Noise More Bleed: "Não se pode esperar nada muito melódico ou clean de nossa música"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Gisela Cardoso, Fonte: Wildchild
Enviar correções  |  Ver Acessos

Com a proposta de fazer um som autêntico, direto e sem se prender a rótulos, a banda mineira Noise More Bleed lançou recentemente o seu novo EP, intitulado "Karma". Proveniente da cidade de Barroso (MG), Noise More Bleed é atualmente formada por Pedro Moreira (vocal), Vinícius Bedeschi (guitarra), Raul Meireles (baixo) e Zenon (bateria), e promete integrar a mais nova geração de bandas autorais da cena brasileira.

Fotos de Infância: Jon Bon JoviHumor: Ser prog metal é mais que saber tocar em modo frígio

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em entrevista ao Wildchild, o guitarrista Vinícius Bedeschi falou a respeito do início das atividades da Noise More Bleed, o EP "Karma", suas influências, a realidade do cenário underground brasileiro e entre outros assuntos. A entrevista na íntegra pode ser conferida a seguir.

Para começarmos, você poderia nos dizer como foi o início da Noise More Bleed, e quais foram seus objetivos iniciais?

Vinícius Bedeschi: Bom, a banda surgiu em meados de 2012, na cidade de Barroso (MG). O início foi muito difícil, pois na época não existiam músicos dispostos a tocar o tipo de som que a Noise More Bleed idealizava. Mas, aos poucos, outros músicos de cidades vizinhas vieram somar ao grupo, tanto que hoje a banda é formada por membros de sua cidade de origem, Barbacena (MG) e São João Del Rei (MG). Desde que foi fundada, a ideia central da Noise More Bleed é fazer um som bem mais direto, pesado, e sem limitações, saindo um pouco do que sempre rolou no cenário underground da região.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vocês disponibilizaram recentemente o seu novo EP, intitulado "Karma". Como foi a sua concepção?

Vinícius: Desde a formação do grupo, o foco foi compor. E esse EP possui os mais importantes trampos iniciais da banda. As músicas foram escolhidas minuciosamente, já que queríamos evitar atropelar o processo evolutivo da NMB. E ficamos muito satisfeitos com o resultado.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Diga-se de passagem que "Karma" é um título meio curioso. Há uma temática lírica por detrás do EP?

Vinícius: Realmente... De início, esse título surgiu a partir de uma das faixas do EP, mas que acabou tendo um significado bem mais forte. As pessoas tratam "Karma" como algo que vem a dificultar ou ser um destino da vida. Nesse sentido, o título vem representar todas as dificuldades enfrentadas pela banda para se manter viva. Mas como essa palavra possui muitas interpretações, vem significar também que quando se insiste em algo por acreditar que isso pode dar certo, e trabalha por isso, você colhe os frutos. Representa também toda a cena independente que sobrevive a todas barreiras que a mídia de massa impõe.

Ouvindo o EP, é possível perceber claramente uma gama de variadas influências, que passam pelo Thrash, Groove, Metalcore e entre outras vertentes da música pesada. Mas, em sua visão, quais são as principais influências em seu direcionamento musical? (Aliás, vi alguns comentários dizendo que o som da Noise More Bleed lembra o Fear Factory, em sua fase do "Obsolete")

Vinícius: Bom, temos como principais influências as bandas Pantera, Suicide Silence, Sepultura, Fear Factory, Meshuggah e Napalm Death. A gente ouve muita coisa, muitas outras bandas das vertentes citadas, como também temos muitas influências das cenas Hardcore, Punk e da cena alternativa. A ideia da Noise More Bleed é não se limitar em suas composições. Queremos criar o nosso som. Temos um "norte" que é o som pesado e direto... Não se pode esperar nada muito melódico ou clean de nossa música.

Como tem sido a recepção do "Karma" até o momento?

Vinícius: Melhor impossível! Muita gente elogiou pela qualidade geral do material, já que tudo foi gravado em menos de um mês e com baixo custo. Para isso, contamos com a força do JB-Studio, em Barroso (MG). Temos que agradecer também a toda a galera que possibilitou isso, dando uma força na compra dos merchans. A expectativa se tornou realidade. Um diferencial desse EP foi o som pesado que conseguimos obter, o que era uma das maiores intenções da banda, e também o que mais a representa.

