FB1964: ópera metal surpreendente e cheia de participações especiais

Resenha - Störtebeker - FB1964

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Com a chegada do Avantasia e o lançamento do seu disco de estreia - o já clássico "The Metal Opera" (2001) -, a proposta de unir o heavy metal a uma abordagem tanto musical quanto lírica inspirada na tradição das grandes óperas ganhou cada vez mais adeptos. No entanto, projetos realmente bons seguindo essa abordagem não foram muitos, convenhamos.

Rhythm: os bateristas mais influentes de todos os temposSlayer: é melhor não mexer com a família do Tom Araya...

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Felizmente, o FB1964 quebra a sina. Idealizado pelo guitarrista alemão Frank Badenhop, o grupo conta a história do corsário Klaus Störtebeker, um dos mais famosos piratas teutônicos, que viveu entre os anos 1300 e 1400. Seu novo disco, Störtebeker, vem com doze músicas e traz as participações especiais de nomes como Bobby Ellsworth (Overkill), David DeFeis (Virgin Steele), John Gallagher (Raven), Chris Boltendahl (Grave Digger), Udo Dirkschneider (ex-Accept), Gerre Jeremia (Tankard), Henning Basse (Firewind) e Ronnie Romero (Rainbow), além dos guitarristas Gary Holt (Slayer, Exodus), Jeff Loomis (Nevermore, Arch Enemy), Nita Strauss (Alice Cooper), John Norum (Europe), Axel Rudi Pell, David T. Chastain e Victor Smolski (Rage). Um time de respeito, e que entrega um ótimo trabalho.

Sob a batuta de Badenhop, a banda evolui seguindo uma estrutura que vai apresentando a história, e os convidados, aos poucos. O trabalho de composição é muito bem feito e intercala excelentes faixas instrumentais entre as canções, recurso que gera interlúdios que tornam a história ainda mais forte. Em termos de estilo, o que ouvimos é um metal com os dois pés no lado mais tradicional do gênero, porém sem soar ultrapassado. Há peso, grandes riffs e agressividade, assim como momentos de velocidade e outros mais calmos. A carga dramática do álbum é impressionante e consegue transportar o ouvinte para as batalhas e confrontos vividos por Störtebeker, assim como levar aos momentos mais contemplativos do personagem principal.

Para tornar tudo ainda mais forte, a edição nacional lançada pela Hellion Records vem com um encarte com nada mais nada menos que 32 páginas que apresenta a história, traz as letras e fala sobre todo o projeto.

"Störtebeker" é um lançamento inesperado, já que nunca tinha ouvido falar deste projeto e acredito que ele é desconhecido também da maioria dos leitores do site. No entanto, a qualidade final deste disco é inegável, e traz aquela ótima sensação que tanto apreciamos ao ouvir um álbum de metal que reafirma nossa crença no estilo.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "FB1964"


Rhythm: os bateristas mais influentes de todos os temposRhythm
Os bateristas mais influentes de todos os tempos

Slayer: é melhor não mexer com a família do Tom Araya...Slayer
é melhor não mexer com a família do Tom Araya...


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGoo336