCanto Bar - Nova Odessa, Brasil

Comente: Você vai aos shows de ex-Ramones quando eles vêm ao Brasil?




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Ramones"


Finados: veja túmulos de algumas estrelas do rockFinados
Veja túmulos de algumas estrelas do rock

Metallica: James Hetfield revela seus guitarristas base preferidosMetallica
James Hetfield revela seus guitarristas base preferidos


Separados no nascimento: Sebastian Bach e Fernanda LimaSeparados no nascimento
Sebastian Bach e Fernanda Lima

Iron Maiden: ouça o baixo de Steve Harris isoladamenteIron Maiden
Ouça o baixo de Steve Harris isoladamente


Sobre Luiz Pimentel

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280