Steve "Zetro" Souza: "a vibe é completamente diferente"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bruno Gava Tramontina, Fonte: Metal Insider, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

O website Metal Insider recentemente entrevistou o novo vocalista do Exodus Steve "Zetro" Souza, questionando sobre seu retorno e o que ocorrerá futuramente na banda.

Iron Maiden: O que a equipe consome quando vai a um pub?Kid Vinil: "Uns 10 mil vinis e mais uns 10 mil CDs!"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O músico foi perguntado a respeito do que mudou em relação ao Exodus, a escolha de ainda utilizar as músicas da era "Rob Dukes", e como abordou a gravação de seu novo disco.

Confira a entrevista logo abaixo:

Metal Insider: Primeiramente, conversaremos sobre o momento em que foi chamado pelo Exodus. Onde e quando ocorreu esta ligação?

Steve Souza: Bem, na realidade, eu estava em minha casa, porque eu moro na Bay Area, mas eu definitivamente não quero conversar sobre este assunto. Eu normalmente não tenho problemas em contar os detalhes, porém desta vez, me sinto desconfortável. Eu odeio quando não posso responder claramente, mas apreciei seu interesse, entretanto, não me sinto a vontade.

MI: Justo, porém teria problema perguntar se ficou surpreso com a ligação?

SS: É... posso dizer que estava surpreso, sendo que esta é minha terceira passagem pela banda em um período de 30 anos, sendo que é necessário levar em conta que certos problemas ocorreram no passado. Honestamente, não pensei que voltaria à banda, contudo, é a indústria musical, e este tipo de cenário não é "incomum". Então, devo dizer não foi um completo choque.

MI: Parece que o Exodus está compondo o novo álbum Blood In, Blood Out, de forma veloz. Comparando a gravação atual com as anteriores, qual seria a maior diferença na banda?

SS: Eu diria que a "vibe" é completamente diferente, visto que Jack Gibson (baixista) trabalhou na mixagem do álbum, logo na casa de Tom Hunting (baterista), ou seja, o processo foi mais confortável do que anteriormente. Devo dizer que não enfrentei sérios problemas, pois estava em forma, já que ainda possuo outros projetos como: Hatriot, DDP (Dublin Death Patrol), Tenet. Além disso, adquiri muita confiança em meus vocais, penso que estão no melhor momento.

MI: Qual foi a parte mais inesperada de todo este processo de gravação?

SS: Não houve surpresas, porque estou neste ramo há mais de 30 anos, e neste ponto, tudo pode acontecer, tanto que estou gostando de nossa proximidade com a gestão e a gravadora. Agora trabalho com Chuck Billy, e nos conhecemos por muito tempo. Tornou-se muito mais bacana, pois ele me auxilia nos vocais, e confio em sua palavra. Até mesmo porque ainda escrevo algumas músicas para o Testament, então ando muito ocupado.

MI: Claro, se há alguém em que se pode confiar nos vocais, com certeza é o Chuck Billy.

SS: Sem dúvidas, além de ser vocalista do Testament, Chuck sabe como lidar no ramo musical. É incrível observar como tudo está fluindo normalmente.

MI: O Exodus ainda tocará as canções da era "Rob Dukes"?

SS: Definitivamente. Por que não tocaríamos? São excelentes músicas. Fazem parte da história do grupo, foram nove anos e três álbuns. Não posso simplesmente negá-los. Dei "boas-vindas" as novas canções, porque Rob fez um grande trabalho, eu o admiro.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

MI: Que bacana, agora conte-me sobre sua primeira performance nesta nova fase. Como foi o show na Alemanha no "Bang Your Head Festival"?

SS: "RESPIRE! RESPIRE ZETRO!" (risadas). Nós abrimos o show com "Bonded By Blood", e foi irresistível para mim, eu até tentei me acalmar. A noite não havia chegado, portanto, estava extremamente abafado. Os fãs foram à loucura, e eu tentei me conter. Fazia mais de dez anos que não tocava com este pessoal, então a adrenalina tomou posse de meu corpo, à vista disso, devo dizer que foi sensacional.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

MI: Bem, você disse que não acabaria com o Hatriot, sendo assim, terá que manter dois grupos ao mesmo tempo. Qual será o maior desafio no momento?

SS: Eu farei o suficiente para que o Hatriot não seja esquecido, no entanto, terei que me esforçar no Exodus, pois merece demasiada atenção. Então, minhas obrigações serão redobradas. Por exemplo, quando eu estiver na turnê com o Slayer e o Suicidal Tendencies, Exodus terá um set de apenas 30 minutos. Isto significa que escreverei músicas para o Hatriot neste período. Por isso, afirmo que estarei atarefado musicalmente. Serei como o Gary, que está tocando tanto pelo Slayer, quanto pelo Exodus. Bem, Eu farei ambos (Hatriot e Exodus) com 300% de vontade! Nenhuma delas sofrerá com falta de conteúdo.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Exodus"


Kirk Hammett: Bonded By Blood é tão bom quanto Kill'Em AllKirk Hammett
"Bonded By Blood é tão bom quanto Kill'Em All"

Metallica: por que Hammett quis sair do Exodus e juntar-se à bandaMetallica
Por que Hammett quis sair do Exodus e juntar-se à banda


Iron Maiden: O que a equipe consome quando vai a um pub?Iron Maiden
O que a equipe consome quando vai a um pub?

Kid Vinil: Uns 10 mil vinis e mais uns 10 mil CDs!Kid Vinil
"Uns 10 mil vinis e mais uns 10 mil CDs!"


Sobre Bruno Gava Tramontina

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280