Bloodforge: A música é um esforço que vale a pena

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vicente Reckziegel, Fonte: Witheverytearadream
Enviar correções  |  Ver Acessos


Muito se fala sobre o Metal nacional, tanto para o bem como para o mal, mas acredito que estamos vivendo um período difícil com relação a espaço de shows e afins, mas muito prolífero se pensarmos em novas bandas. Uma dessas é o Bloodforge, que possui um som forte e envolvente, tendo tudo para deslanchar país afora. Neste entrevista a banda fala sobre a carreira, e demonstra paixão pelo estilo escolhido por eles, além de um grande e salutar profissionalismo em tudo que abrange a banda.

Metal Progressivo: os dez melhores álbuns do estiloNirvana: 20 coisas que você não sabia sobre "Nevermind"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vicente: Após 8 anos de banda, qual a avaliação que fazem da trajetória do Bloodforge?

Marcus Lopes (teclado, vocais guturais, backing vocals): Foram oito anos de muita luta, esforço, suor e lágrimas, pouco tempo de sono, desapego, cansaço, desânimo, alegrias e tristezas. Grandes amizades criadas. Mas certamente tudo isso contribuiu para nosso amadurecimento como músicos e principalmente como pessoas.

Doug Bathmann (líder, contrabaixo, vocal masculino principal): Como membro fundador, o Bloodforge foi muitíssimo importante na minha vida pessoal, e foi como uma terapia para que eu pudesse sair de uma fase pessoal muito ruim e mergulhasse na atual fase, muito satisfatória. Nesse tempo, os membros e famílias dos membros se tornaram uma só família, nos ajudamos, nos consolamos e também puxamos as orelhas uns dos outros, não só no que diz respeito a música, mas à vida pessoal também.

Vicente: Vocês lançaram em 2010 o Single "Screaming Voices". Como foi a gravação do mesmo?

Marcus Lopes: Foi muito corrido! O nosso guitarrista Rod Silva havia comunicado que teria de se ausentar da banda por um ano, se mudando para o estado do Espírito Santo, dentro de um mês após o inicio das gravações. Assim, ele tinha alguns dias para a gravação das partes dele, então, corremos pra gravá-las. Como já tínhamos gravado um Single antes, estávamos um pouco mais acostumados com o stress que ocorre normalmente nas gravações.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Vicente: E a resposta que obtiveram dos fãs, foi a imaginada?

Doug Bathmann, Marcus Lopes: Eu diria que superou nossas expectativas. Quando lançamos o projeto, não sabíamos se as pessoas iriam gostar, pois o estilo da banda mudou muito depois do single "Forged", lançado em 2005. Não sabíamos se as pessoas esperariam algo mais nesta linha. Mas mesmo assim, a resposta foi bem positiva. Muitas pessoas elogiaram o single, e esta entrevista é um dos exemplos da boa receptividade. Mas não tivemos muito tempo para observarmos os frutos do "Screaming Voices", pois na sequência já começamos a gravar o CD "Struggle", no que estamos envolvidos até hoje. A previsão é que ele seja lançado até o fim deste ano de 2012.

Vicente: A voz da Estefania no Single está bem próxima da Simone do Epica. Ela seria uma das influências da banda?

Doug Bathmann, Marcus Lopes: Sem dúvida a Simone é uma das influências da nossa vocalista, Estefania. Mas quando falamos de influências para o Bloodforge como banda, nossas verdadeiras influências são as bandas de Thrash Metal da Bay Area, como Testament, Metallica e Megadeth, e alguma coisa de progressivo como o Dream Theater, além de outras como Black Sabbath, Dio etc. De bandas como o Epica, uma que realmente foi um incentivo e uma influência no início do Bloodforge foi o After Forever. Nós consultamos bandas como o Epica mais para ver como eles soam, a forma como algumas ideias de sinfonia + metal são arranjadas. Pessoalmente somos ambos grandes fãs de Epica, sendo que ambos prestigiamos o show da banda em São Paulo em 2010.


Vicente: Uma coisa que chama atenção é a qualidade, tanto de gravação quanto da capacidade técnica como músicos, do "Screaming Voices". E a diversidade que conseguiram impor nos vocais e o instrumental, em relação a outras bandas do gênero, também é digna de nota. Foi difícil alcançar esse patamar de qualidade?

Doug Bathmann, Marcus Lopes: Antes de tudo, muito obrigado pelo elogio. É uma honra saber que estamos soando dessa forma, pois essa é nossa grande intenção como músicos. Como é sabido, exceto pela Estefania, nenhum membro do Bloodforge vive da música, todos nós temos nossos empregos paralelos, de onde tiramos nosso sustento. Isso significa que o tempo dedicado ao Bloodforge é o tempo que nos sobra livre após o trabalho, estudos e atenção para a família, tempo este que dedicamos pra praticarmos nossos instrumentos, ensaiarmos e escrevermos novas composições e arranjos. No processo de gravação e composição, pode-se dizer que nosso segredo é não se prender a nenhum estilo e nem a egoísmos e estrelismos pessoais, e deixar a coisa rolar. Como todos na banda ouvem Heavy Metal há muito tempo, todos temos nossas influências pessoais, e quando estamos compondo, ou mesmo tocando e modificando algo antigo, não nos prendemos a um estilo e opinamos livremente. Todos os membros da banda são muito abertos, e aceitamos e incentivamos novas opiniões, principalmente dos membros novos. Por exemplo, na música "A Chance", que pode ser vista nos nossos shows e que será lançada no CD "Struggle", tem uma parte totalmente "Black Metal", com bateria, baixo e guitarra rapidíssimos, e os vocais tanto guturais como rasgados do Rod Silva. Esse estilo se encaixou muito no que a música queria passar naquele momento, e causou uma impressão interessante em todo o resto. Mas o segredo é não se prender a um estilo e nunca desprezar a opinião de um membro ou mesmo de um amigo que possa dar uma opinião.

Vicente: Vocês regravaram nele a música Show you the Way. Algum motivo específico para a escolha desta música?

Doug Bathmann, Marcus Lopes: Desde que começamos, "Show you the Way" foi a nossa constante. Ela já foi lançada neste single ("Screaming Voices"), cantada pela Estefania, saiu na coletânea "No Racism, No Violence II", cantada pela Cinthia Tchy, e saiu no EP "Forged", cantada pela Sus Gramcianinov. Além das vocalistas, quase todos os membros que passaram pelo Bloodforge também a gravaram, e no início da banda, nos shows, era a música que o pessoal pedia "bis". Então resolvemos que valeria a pena darmos esta última repaginada na canção. Mas ela não estará no CD "Struggle".

Vicente: Salta aos olhos também a bela capa. Quem foi o responsável pela mesma?

Doug Bathmann, Marcus Lopes: A arte foi feita pelo artista Gade, de Santo André - SP, um amigo de infância, junto com o qual criamos o conceito do que a capa deveria passar, e ele conseguiu transformar isso da melhor forma possível em sua arte. Esta capa é um prelúdio para a capa de "Struggle". Ela apresenta um problema, as "vozes gritantes" ("Screaming Voices"), e a capa é a retratação desse problema. O futuro CD "Struggle" tem a intenção de trazer esta luta e mais, a solução deste problema. "Struggle" significa "luta", mas não somente com conotação de "briga", mas também de esforço, uma luta interna. Dessa forma, quando você tiver ver a capa de "Struggle", conseguirá identificar a capa de "Screaming Voices" em algum lugar dele.


Vicente: Como avalia o cenário para as bandas nacionais nesse momento? Há mais espaço para divulgação e realização de shows, ou não houve nenhuma mudança substancial nesse sentido?

Marcus Lopes: Na verdade, tem se tornado cada vez mais difícil. Definitivamente, o Metal não é um estilo popular no Brasil. As bandas precisam se conscientizar disso. Só sobrevive quem realmente ama o que faz.

Vicente: Em poucas palavras, o que acham das seguintes bandas:

Doug Bathmann: Acho que cada um dos seis membros tem opiniões diferentes de cada uma das bandas abaixo. Então, esta é a minha opinião particular, não da banda, Ok?

After Forever: Excelente banda, conseguiu trazer um bom peso a voz versátil de Floor Jansen. O fim da banda foi uma grande perda. Uma das influências desde o início do Bloodforge.

Nightwish: Outra ótima banda, mas que tomou um caminho muito específico com a saída da Tarja Turunem, o que particularmente não me agradou muito.

André Matos: Excelente músico, que tomou uma excelente decisão ao retomar essa turnê com uma das bandas da minha adolescência, o Viper.

Epica: Acredito que ganharam o peso ideal para preencher a lacuna deixada pelo After Forever. Excelente banda.

Tristania: Pessoalmente não tenho muito contato com o Tristânia. Esta é uma das bandas preferidas do nosso guitarrista Rod Silva.

Como já citado, nossas maiores influências são: Metallica, Megadeth, Testament, After Forever, Dream Theater, Judas Priest, Symphony X, Black Sabbath, Dio, Black Label Society, Pantera entre outros.

Vicente: Uma mensagem para os fãs e amigos que curtem o trabalho do Bloodforge e para aqueles que gostariam de conhecer melhor seu som e apostam no Metal nacional.

Doug Bathmann, Marcus Lopes: Gostaríamos de agradecer de coração a todos as pessoas que curtem e apoiam nosso trabalho, dos primeiros aos mais atuais amigos da banda.

Quando sabemos que nossa música impactou alguém, o sentimento é de que valeu a pena todo e qualquer esforço que tivemos, mesmo que se fosse somente para aquela única pessoa estivesse ouvindo nossa música.

Convidamos a todos que ainda não conhecem a banda a ouvirem nossas musicas, pois acreditamos que podemos agradar fãs dos mais variados estilos dentro de Metal. E leiam as mensagens das letras!

E um último agradecimento a todas as pessoas que lutam pelo Metal nacional, sejam elas músicos ou apenas fãs. Desejamos que todos sejam recompensados por manterem a chama acesa! E, se um dia pudermos lutar a seu lado, como temos feito hoje sozinhos, contem conosco!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Bloodforge"


Metal Progressivo: os dez melhores álbuns do estiloMetal Progressivo
Os dez melhores álbuns do estilo

Nirvana: 20 coisas que você não sabia sobre NevermindNirvana
20 coisas que você não sabia sobre "Nevermind"


Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline