Matérias Mais Lidas

imagemPrika Amaral esclarece por que contratou apenas mulheres europeias para a Nervosa

imagemA opinião de Dave Mustaine sobre a clássica "The Unforgiven", do Metallica

imagemLegião Urbana e a surpreendente música que serviu de base para "Ainda é Cedo"

imagemAudioslave: Tom Morello recorda seu sinistro primeiro encontro com Chris Cornell

imagemCinco músicos que começaram vida nova após saírem de grandes bandas de heavy metal

imagemJames Hetfield e esposa Francesca se divorciam após 25 anos de união

imagemVocalista do Anvil afirma que Rob Halford e Ian Gillan são personagens

imagemNando Reis relembra curioso único game que jogou na vida, durante gravação dos Titãs

imagemNando Reis e a linda música que Samuel Rosa dispensou por ter recebido na hora errada

imagemJanis Joplin: última gravação dela em vida foi feita para um Beatle

imagemAs seis músicas do Metallica que Dave Mustaine ajudou a escrever

imagemO show do Black Sabbath que acabou em tumulto por conta de uma garrafa

imagemO comovente relato de Kiko sobre como foi gravar em meio ao câncer de Mustaine

imagemAs faixas do "Black Album" que James Hetfield e Lars Ulrich não curtem

imagemAs 10 melhores versões metal de músicas pop dos anos 1980, em lista da Metal Hammer


Dream Theater 2022

Avalon: disco de altos e baixos encerra bem a metal opera

Resenha - Enigma Birth - Avalon

Por Victor de Andrade Lopes
Em 18/07/21

Nota: 7

Contratos com gravadoras são tão sérios que eles até te fazem criar o quarto capítulo de uma trilogia, por mais bizarro que isto soe. A metal opera Avalon, que o guitarrista finlandês Timo Tolkki (ex-Stratovarius, Symfonia, Revolution Renaissance) criou a convite de Serafino Perugino, fundador da Frontiers Music Srl, encerra um ciclo de oito anos de lançamentos com The Enigma Birth, editado em junho pelo selo italiano.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tal como no antecessor Return to Eden, recebi a notícia deste quarto episódio com certo preconceito, pois achava que o terceiro disco da metal opera, muito bom, havia sido um ponto fora da curva. Não foi: este aqui seguiu um caminho igualmente frutífero (embora não com a mesma consistência), mostrando que o projeto estava começando a ficar mais bem azeitado.

A consistência foi comprometida aqui porque o trabalho perde o gás na metade e só recupera mais pro final. Em outra palavras, a metade "boa", sozinha, tornou esta obra tão boa quanto a sua antecessora, não deixando a metade "ruim" prevalecer.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Uma possível explicação para esse contraste entre os dois conjuntos de faixas é o fato de que Timo só escreveu justamente metade delas; as outras ficaram a cargo de um time de compositores da própria gravadora, segundo declarações do músico ao canal Chaoszine. A pergunta que fica é: quem escreveu as "boas" e quem escreveu as "ruins"?

O "líder" do projeto não teve controle nem mesmo sobre a lista de convidados, escrevendo "às cegas" com relação aos vocais. Enquanto a banda de apoio é composta por vários ilustres semidesconhecidos da cena italiana (presumivelmente indicados pelo selo também), os vocalistas convidados agregam muito valor: James LaBrie (Dream Theater), Jake E. (ex-Amaranthe, Cyrha), Marina La Torraca (Phantom Elite, Exit Eden), Brittney Slayes (Unleash the Archers), o "Bruce Dickinson brasileiro" Raphael Mendes (Icon of Sin), Fabio Lione (ex-Labyrinth, ex-Vision Divine, ex-Rhapsody of Fire, Turilli / Lione Rhapsody, Angra, Eternal Idol), Caterina Nix (Chaos Magic) e o influencer norueguês PelleK.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A "metade boa" que mencionei está quase toda concentrada nas primeiras faixas, numa sequência matadora de pesados e rápidos petardos. Destaque para a veloz abertura autointitulada, com PelleK; a sinfônica levemente oriental "Memories" (com Caterina Nix e Brittney Slayes); a poderosa "Master of Hell"; e a surpreendentemente progressiva "Beautiful Lie", que combinou com o convidado James LaBrie. Esta e "Memories" são duas que eu tenho certeza quase absoluta que não foram compostas por Timo: exceto pelos solos, nada nelas tem a cara dele.

E é a partir da sexta que chega a tal da perda do gás. Neste pacote de canções, temos as genéricas "Truth" (com Jake E) e "Time" (com Marina La Torraca) e a sonolenta balada "Another Day" (também com Marina). E, por melhor que tenha sido o trabalho da nossa voz tupiniquim em "Beauty and War", ela não faz jus a "Master of Hell".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os destaques da reta final são capitaneados por Fabio Lione. Primeiro vem "Dreaming", mesclando o melhor do metal sinfônico, progressivo e power; depois, encerrando o disco, temos a agressiva e encorpada "Without Fear". Merece comentários também a outra balada, "The Fire and the Sinner", com uma memorável performance de Brittney.

Supondo que o projeto se encerre aqui, com este quarto lançamento da trilogia (jamais conseguirei escrever estas palavras sem uma dosagem de estranheza), podemos dizer que ele terminou sua história de forma digna. A próxima empreitada do finlandês é um álbum solo independente, Union Magnetica; tendo ele controle muito maior sobre o processo criativo, podemos esperar algo presumivelmente mais interessante desta obra, mas isto ficará para outra resenha.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Abaixo, o vídeo de "Master of Hell".

FONTE: Sinfonia de Ideias
https://sinfoniadeideias.wordpress.com/2021/07/11/resenha-the-enigma-birth-avalon/

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Álbuns Decepcionantes: blog elege o Top 5 de 2014

Timo Tolkki: fãs da banda cearense Fireline o acusam de plágio

Kurt Cobain e a banda brasileira que mexeu com ele: "eles foram muito revolucionários"

O trocadilho picante que Ney fazia em "Pro Dia Nascer Feliz" que Cazuza gargalhava


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes.