Rik Emmett: lenda retorna com amigos do Rush e Dream Theater

Resenha - RES9 - Rik Emmett & RESolution9

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O álbum "RES9" marcou o retorno de Rik Emmett, vocalista, guitarrista e fundador da banda canadense Triumph, um dos nomes mais cultuados do hard e heavy dos anos 1980. O disco saiu lá fora em 2016 e foi lançado no Brasil pela Hellion Records.

Lynyrd Skynyrd: a história da espetacular "Simple Man"O futuro do Rock nacional: bandas autorais devem "se tocar"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E para quem gosta de classic rock é um prato cheio, pois além de trazer Emmett em boa forma o álbum ainda conta com as participações especiais de Alex Lifeson e James LaBrie, respectivamente guitarrista do Rush e vocalista do Dream Theater. Como cereja do bolo, há ainda a presença dos brothers dos tempos do Triumph - o baixista Mike Levine e o baterista Gil Moore -, na música que encerra o play, "Grand Parade". A banda que acompanha Emmett, o RESolution 9, é formada por Dave Dunlop (guitarra), Steve Skingley (baixo) e Paul DeLong (bateria).

Musicalmente, o que encontramos em "RES9" é um hard rock melodioso e com foco nas guitarras. O apelo pop é onipresente, o que aproxima a proposta de Emmett do AOR, porém sem a presença maciça de teclados, o que me agrada bastante. Compositor de mão cheia, Rik segue em grande forma mostrando ideias que agradam o ouvinte.

O álbum possui uma dinâmica interessante, variando sempre entre canções mais rápidas e baladas que baixam o tom, sendo que nessas últimas fica evidente que Emmett é, de fato, um hitmaker. Lifeson participa de "Human Race" enquanto LaBrie solta a voz em "I Sing". Juntos, o Rush e o Dream Theater dividem os holofotes com o anfitrião em "End of the Line".

Despretensioso na melhor acepção do termo, "RES9" é um disco leve e com uma aura muito agradável, permeado por belas melodias e canções que conquistam o coração. Há feeling em sua receita, com notas que passam muito mais pela emoção do que pela técnica - porém, não se engane, pois a performance de todos é exemplar.

Entre as faixas, destaque para o tempero ZZ Top logo na abertura com "Stand Still", "Human Race", a balada blues "My Cathedral", a contemplativa "The Ghost of Shadow Town" (com lindas guitarras) e a ótima "End of the Line", com Alex Lifeson e James LaBrie.

"RES9" é um álbum que surpreende de maneira muito positiva, vale conferir.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Triumph"Todas as matérias sobre "Rik Emmett"


Lynyrd Skynyrd: a história da espetacular Simple ManLynyrd Skynyrd
A história da espetacular "Simple Man"

O futuro do Rock nacional: bandas autorais devem se tocarO futuro do Rock nacional
Bandas autorais devem "se tocar"


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGoo336