Dream Theater: "quando Portnoy decidiu voltar já era tarde"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nathália Plá, Fonte: Blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Jeb Wright do Classic Rock Revisited entrevistou o guitarrista John Petrucci do DREAM THEATER. Seguem alguns trechos da conversa.

5000 acessosPortnoy: ele entende porque os caras do DT recusaram o convite5000 acessosComo batizar a criança: os nomes de bandas mais estúpidos

Classic Rock Revisited: O maior problema de vocês foi que o novo álbum do DREAM THEATER, "A Dramatic Turn Of Events" foi feito sem o baterista fundador da banda Mike Portnoy. Eu diria que esse álbum talvez seja um dos melhores, senão o melhor, da suas carreiras. A indicação ao Grammy tem um gostinho melhor porque, apesar de tudo que o Portnoy causou a vocês, vocês ainda assim vocês foram bem sucedidos a esse nível?

John: Tem sim. Começamos a banda juntos em Berklee quanto tínhamos 18 anos. Fomos uma banda por todo esse tempo. A saída do Mike foi de partir o coração e um verdadeiro choque. Nós passamos por mudanças de membros antes, mas o Mike sempre foi uma enorme parte da banda. Há aquele tipo de momento, para os fãs, família, amigos, e membros da banda e para você onde você se pergunta "O que vamos fazer? Qual é o próximo passo e como vamos fazer isso? Vamos conseguir ser bem sucedidos?" Ainda bem que, desde o início, tivemos tanto apoio de nossas famílias, de nossos amigos e de nossos fãs e pegamos esse apoio e o traduzimos para o álbum. O álbum ficou entre os Top 10 no mundo inteiro. Nossos fãs realmente parecem ter curtido. A indicação ao Grammy, além disso tudo, é uma grande afirmação e uma retribuição a todas aquelas pessoas que nos deram esse apoio. Tem um gostinho bom. Não posso mentir.

Classic Rock Revisited: Em que esse novo Mike (Mangini) é diferente do velho Mike, profissionalmente, pessoalmente e musicalmente?

John: Nós compusemos o álbum sem um baterista presente. O Mike Mangini veio e aprendeu o álbum e então acrescentou todo um novo nível de musicalidade a ele. Foi realmente maravilhoso. O Mike é uma pessoa bem bacana que é muito fácil de lidar. Ele é muito dedicado e dá 120 por cento todas as vezes. Ele trouxe essa atitude na estrada conosco. Ele é comprometido em ser um baterista melhor no próximo dia, do que ele era no dia anterior, é ótimo. O Mike original vinha fazendo isso conosco por muito tempo. Algumas vezes, porque já havíamos feito tantos shows juntos, você acha que ninguém pode fazer o que ele faz. O Mike Mangini trouxe grandes quantidades de paixão e compromisso, não só ao tocar bateria, mas para a banda. Sabendo da nossa história e conhecendo nossa base de fãs e o quão importante o Mike foi para a banda, ver o novo Mike chegar e fazer o que ele fez é bem incrível.

Classic Rock Revisited: O Portnoy deixou a banda mas houve um ponto em que ele quis voltar para o DREAM THEATER. Que mal haveria em ter deixado o que tinha acontecido pra trás e ter deixado ele voltar?

John: Foi um pouco mais complicado que isso. No processo pelo qual o Mike deixou a banda nós tentamos de tudo para convencê-lo a não fazer aquilo. Nós o dissemos que não era uma boa idéia e que a gente estava junto há tempo demais para isso acontecer. Nós chegamos à conclusão de que ele precisava de uma mudança. Nesse ponto, quando você empregou todos os esforços, então você tem de encarar a realidade da situação, que era a de que precisávamos de um novo baterista. Tivemos de arregaçar nossas mangas e encontrar aqueles oito bateristas que fizeram as audições. Nós, então, trouxemos o Mike Mangini para a banda. Ele resignou sua posição de docente como instrutor em Berklee e começamos a fazer o novo álbum. Nós rearranjamos e reestruturamos tudo em nossos negócios também, o que significou termos de dar centenas de telefonemas para agentes, gravadoras e produtoras. Foi realmente complicado fazer tudo isso. Naquele ponto, o Mike dizer "Eu quero voltar", você pode imaginar como nos sentimos. Já era tarde demais e já tinha sido superado. Obviamente, não era o que queríamos há uns meses antes e então nós tivemos de pensar por que de repente a coisa tinha de ser diferente. Todas as razões pelas quais ele quis sair ainda estavam lá; elas não tinham ido a lugar algum. Simplesmente era tarde demais. Tivemos de ser autênticos com nós mesmos, com os fãs, com o Mike Mangini e com o nosso futuro.

Leia a entrevista na íntegra no Classic Rock Revisited
http://www.classicrockrevisited.com/interviewpetrucci.htm...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 08 de fevereiro de 2012

Mike PortnoyMike Portnoy
Ele entende porque os caras do Dream Theater recusaram o convite

875 acessosNeno Fernando: Vocalista lança tributo ao Dream Theater305 acessosDarkos: os incríveis solos de guitarra de John Petrucci0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dream Theater"

Dream TheaterDream Theater
O vacilo na capa de "A Dramatic Turn of Events"

Dream TheaterDream Theater
Arte de famoso álbum foi reciclada de outra capa?

Dream TheaterDream Theater
Quando um tecladista autografa uma guitarra

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Dream Theater"

Sem imaginação?Sem imaginação?
Os nomes de bandas mais estúpidos da história

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Phil Anselmo, Dimebag, Rex Brow e Vinnie Paul

Roger MoreiraRoger Moreira
Resposta bem humorada a "crítica" no Agora é Tarde

5000 acessosMax Cavalera: triste ver uma banda tão importante virar uma merda5000 acessosUltimate Guitar: as 28 canções mais sombrias de todos os tempos5000 acessosDavid Bowie: a última foto pública e a última foto privada5000 acessosMetallica: Lars diz que Arctic Monkeys é Heavy Metal5000 acessosNirvana: veja fotos raras da banda no Brasil em 19935000 acessosRob Halford: plágio em camisetas tem um lado positivo

Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online