RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música do Rush que a própria banda considerava "uma das piores"

imagemO rockstar que rejeitou duas vezes a Rainha Elizabeth II

imagemA mancada pela qual George Harrison disse que Eric Clapton jamais o perdoou

imagemO rockstar rejeitado pela Rainha Elizabeth II que foi condecorado, mas não por ela

imagemThe Cure: 5 bandas que o vocalista Robert Smith já declarou odiar

imagemA incrível banda obscura, brutal e bela que foi o Black Sabbath dos 90s para Scott Ian

imagemTim Ripper diz que sua era como vocal do Judas Priest foi "varrida para debaixo do tapete"

imagemFãs do Guns N' Roses tretam com Regis Tadeu nas suas redes sociais

imagemAnúncio do Parkway Drive como headliner do Summer Breeze causa chiadeira

imagemDe e-mail a rolê com Mustaine, Kiko Loureiro conta como se tornou integrante do Megadeth

imagemArnaldo explica por que saía do palco quando Titãs tocava hit de "Cabeça Dinossauro"

imagemOs motivos que levaram Jairo Guedz a sair do Sepultura na época do "Schizophrenia"

imagem"Não estou agradando a Dave; Estou agradando o Megadeth", afirma Kiko Loureiro

imagemMonise Sousa: falece ex-vocalista do Retaliatory e Baixo Calão, vítima de leucemia

imagemNovo vocalista do Skid Row já estava na mira da banda há um bom tempo


Stamp

Alien Weaponry: segundo disco confirma rapazes como uma grande novidade

Resenha - Tangaroa - Alien Weaponry

Por Victor de Andrade Lopes
Em 05/10/21

Nota: 7

Você pode até achar que a bajulação da crítica para o trio neozelandês de folk groove metal Alien Weaponry é um tanto exagerada - e é mesmo! -, mas não pode negar que os garotos já são, sem dúvida, um dos nomes do metal mais interessantes a surgirem na última década.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Se o groove metal empolgante e assertivo dos caras já não fosse suficiente para conquistar corações, eles ainda combinam isso com elementos da cultura māori - a civilização da qual descendem e que ocupava parte do arquipélago hoje correspondente à Nova Zelândia. Lembrou de Roots, do Sepultura? Eu diria que é praticamente impossível você gostar daquele disco e não gostar deste.

Porque em Tangaroa, segundo lançamento de estúdio do grupo que é editado em setembro, a fórmula básica da banda está mantida: faixas de groove/thrash diretaço adoçadas com toques indígenas em maior ou menor grau.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Algumas até ficam fora da curva, e isso já começa na abertura "Titokowaru", com uma riffagem bem progressiva. Outra que ninguém esperava é "Unforgiving", que foge quase totalmente do groove e se envereda pelo grunge/alternativo, porém sem perda de qualidade. Esses aromas retornarão em menor intensidade em "Crooked Monsters".

Mas o esqueleto do álbum ainda é calcado, absolutamente, no groove basicão. E talvez aí resida a única fraqueza do disco. Por dedicar a base de seus mais de 80 minutos de música a um som simples que não os destoa de outros nomes do gênero, o grupo acaba entregando aos elementos māori a função de destacá-los do joio, mas eles ainda não incorporam esses elementos numa simbiose tão profunda quanto aquelas protagonizadas pelo Sepultura, The Hu ou Arandu Arakuaa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

De qualquer forma, nunca pareceu ser pretensão destes rapazes fazerem folk metal, em que tais misturas são muito mais homogêneas. Incensados ou não, o Alien Weaponry provou pela segunda vez que são merecedores da sua atenção em meio ao mar de bandas de groove/thrash que temos atualmente.

Abaixo, o vídeo de "Buried Underground".

FONTE: Sinfonia de Ideias
https://sinfoniadeideias.wordpress.com/2021/09/27/resenha-tangaroa-alien-weaponry/

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

NFL Steve Harris


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Guns N' Roses: a versão de Axl Rose sobre a separação

Metal: 16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes.