Iggy Pop: Novo álbum Free traz um ídolo cansado

Resenha - Free - Iggy Pop

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fábio Cavalcanti
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Roqueiros de todas as idades já experimentaram ao menos um pouco do caos, destruição, irreverência inquieta, e outros sabores fornecidos pelo cantor Iggy Pop nos últimos 50 anos - seja através de sua seminal banda de proto-punk The Stooges, ou através de sua extensa e diversificada carreira solo. Após uma bem-sucedida parceria com Josh Homme (Queens of the Stone Age) em "Post Pop Depression" (2016), Iggy resolveu se isolar do rock 'n' roll, e traduziu essa fuga através de um inesperado álbum meditativo: "Free" (2019).

Pop Reverso: crítica do novo álbum do Iggy Pop (vídeo)Max Cavalera: "Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!"

A suavidade nunca foi o forte do nosso querido e alucinado Iggy, mas aqui ele elevou o potencial jazzístico do fraco álbum "Préliminaires" (2009), e finalmente encontrou o tom certo de minimalismo e serenidade. Sua voz grave e cansada se mostra tão anestesiante quanto a de um Nick Cave em seus momentos mais soturnos. E os arranjos trazem guitarrinhas econômicas, camadas eletrônicas meio 'new age', e alguns curiosos naipes de metais. Já as letras abordam temas que vão do amor à mortalidade, seja de forma melancólica ou irreverente.

O trabalho é consistente o bastante em sua primeira metade. A ótima "Loves Missing" evoca a sonoridade repetitiva e noturna do Interpol (leia-se Joy Division), enquanto que a estrutura meio torta de "Sonali" nos lembra um daqueles bons momentos jazzísticos do Radiohead. Simplicidade e repetitividade também são acertos na divertidíssima "James Bond", canção em que um vulnerável Iggy precisa da proteção de uma 007 feminina. "Dirty Sanchez" também traz letras engraçadas, através de uma marchinha que é suave e energética ao mesmo tempo.

Após o fusion flutuante e crescente da boa balada "Glow in the Dark", as coisas mudam de rumo... e aí temos o ato mais irregular do disco, com músicas praticamente recitadas e desprovidas de qualquer percussão. "Page" possui suas qualidades harmônicas, mas escorrega na cafonice. E a trilogia de poemas sombrios "We Are the People" (de Lou Reed), "Do Not Go Gentle Into That Good Night" (de Dylan Thomas) e "The Dawn" podem transformar a meditação do ouvinte em uma soneca certeira.

No fim, apesar de suas irregularidades, "Free" é um álbum gostoso de ouvir em seus 34 minutos de rock suave, jazz esquisito, e baladas etéreas. Recomendo, em especial, uma audição atenta entre a noite e madrugada, após um árduo dia de trabalho. Esse é um trabalho que te convida ao retiro espiritual do Iggy Pop, onde podemos contemplar a vida, mas sem esquecer de uma pequena dose de angústia sincera. O velhinho Iggy está cansado sim, mas ainda está vivo e livre!

Músicas:
1. Free
2. Loves Missing
3. Sonali
4. James Bond
5. Dirty Sanchez
6. Glow in the Dark
7. Page
8. We Are the People
9. Do Not Go Gentle Into That Good Night
10. The Dawn




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Iggy Pop"


Pop Reverso: crítica do novo álbum do Iggy Pop (vídeo)Iggy Pop: lendário vocalista divulga o novo álbum solo, FreeIggy Pop: ouça "Sonali", mais uma música do próximo álbumIggy Pop: confira vídeo clipe oficial de "James Bond"

The Boys: trilha sonora da nova série de heróis está repleta de rockThe Boys
Trilha sonora da nova série de heróis está repleta de rock

Iggy Pop: confira sua nova música, "James Bond"Iggy Pop: cantor confirma novo disco "Free" e divulga música

Legião Urbana: semelhanças com faixas dos Ramones e Stooges?Legião Urbana
Semelhanças com faixas dos Ramones e Stooges?

Esquire: os setenta e cinco discos que todo homem deve terEsquire
Os setenta e cinco discos que todo homem deve ter

Astros do Rock: como seriam suas versões tatuadasAstros do Rock
Como seriam suas versões tatuadas


Max Cavalera: Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!Max Cavalera
"Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!"

Creed: nomeada pior banda dos anos 1990 pela Rolling StoneCreed
Nomeada pior banda dos anos 1990 pela Rolling Stone

Jim Carrey: batendo cabeça ao som de Cannibal CorpseJim Carrey
Batendo cabeça ao som de Cannibal Corpse

Axl Rose: Um dos vocalistas com maior alcanceSeparados no nascimento: sou só eu, ou eles são parecidos?Os estranhos relacionamentos de Janis JoplinStewart Copeland: "Não levava Led Zeppelin a sério graças aos vocais"

Sobre Fábio Cavalcanti

Baiano, sempre morou em Salvador. Trabalha na área de Informática e ¨brinca¨ na bateria em momentos vagos, sem maiores pretensões. Além disso, procura conhecer novas - e antigas - bandas dos mais variados subgêneros do rock. Por fim, luta para divulgar, sempre que possível, o pouco conhecido cenário rocker da tão sofrida ¨Terra do Axé¨.

Mais matérias de Fábio Cavalcanti no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336