Dio: detonando Blackmore ao falar do Rainbow em antigas entrevistas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Lucas Esteves, Fonte: Youtube
Enviar correções  |  Comentários  | 

Com o advento da internet, o Youtube se tornou uma fonte quase inesgotável de declarações dos grandes astros do rock em antigas entrevistas capturadas em vídeo e liberadas de tempos em tempos por diversos perfis. Em alguns desses vídeos, postados pelo "Ritchie Blackmore Channel", é possível ver o falecido RONNIE JAMES DIO dando depoimentos brutalmente honestos sobre o Homem de Preto em seu período no RAINBOW, entre 1975 e 1979.

6 acessosEm 03/01/1959: Nasce Tracy G (Dio)5000 acessosNirvana: divulgadas novas fotos da cena da morte de Kurt Cobain

Confira abaixo algumas das declarações.

Sobre os álbuns do Rainbow:

Dio: Este é o melhor álbum, pra mim [segura o CD do "Ritchie Blackmore's Rainbow"], não este [segura o "Rising"]. Este álbum [Rising] é só um monte de merda auto-indulgente no lado B. Até onde sei, o lado A é bom, tem canções de verdade. O lado B é: "ei, vamos tocar um solo de bateria por 18 minutos. Ei, Ritchie, você pode tocar guitarra também!". Bom pra você.

Entrevistador: E os álbuns ao vivo?

Dio: [Segurando o Rainbow Live In Munich 1977] Este é o segundo álbum, que foi uma maneira da gravadora dizer "ei, nós podemos ganhar muito mais dinheiro, não podemos? Então vamos lançar". Talvez alguém tenha feito algum dinheiro com isso na Alemanha. Eu não sei o que tem dentro. Não sei se tem uma foto minha dentro. Provavelmente, não. [...] Se pareço desapontado, é porque eu sempre fui uma pessoa que acredita numa banda. Acredito em todas as pessoas numa banda. E você não pode fazer um álbum só com esse cara na frente [mostra a capa do disco]. Eu não colocaria isso na capa. Se fosse eu, não colocaria isso lá. Colocaria esta foto. Esta seria a capa do álbum [exibe a foto de toda a banda, na contracapa do encarte]. Uma banda é uma banda. Você só é tão bom quanto as pessoas que estão tocando com você. É por isso que álbuns ao vivo e toda essa coisa me decepcionam muito. Isso é pra poder dizer a Ritchie que ele ainda tem uma carreira.

Entrevistador: sobre Long Live Rock n Roll?

Dio: Um álbum muito infeliz. Estávamos chegando muito perto do fim da banda. Mudamos as pessoas, colocamos Bob Daisley na banda - o que foi ótimo. Tivemos Mark Clark na banda um tempo antes disso. Ele ficou entrando e saindo. Esta foi outra chance de Ritchie chutar pessoas nos dentes, eu acho.

Entrevistador: e como aconteceu de você sair do Rainbow?

Dio: Eu não queria fazer o tipo de música que ele queria. Ele queria ser um popstar, e eu não gosto disso. Eu ainda queria ter raízes na inteligência. E ele queria canções sobre casos de amor. Deixa pra lá, Ritchie. Tenha outro caso de amor. Não que seu casamento esteja funcionando.

Em outra entrevista, o foco se torna a relação entre Dio e Blackmore...

Entrevistador: Você se sente mal sobre falar do seu período no Rainbow?

Dio: Não, não me sinto. Tenho memórias maravilhosas daquele tempo. Pode parecer que sou um pouco amargo quando falo sobre Ritchie, mas não sou. Ele me deu minha grande oportundiade. Se não fosse por ele, demoraria um pouco mais de tempo para chegar onde estou hoje. Não vou dar todo o crédito a ele, porque sou bom no que faço. Mas ele me deu a minha chance, e aprendi muito com ele. Aprendi coisas boas e coisas ruins. Então aprendi o que não fazer. Aprendi que, quando você sai do show, não cospe nos seus fãs, não entra correndo no carro e vai embora, você não sai sem dar autógrafos. Eles esperaram todo esse tempo. Você não faz isso com seus fãs. Essa foi uma coisa que aprendi, porque Ritchie fazia isso o tempo todo. Era uma pessoa muito ruim. É um grande músico. Eu aprendi muito sobre o que funciona e o que não funciona na musica. Foi um tempo maravilhoso. Aprendi muito, vi o mundo pela primeira vez com o Rainbow. Mas foi ficando mais e mais difícil, porque Ritchie é uma pessoa muito difícil. Ele não liga pras pessoas, e eu ligo. Então ficou difícil estar ao lado dele.

Entrevistador: pelos discos, pelo menos pra mim, parece que foi um tempo realmente mágico.

Dio: E foi. Nós podíamos fazer o que quiséssemos, é por isso. Ritchie e eu queríamos que a banda fosse uma banda de rock 'n roll com uma atitude clássica, é isso o que sempre quisemos ser. Então, quando começo a ouvir a banda fazer coisas como "I Surrender", "Since You've Been Gone", isso foi sem sentido pra mim. Esta não é a banda em que eu estava, não foi a banda que eu comecei com ele. Então perdi toda a minha fé nela depois disso. Ele é um homem cruel. As coisas que ele fez a Tony Carey... inacreditável.

Os vídeos originais podem ser vistos abaixo.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Queria Dio, mas empresário achava ele velho para projeto

6 acessosEm 03/01/1959: Nasce Tracy G (Dio)5 acessosEm 21/05/2002: Dio lança o álbum Killing The Dragon11 acessosEm 15/05/1990: Dio lança o álbum Lock Up The Wolves11 acessosEm 21/03/2000: Dio lança o álbum Magica7 acessosEm 21/07/1987: Dio lança o álbum Dream Evil0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dio"

Vince NeilVince Neil
"Queria ter uma voz como a do Dio ou Coverdale!"

Bill WardBill Ward
Eu preferia Ozzy a Dio no Black Sabbath

HomenagensHomenagens
Canções inspiradas em músicos falecidos

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Dio"0 acessosTodas as matérias sobre "Rainbow"


NirvanaNirvana
Divulgadas novas fotos da cena da morte Cobain

CreedCreed
Nomeada pior banda dos anos 1990 pela Rolling Stone

Paul Di AnnoPaul Di Anno
Qual a opinião dele sobre Bruce Dickinson?

5000 acessosStephanie Seymour: ex de Axl Rose mostra ótima forma aos 445000 acessosLed Zeppelin: "Stairway To Heaven" vale mais de US$500 milhões?5000 acessosFotos de Infância: Jon Bon Jovi4761 acessosMax Cavalera: o que ele seria se não fosse músico?5000 acessosGuns N' Roses: a primeira vez ao vivo de todas as músicas4565 acessosKorn: para Davis nem todo assassinato tem a ver com Satã

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 11 de julho de 2017


Sobre Lucas Esteves

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online