Metallica: "tudo o que tocamos era ótimo"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Douglas Morita, Fonte: Metallica Remains, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

A edição de fevereiro de 2008 da revista Guitar World americana conta com uma entrevista com o guitarrista do METALLICA, Kirk Hammett, em que ele fala sobre o próximo álbum - o primeiro em que a banda trabalha com Rick Rubin (SYSTEM OF A DOWN, RED HOT CHILI PEPPERS, AUDIOSLAVE, SLAYER), um rompimento com o produtor de longa data Bob Rock.

4440 acessosMetallica: Lars Ulrich lamenta a morte de Chester Bennington5000 acessosAs tatuagens de Rob Halford

Guitar World: Depois de 16 anos e seis álbuns com o Bob Rock como produtor, como vocês escolheram Rick Rubin para produzir este?

Kirk: "Nós sabíamos que precisávamos seguir um caminho diferente. E parece que sempre que eu mencionava que estávamos escrevendo outro álbum, as pessoas falavam, 'vocês precisam pegar o Rick Rubin'. E estávamos considerando isso de qualquer forma. Nós conhecemos Rick desde 1986, quando o 'Reign in Blood' [do Slayer] saiu. Eu lembro do Rick aparecendo no backstage em um show do 'Master of Puppets' e ele tinha a master do 'Reign in Blood'. Nós estávamos pensando, 'Oh, nossa, ele tem o novo álbum do Slayer. Nós precisamos ouvir'. E eu lembro que assim que ouvimos, nós ficamos meio, 'caramba, essa é a melhor coisa que já ouvimos'".

Guitar World: O processo básico de composição foi diferente do passado? Ou é a mesma coisa de sempre?

Kirk: "Nós trabalhamos de forma semelhante ao 'St. Anger', no sentido de que todos aparecíamos e faziamos uma jam com as músicas. As sementes das músicas desde novo álbum vieram de jams que nós fazíamos na estrada, antes de subirmos ao palco. Nós tínhamos essa coisa chamada 'sala de aquecimento' em nossos shows. Geralmente é uma sala bem pequena com um kit de bateria, dois amplificadores de guitarra, um amplificador de baixo, um P.A. que nunca é alto o suficiente e um setup de ProTools. Um de nós vinha com um riff e nós fazíamos uma jam em cima disso. James [Hetfield, guitarra/vocals] sempre era o primeiro na sala, então muitas vezes ele estava tocando um riff quando o resto da gente aparecia. E nós fazíamos isso toda vez que tínhamos um show. Então no final da turnê nós tínhamos mais de 50 horas de músicas. Foi insano. Nós passamos por todas elas, tentando diminuir um pouco, o que foi um processo horrível para mim, já que eu acho que tudo que tocamos era ótimo. Eu não fui de muita ajuda. Eu deixei que os outros caras escolhessem os riffs. Assim que os melhores riffs foram escolhidos, nós começamos a ensaiá-los e a transforma-los em músicas. Depois de cerca de um ano, nós tínhamos 22 músicas. Daí nós só fomos refinando".

Guitar World: Em que ponto o Rick entrou no processo?

Kirk: Bem quando tínhamos as 22 músicas. Nós tivemos muitas reuniões com ele. Ele ouvia as músicas que tínhamos escritos até então, e ele gostou do que ouviu. 'Sim, continuem trabalhando nessas músicas. Continuem melhorando-as'. Eventualmente nós tivemos uma votação das 14 músicas mais fortes. A partir disso nós focamos basicamente nessas músicas e as trabalhamos com Rick. Nós estávamos constantemente aperfeiçoando as músicas neste álbum".

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MetallicaMetallica
Lars Ulrich lamenta a morte de Chester Bennington

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

MetallicaMetallica
Hetfield é o mais influente da geração para Alex Skolnick

MetallicaMetallica
Noiva toca "Master..." na bateria no casamento

MetallicaMetallica
Scott Ian conta o dia em que Mustaine foi expulso

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"

HalfordHalford
O que há escondido sob a roupa de couro?

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Ritchie Blackmore e Mr. Bean

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Joe Satriani e Lord Voldemort

5000 acessosMas afinal... o que é rock progressivo?5000 acessosRoger Moreira: resposta bem humorada a "crítica" no Agora é Tarde5000 acessosThin Lizzy, Metallica: A história de "Whiskey in the Jar"5000 acessosGuns N' Roses: cover de AC/DC em homenagem a falecido cão de Axl Rose5000 acessosQueen: estudo diz que Bohemian Rhapsody é melhor que sexo5000 acessosMötley Crüe: "não somos como o Bon Jovi", diz Nikki Sixx

Sobre Douglas Morita

Douglas Morita acha que se existem constantes em sua vida, uma delas definitivamente é o Metallica. Fã da banda desde que se conhece por gente, criou o site Metallica Remains em 1998 e considera o grupo como sua principal - porém, obviamente, não única - influência musical. Além do Metallica, tenta ouvir de tudo um pouco, sem se limitar a estilos ou rótulos.

Mais matérias de Douglas Morita no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online