E quanto aos shows, como tem sido a recepção pelas músicas ao vivo?

Vinícius: Desde a primeira apresentação estamos recebendo muitas críticas positivas, e alguns comentários interessantes sobre estarmos surpreendendo, sermos diferentes do que a galera tá acostumada a ver/ouvir, essas coisas... A proposta nossa não é algo que ninguém ainda não tenha feito, mas ainda diferente do que muito rola na cena underground. Muita gente não curte ouvir esse tipo de som sem muito rótulo, mas no fim das contas temos recebido muitos elogios sobre a energia de nossa música, presença de palco da banda... Tá fluindo.

Mesmo ainda em fase de divulgação do EP, vocês já possuem planos para começar a trabalhar em um álbum completo de inéditas?

Vinícius: Esse é o principal objetivo. Composição é o que não falta... Mas ainda lançaremos alguns vídeos. Temos algumas ideias de clipe, temos muito material filmado dos bastidores... Sempre registramos tudo. Então, tudo um passo de cada vez.

Atualmente temos visto uma nova geração de bandas no cenário do Metal brasileiro que seguem um direcionamento semelhante ao da Noise More Bleed. Como vocês enxergam essa cena atual?

Vinícius: Enxergamos de forma positiva, e curtimos muitas dessas bandas nacionais! Tem muita banda fazendo som melhor que muito gringo, e isso tem que ser reconhecido. Só pensamos que falta parte do público perceber esse lado bom e abraçar a causa. Infelizmente muita gente se preocupa mais com o rótulo do que com a música em si.

No cenário brasileiro, ainda é possível ver certo radicalismo por parte dos fãs, principalmente no que se refere aos estilos mais modernos. Como vocês lidam com isso? Aliás, vocês já passaram ou presenciaram situações assim?

Vinícius: Ainda se vê muito disso, mas gente não liga muito. Procuramos nos importar se estamos satisfeitos ou não com nossa música. Tudo que é levado com radicalismo é limitado e muitas vezes negativo. Basta ver os jornais. Radicalismo religioso, político... Entendemos que a música é arte, arte é expressão, liberdade... Não conseguimos viver aprisionados em determinado estilo, década, essas coisas. De fato já presenciamos isso inúmeras vezes, e passamos por isso também. Alguns comentários do tipo, "Tem algo moderno no som de vocês", "O som de que vocês fazem é muito diferente, legal, mas não curto muito esse estilo", mas não nos importamos. Cada um com sua opinião...

Em sua opinião, quais são os maiores desafios no cenário underground brasileiro?

Vinícius: Mídia no geral indiferente, falta de união entre as bandas, desvalorização da música autoral nos eventos, equipamentos super caros, falta de apoio... os problemas de sempre.

Quais são os planos para a Noise More Bleed para o próximo ano?

Vinícius: Focar em novas composições, e se tudo correr bem, lançar um disco. Esse é nosso principal objetivo. E claro, conseguir mais oportunidades para mostrarmos nossa música.

Muito obrigada pela entrevista! Agora, por favor, o espaço é seu!

Vinícius: Nós é que agradecemos pela oportunidade de falar um pouco sobre a Noise More Bleed, e também do nosso primeiro lançamento. Valorizamos muito essas oportunidades. A cena independente ainda resiste, mas esse tipo de apoio é fundamental! No mais, queríamos pedir para que a galera compareça em nossos shows, ouça nosso material que está disponível na fanpage da banda, apoie as bandas da cena independente, os eventos, e assim fortaleça o underground! Valorizem a cena independente!

O EP "Karma" pode ser conferido na íntegra a seguir.

Confira mais sobre a Noise More Bleed em:
https://www.facebook.com/NoiseMoreBleed/
https://soundcloud.com/noisemorebleed




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Noise More Bleed"


Fotos de Infância: Jon Bon JoviFotos de Infância
Jon Bon Jovi

Humor: Ser prog metal é mais que saber tocar em modo frígioHumor
Ser prog metal é mais que saber tocar em modo frígio


Sobre Gisela Cardoso

Headbanger, Jornalista, Crítica de Metal, vocalista, instrumentista, anarco-comunista, vegetariana, apaixonada por Mitologia Nórdica e adoradora do Deus Metal. A música me move e as palavras constroem! @GisaGrind.

Mais matérias de Gisela Cardoso no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280