Dir En Grey: "fazemos sucesso mundial sem cantar em inglês"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Emanuel Seagal, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar Correções  

Bryan Reesman, da revista Metal Edge, recentemente conduziu uma entrevista com Kaoru, guitarrista da banda japonesa Dir en grey, que falou sobre a popularidade da banda fora de seu país.

Doom Metal: os dez trabalhos essenciais do estilo

Lars Ulrich: As mulheres da vida do baterista

Metal Edge: Cantar em japonês não parece ser um detrimento para vender o Dir en grey para um público internacional. Alguma vez foi seu plano se tornar global?

Kaoru: "Se você ouvir nosso novo álbum, tem duas músicas com letras em inglês, 'Glass Skin' e 'Dozing Green'. É claro, a maioria das nossas músicas tem letras em japonês, mas isso depende da música. Algumas das músicas antigas tem letras em inglês. Não é sobre querer escrever músicas em japonês ou inglês, isso depende da melodia da música e o que queremos transmitir através dela. Nós não temos um plano pré-pronto. Nós não temos que fazer músicas em inglês para sermos capazes de vender discos fora do Japão. Isso simplesmente acontece".

Metal Edge: Por que você acha que o Dir en grey se tornou popular na Alemanha após se tornar grande no Japão? Foi por causa da cultura musical lá que fez vocês atraírem um grande público?

Kaoru: "Eu acho que na Alemanha não começou com a música japonesa. Isso provavelmente aconteceu com a introdução da animação japonesa ou jogos no país, e através disso opúblico começou a conhecer a cultura japonesa e a se interessar pela música também. Provavelmente começou com interesse pela cultura em si, a cultura pop ou cultura do entretenimento, ao invés do Dir en grey ser a causa da popularidade das bandas japonesas lá".

Metal Edge: Como seu público mudou desde a primeira vez que vocês estiveram lá?

Kaoru: "Nós só estivemos na Alemanha três vezes, mas se comparar nossa primeira apresentação com a última, a qual acho que ocorreu no final do ano passado, eu vi a mudança do público. No início havia muitos góticos e jovens que gostavam de ter um visual produzido que viam aos nossos shows, e mesmo que isso não tenha mudado totalmente, mais fãs convencionais tem aparecido em nossos shows com suas camisetas e jeans".

Confira a entrevista na íntegra (em inglês) aqui.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Kerrang: os 10 clipes mais ofensivos de todos os temposKerrang
Os 10 clipes mais ofensivos de todos os tempos


Doom Metal: os dez trabalhos essenciais do estiloDoom Metal
Os dez trabalhos essenciais do estilo

Lars Ulrich: As mulheres da vida do bateristaLars Ulrich
As mulheres da vida do baterista


Sobre Emanuel Seagal

Descobriu o metal com clássicos como Iron Maiden e Black Sabbath. Hoje em dia, entre outros gêneros musicais, e sem se limitar a rótulos, ouve principalmente doom, viking e folk metal. Sempre que possível está em busca de novas bandas que tenham algo a transmitir alem de clichês, e mesmo em meio a tantas novidades não dispensa pérolas como o bom e velho Candlemass. Acompanha o Whiplash! desde os primórdios, tendo iniciado sua vida de internauta no mesmo ano de criação do site (1996). Há algum tempo está envolvido com metal, seja trabalhando com eventos, bandas, gravadoras ou imprensa, na tentativa de contribuir de alguma forma para o crescimento desse que é um dos segmentos mais apaixonantes da música, o metal.

Mais informações sobre Emanuel Seagal

Mais matérias de Emanuel Seagal no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin