Thrash Terror: absorvendo fortemente o legado do Thrash Metal raiz

Resenha - We Shall Revenge - Thrash Terror

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo M. Brauna
Enviar correções  |  Ver Acessos

Mão direita rápida, andamento de bateria no compasso 1/1, solos sem firulas e força aguda na voz, foi assim que nasceu o Thrash Metal e é assim que a THRASH TERROR se apresenta em seu EP 'We Shall Revenge', lançado em 2018. O clima que cerca este álbum nos remete à essência do estilo que saiu do subúrbio de São Francisco, Califórnia (EUA) para o mundo.

Metallica: NME elege as 10 melhores músicas do grupoGuitarristas: Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista Fuzz

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O trabalho que foi gravado ainda em 2017, em São Paulo, começa com 'Deliver Us to Metal', um cartão de visita 'speed' que diz como serão as audições pelos próximos dezessete minutos do EP. As partes de baixo se destacam logo no início paralelas às palhetadas insanas da música. A partir daqui e dependendo do momento e ambiente em que você estiver, a ação de bater cabeça será inevitável. Ouvir 'We Shall Revenge' é como ouvir alguns álbuns clássicos de nomes como Exodus, Anthrax e Testament, ou mesmo Overkill como na canção 'March to Kill', que é tema ideal para formação de rodas pelo mosh.

A velocidade que até a chegada de 'Hell's Pub' já é um fator habitual no play, não ofusca a melodia que é sempre bem encaixada. Sim, os músicos também se preocupam com a técnica e tentam passar isso ao ouvinte da forma menos complexa possível. Um exemplo melhor para entender a harmonia trabalhada neste EP está em 'Deathmaker', com partes mais cadenciadas, porém, sem perder a motricidade dos riffs, mas a introdução da faixa título é ainda mais melódica com arranjos dedilhados e uma leve distorção soturna. Podemos encarar isso como sendo versatilidade, que afasta a saturação de ouvir um álbum cru e, por vezes, direto.

A banda prepara em 2020 o seu primeiro full length e, claro, se continuar nesta pegada com composições empolgantes e sem complexidade, o número de seguidores em seu nicho aumentará consideravelmente, pois a paixão pela forma de se fazer música como nos anos oitenta, só vem crescendo na cena mundial e, diga-se de passagem, o "retro" (mesmo que algumas bandas não gostem de serem associadas a esse fenômeno) está desempenhando um papel fundamental na manutenção do Metal underground hoje.

Track list

Deliver Us to Metal
March to Kill
Hell's Pub
Deathmaker
We Shall Revenge




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Thrash Terror"


Metallica: NME elege as 10 melhores músicas do grupoMetallica
NME elege as 10 melhores músicas do grupo

Guitarristas: Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista FuzzGuitarristas
Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista Fuzz


Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.

Mais matérias de Leonardo M. Brauna no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336