Reflexicon: sólida estreia de banda que mistura gêneros

Resenha - Reflexicon - Reflexicon

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

Quando vi esta nova banda numa lista de lançamentos recentes rotulada como "metal progressivo", não tardei em correr atrás de ouvir seu álbum de estreia autointitulado. Mas logo nos primeiros acordes, percebi que houvera um engano na categorização da música deles. Só que há surpresas que vêm para o bem...

Heavy Metal: os maiores álbuns da história para os gregosLed Zeppelin: as crianças da capa de "Houses Of The Holy"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O Reflexicon não faz nada assim, digamos, surpreendente ou extraordinário, mas misturam de maneira pouco vista elementos de muitos gêneros não tão distantes uns dos outros, ficando ali naquelas tênues linhas que separam grunge, hard rock e stoner. E sim, temos alguns toques progressivos.

Mas o rótulo de "metal progressivo" não deixa de ser estranho. É fato que esses estadunidenses de Chicago fazem canções dinâmicas e com durações não-ortodoxas. Mas se for assim, vamos ter que atribuir o rótulo "progressivo" a nomes tão diversos quanto Legião Urbana, Aerosmith, Nando Reis e Iron Maiden.

O único momento próximo disso seria a faixa de encerramento "Nightmare", com pouco mais de nove minutos e um número razoável de variações para justificar um comprimento desses. Quero dizer, a música em questão chegou a este tamanho de maneira lógica; em nenhum momento pareceu-me que a banda estava se obrigando a fazer algo longo.

A força do quinteto está especialmente em sua ala instrumental. São riffs abrasivos nas seis cordas de Jerry Buczko e Paul Kratky, uma bateria pulsante nas baquetas de John Ashe e um baixo proeminente nos dedos de Bill Dixon.

O vocal que não deixa os companheiros na mão é a voz arranhada de Fred Morg. Ele faz parecer que Sammy Hagar virou o vocalista do Sons of Apollo ou do Nickelback - dois exemplos de grupos que soam diferentes mas cujos fãs podem encontrar algo para gostar aqui.

Esta cozinha visceral e a voz acima de qualquer suspeita que compõem o som do Reflexicon são basicamente o motivo pelo qual eu indicaria esta banda a qualquer pessoa interessada em alguma novidade do rock moderno.

Abaixo, o lyric video de "Grasp at the Sky":

Track-list:
1. "The Hunt Is On"
2. "Life Is Suffering"
3. "Ride On
4. "Samsara"
5. "Grasp at the Sky"
6. "Lydia"
7. "Save Me"
8. "Nightmare"

Fonte: Sinfonia de Ideias
http://bit.ly/reflexicon




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Reflexicon"


Heavy Metal: os maiores álbuns da história para os gregosHeavy Metal
Os maiores álbuns da história para os gregos

Led Zeppelin: as crianças da capa de Houses Of The HolyLed Zeppelin
As crianças da capa de "Houses Of The Holy"


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336