Bi Ribeiro - Entrevista com o baixista do Paralamas do Sucesso.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Angela Joenck Pinto
Enviar correções  |  Ver Acessos

Quando os Paralamas estiveram em Porto Alegre em maio de 1999, tive a oportunidade de realizar algo quase inédito. Entrevistar Bi Ribeiro, baixista do conjunto. Conhecido como o integrante quieto da banda, Bi foi muito simpático e contou detalhes interessantes sobre o grupo, Brasília, ritmos nacionais e muitos outros.

Epica: foto original de Simone Simons nua em capa é revelada?Plágio ou coincidência: trechos semelhantes no rock/metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Agradecimentos especiais à produção do Paralamas, especialmente para Pedro Ribeiro.

Angela / Baixista bom é baixista quieto?

Bi Ribeiro / Isso é uma pergunta? Não, não tem nada a ver, não. O Baixista do Kiss é o cara da língua grande e é a cara do Kiss, e ele não é nada quieto, muito legal. Mas eu acho que os instrumentos puxam pra personalidade das pessoas. Vão sendo atraídas pelos instrumentos assim também, né? No meu caso não foi bem isso. É que eu queria tocar numa banda, queria tocar, fazer alguma coisa, e eu não sou um bom instrumentista, então, na hora o mais fácil era tocar baixo. E acabou que tem a ver. Se eu pudesse escolher um instrumento pela minha personalidade, acho que seria o baixo mesmo. Baterista tem que ser um cara mais circense, o guitarrista tem que ser exibicionista.

Angela / Qual o baixista que influenciou mais no seu trabalho?

Bi Ribeiro / Posso falar que o baixista que mais me influenciou na forma que eu toco hoje foi o Robbie Sheakspere, que é um jamaicano que já tocou com Deus e o mundo aí, que eu considero o melhor baixista.

Angela / Será que essa coisa de ser quieto não é mais ou menos uma mediação entre os outros integrantes da banda? Será que não é o Bi Ribeiro que faz o contraponto?

Bi Ribeiro / Eu sou isso mesmo. Os outros dois são muito mais quentes, assim, sabe. Eles entram em atrito bastante, numa boa, né?! Eu sou o mediador e fio terra.

Angela / Os Paralamas e o movimento musical de Brasília:

Bi Ribeiro / Os Paralamas começaram no Rio. Eu e Herbert moramos no Rio desde 77, 78. E quando essas bandas começaram foi justamente nessa época. A gente não morava mais lá. Eu ia muito. Meus irmãos moravam lá, meu pai morava...A gente não participou como banda desse movimento. Mas realmente a gente nunca se encaixou nesse negócio. Cara, tinha esse negócio do punk que me atraia muito pela coisa de qualquer um pegar um instrumento e sair tocando. Eu tinha um cabelo enorme, sabe? Todo mundo usava cabelo raspado e eu tinha um cabelo assim, ó! (abre os braços sobre a cabeça) Algodão doce, branco de sol. E eu andava com eles também. Porque eu gostava muito da geração anterior a minha, né? Dos anos 60, Jimi Hendrix, que tinha a ver com os hippies. Eu acho que eu era mais hippie dentro dos punks do que qualquer outra coisa. E quando nós chegamos no Rio e virou Paralamas, a gente não conhecia ninguém no Rio. Então realmente a gente fez a nossa galerinha ali, a partir das pessoas que tocavam com a gente. Tinha dois caras que cantavam de brincadeira. Era só uma forma de se juntar. A gente tocava porque erámos amigos e era uma atividade boa, a gente gostava de música e tal.

Angela / E a volta do SKA é saudável? O Specials está voltando, o Madness está voltando, e não nasceu morto o re-movimento?

Bi Ribeiro / Re-re-movimento. Teve SKA nos anos 50, 60. Depois teve a volta no fim dos anos 70 e agora voltou de outra forma, mais agressiva até. Eu acho muito legal as bandas novas.

Angela / O Paralamas sempre foi conhecido por fazer essa mistura de ritmos e tal. Eu ouvi em uma entrevista do Herbert que vocês conheceram os ritmos mais brasileiros em uma turnê, depois do primeiro disco, e daí depois surgiu Selvagem e todos os outros...

Bi Ribeiro / Foi isso, cara. A gente começou a gostar mais dessa coisa mais cintura, a partir desse movimento 2Ton, essa volta do SKA, começo dos anos 80. A gente começou a ouvir isso. Aí eu já conhecia reagge, Bob Marley. O irmão do Herbert adorava, mas eu não gostava do Bob Marley, achava chato. Achava reagge chato. Aí comecei a ouvir reagge a partir dos grupos ingleses. Comecei a ouvir reagge, só reagge, e aí comecei a ouvir música africana. Nós, né! Aí a gente começou a ver a sintonia que tinha, desse tipo de música com a música brasileira. E ver aqui dentro as coisas que pareciam , tipo baião com raggamuffin', ou sei lá...tem tantas coisas aqui. A gente foi associando e começou a dar valor a música daqui. Não que a gente não desse. Começou a entender melhor...Não sei. A gente deu a volta ao mundo para chegar aqui, mas pelo menos chegou, né?! A gente estava ligado em reagge, música africana, e a gente foi fazer essa excursão do primeiro disco, 84, 85, pelo Brasil. A gente não conhecia a Bahia, não conhecia o Nordeste. Eu fiquei louco. A gente ficou doido, quando fomos chegando e vendo. Eu sou muito curioso. A gente chegava nos lugares, ver as pessoas tocando nos ensaios de bloco, o que fosse. Então a gente viu muita coisa, descobriu muita coisa.

Angela / O que você anda escutando?

Bi Ribeiro / Cara, agora só estou escutando música velha. Basicamente antes de 75".

Angela / E esse projeto "Acústico"? Os fãs já estavam pedindo. É um presente para os fãs, ou a banda estava sentindo necessidade de fazer um trabalho assim.

Bi Ribeiro / A gente sempre teve vontade de fazer isso, porque tem músicas nossas, como "Vai Valer", que é uma música que a gente não conseguiu tocar na forma de banda elétrica, porque é uma música mais delicada, meio orquestral, e a gente sempre quis ter um projeto para tocar músicas que a gente não conseguia tocar como banda normal. E aí veio essa história de Acústico e a gente logo começou a brincar. E a gente já toca isso a dois anos, né? Só que foi aprimorando, começamos a fazer uns shows, e tal...Só que eu acho que o que o fã espera de um acústico não é bem o que a gente vai mostrar, né? Por exemplo: Os Titãs não tinham disco ao vivo. A gente já tem dois discos ao vivo, que toca, tipo, os maiores sucessos dos Paralamas. Então a gente não tem porque fazer isso de novo. A gente puxou músicas que se encaixavam nesse formato. E o que a gente tinha mais vontade de tocar. Algumas a gente tentou e não rolou, deixamos pra lá. Foi isso. Mas por exemplo, "Tendo a Lua", teve uma enquete aí dos fã-clubes e essa era a primeira música. Foi a música mais votada para um acústico. Por isso a ente incluiu ela. As outras, nem todas, mas...

Angela / Existe algum projeto dos Paralamas para trabalhar com bandas latinas?

Bi Ribeiro / Por enquanto não. Mas não é falta de vontade. O negócio é que perdemos um pouco o intercâmbio que a tínhamos com a América Latina porque a nossa base de operações era Buenos Aires, e o mercado lá caiu muito. Não só para nós, para os músicos de lá. A gente volta e meia vai para um festival na Venezuela, no Peru. A gente ainda faz umas coisas, mas diminuiu muito o movimento para fora. Então o negócio meio que deu uma raleada. Ficou mais ralo.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Paralamas Do Sucesso"


Rock Nacional: 12 discos fundamentais para explicar os anos 80Rock Nacional
12 discos fundamentais para explicar os anos 80

Rock nacional: 10 solos de guitarra essenciaisRock nacional
10 solos de guitarra essenciais


Epica: foto original de Simone Simons nua em capa é revelada?Epica
Foto original de Simone Simons nua em capa é revelada?

Plágio ou coincidência: trechos semelhantes no rock/metalPlágio ou coincidência
Trechos semelhantes no rock/metal


Sobre Angela Joenck Pinto

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Angela Joenck Pinto no Whiplash.Net.

adGoo336