Carbônica: incendiando nossos ouvidos com urgências urbanas e pessoais

Resenha - Carbônica - Carbônica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes
Enviar Correções  

9

Foi necessário mais de uma década de shows, EPs e iniciativas culturais dignas de nota até que o power trio guarulhense Carbônica finalmente lançasse seu primeiro disco cheio, autointitulado.

Metal Hammer: dez capas que provocam ânsia de vômitoCachês: nova lista revela quanto embolsam astros do Rock e Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Seria um tanto injusto dizer que ele coloca os rapazes no mapa do rock nacional porque uma banda que protagoniza projetos como o selo CLAM, as intervenções culturais CLAMdestino e a festa Noites Inflamáveis evidentemente é uma banda que respira, come e caga música já há algum tempo, dispensando a necessidade de um trabalho "formal" para cravar seu nome em algum lugar. E essa dedicação toda se reflete na intensidade deste trabalho.

Ele reúne algumas pérolas que foram lançadas anteriormente nos três primeiros EPs do grupo: "Se a Cidade Parar", do Rock Puro e Sem Gelo; "Agora Eu Te Bebo", "Você Quer Pecar" e "Até no Caos", do Inflamável; e "Augusta", do TR3S. E olha que muita coisa boa ainda ficou de fora...

A boa notícia é que essas faixas "rejeitadas" deram espaço para outras maravilhas: nomeadamente, "Inflamável", "Sangue", "Quem Nunca", "Lama" e "Loucura".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

As dez canções ora dialogam diretamente com as urgências do cidadão médio paulistano ("Se a Cidade Parar", "Quem Nunca" (com uma linha de baixo que deixaria Adam Clayton com um sorriso no rosto), "Até no Caos"), ora versam sobre questões mais pessoais ("Inflamável", "Agora Eu Te Bebo", "Você Quer Pecar", "Loucura").

"Augusta", com uma letra dúbia que pode estar se referindo tanto à famosa rua boêmia paulistana quanto a uma moça qualquer, traça uma interessante ponte entre esses universos temáticos do Carbônica.

A faixa mais surpreendente talvez seja "Lama". A letra é recheada de críticas sociopolíticas, mas o nome parece ter também inspirado uma roupagem com aromas de manguebeat - aquele estilo consagrado no clássico absoluto Da Lama ao Caos, de Chico Science & Nação Zumbi.

O álbum Carbônica faz jus à sua proposta. E quando falo "proposta", refiro-me ao projeto como um todo e sua vibe incendiária. Desde a capa até o último acorde, o trio se propõe a colocar fogo em nossos ouvidos e mentes com música de qualidade e letras com as quais você provavelmente se identificará, em maior ou menor grau.

Abaixo, o clipe de "Até no Caos":

Track-list:
1. "Inflamável"
2. "Se a Cidade Parar"
3. "Sangue"
4. "Agora Eu Te Bebo"
5. "Quem Nunca"
6. "Augusta"
7. "Você Quer Pecar"
8. "Lama"
9. "Loucura"
10. "Até no Caos"

Fonte: Sinfonia de Ideias
http://bit.ly/carbônica




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metal Hammer: dez capas que provocam ânsia de vômitoMetal Hammer
Dez capas que provocam ânsia de vômito

Cachês: nova lista revela quanto embolsam astros do Rock e MetalCachês
Nova lista revela quanto embolsam astros do Rock e Metal


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline