Scott Weiland: "nosso objetivo era criar um legado"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rafael Tavares, Fonte: Brave Words, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Evan Serpick, da RollingStone.com, recentemente falou com o frontman do STONE TEMPLE PILOTS, Scott Weiland, sobre sua recente saída do VELVET REVOLVER.

5000 acessosChester Bennington: Slash comenta a morte do vocalista5000 acessosOzzy Osbourne: Madman dá a cura para a ressaca

Você disse que a história do STP nunca pareceu ter terminado e que você achava que ainda teria mais um capítulo. Agora que parece estarmos nele, como você se sente estando de volta com esses caras?

Weiland: "É ótimo, na verdade. E eu acho que a razão pra tal é que isso não foi planejado. Eu não fui procurado pelo meu empresário. Eu não fui procurado por algum agente ou grupo de promotores. Eu recebi um telefonema de Dean [DeLeo] quando eu estava em turnê com o [Velvet] Revolver, e ele disse, 'Hey olha, você está sentado? Tem um monte de festivais tentando chegar até nós.' Eu nunca achei que a nossa primeira reunião seria uma turnê tocando nossos hits. Embora não tenha absolutamente nada de errado com isso, essa é uma das grandes coisas que nós conquistamos. Basicamente o nosso objetivo era criar um legado. Quando nós estávamos juntos no carro dirigindo por aí, promovendo shows locais, era, 'Um dia nós seremos uma dessas bandas que têm um legado criativo.' Nós fomos capazes de conquistar isso, mas nós sentimos que há mais para se dizer. Então nós meio que sentimos que isso seria pelo desafio de fazer músicas novas. Essa seria a voz da reunião do STP".

"Eu sempre achei que éramos uma banda muito interessante ao vivo, que nós poderíamos fazer rock quando queríamos e então vagar por este espaço real, lugares viajantes onde você não sabia bem aonde estava até que voltássemos naquele grande riff de novo. Então nós tínhamos essas músicas aonde se você tirasse o volume, soariam como músicas de Burt Bacharach com melodias que eram um pouco diferentes, e um pouco mais mórbidas. Mas isso é o que fez a banda ser tão única."

Este telefonema do Dean veio num momento onde as coisas já pareciam desmoronar com o VELVET REVOLVER?

Weiland: "Não, as coisas estavam funcionando muito bem com o Velvet naquela época e eu não queria mencionar isso para eles até que tivéssemos um plano e alguns shows que estivessem mesmo confirmados. Slash e eu éramos os únicos que costumavam conversar entre si primeiro sobre certas coisas, então nós falávamos com os outros caras. E, infelizmente por causa do ego de certas pessoas, eu entrei em uma situação onde haviam muitos problemas. Eu tinha muitos problemas entrando na minha situação. Eu estava em uma banda onde no final, era praticamente três caras contra um. E então eu tenho muita certeza de que foi assim que deve ter sido para o Axl também. Eu tenho que dizer isso, e não estou falando isso apenas pela situação a qual passei, mas eu ouvi um monte de histórias do GUNS N' ROSES que vocês da imprensa nunca ouvirão. Todo mundo fez do Axl essa pessoa totalmente louca, este vilão, e eu não o conheço bem de forma alguma. Ele e eu, seja lá por qual razão, fomos praticamente jogados nessa briga sem importância na mídia por um momento, porque um dos nossos companheiros de banda foi até lá pra dizer que ele disse alguma coisa. Então, o que quero dizer é que estando em uma banda com o VELVET REVOLVER por cinco anos e meio, eu não tenho tanta certeza de que foi tudo culpa do Axl".

"É como, porque tudo tem que ser culpa do vocalista? Matt Sorum na minha frente, era o cara mais legal do mundo. Mas houve algumas vezes, do nada, o cara simplesmente me odiava. Nós todos carregávamos os nossos próprios problemas naquela banda. De certa forma, é por isso que as pessoas estavam intrigadas, você sabe, especialmente pelos primeiros anos. Pois eles estavam meio que esperando que os trens batessem. Eles só acharam que isso aconteceria muito mais cedo."

Leia o artigo completo na rollingstone.com

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Chester BenningtonChester Bennington
Slash comenta a morte do vocalista

1708 acessosGuns N' Roses: os 30 anos de Appetite na capa da nova Kerrang!2623 acessosWagner Nascimento: Tocar como o Slash?? Muito fácil!!0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Guns N' Roses"

Guns N RosesGuns N' Roses
Zoando empresária com bonecos do Vila Sésamo

Guns N RosesGuns N' Roses
Axl me tratava como metal precioso, diz DJ Ashba

Zakk WyldeZakk Wylde
"Axl Rose é o ultimo dos grandes frontmen"

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Velvet Revolver"0 acessosTodas as matérias sobre "Stone Temple Pilots"0 acessosTodas as matérias sobre "Guns N' Roses"

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Madman dá sua receita para curar ressaca

ManowarManowar
A vida real e nada épica dos Reis do Metal?

Filhos de RockstarsFilhos de Rockstars
Qualquer coincidência é mera semelhança

5000 acessosGuitarras: as 15 músicas mais complicadas para tocar5000 acessosKiss FM: as 500 mais tocadas pela rádio em 20085000 acessosFotos: confira 10 das mais curiosas no mundo do Rock - Parte 15000 acessosMetallica: Hetfield elege as suas dez músicas favoritas5000 acessosTitãs: "Nheengatu" e as incríveis coincidências nas capas2308 acessosMetallica: os maiores riffs da banda pelo Ultimate-Guitar

Sobre Rafael Tavares

Nascido em 1987, descobri o rock and roll já cedo, aos 6 anos de idade, quando ouvi "I Don't Care About You" com o Guns N' Roses em algum momento de 1993. De lá pra cá minha paixão pela música pesada e, especialmente pelo Guns N' Roses (que estará para sempre marcado em minha pele, alma e coração) cresceu exponencialmente. Sebastian Bach me fez querer virar cantor e o resto é história. Produtor fonográfico, formado em Letras e professor. Tão diversificado quanto o Rock and Roll, essa é minha vida, esse é meu clube. =D

Mais informações sobre Rafael Tavares

Mais matérias de Rafael Tavares no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online