RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA atitude ousada da Legião Urbana ao peitar Globo e Faustão no meio de uma grande crise

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemA razão que levou Humberto Gessinger a decidir não usar mais nome "Engenheiros do Hawaii"

imagemPor que Gisele Bündchen e Ivete Sangalo deturparam "Imagine", segundo André Barcinski

imagemDiva Satânica explica qual foi a razão que a fez deixar a banda Nervosa

imagemO último show de Bon Scott com o AC/DC, três semanas antes de sua morte

imagemA hilária reação de Keith Richards ao encontrar músicos do Maneskin

imagemDavid Coverdale relembra parceria com Jimmy Page, e fala sobre relançamento

imagemAs duas razões que levaram RPM a passar por segunda separação em 2003

imagemEm entrevista, Tony Iommi contou como aprendeu a tocar guitarra

imagemAlém do Moonspell, São Paulo Metal Fest anuncia Beyond Creation em seu cast

imagemAngra parabeniza a aniversariante Sandy nas redes sociais

imagemJimmy Page sobre o "Presence": "Não se faz músicas como aquelas caindo de bêbado"

imagemGuitarrista do Offspring continuou em seu emprego normal mesmo depois da fama

imagemPrika explica por que nova vocalista da Nervosa não é brasileira e promete single em março


Stamp

Annihilator: Aniquilando o demônio

Resenha - Refresh the Demon - Annihilator

Por Vitor Sobreira
Postado em 09 de novembro de 2017

A banda canadense Annihilator logo no seu primeiro disco, o aclamado ‘Alice in Hell’ (1989), conseguiu atrair uma satisfatória atenção junto ao público do Heavy Metal, com seu Thrash Metal carregado de passagens Speed e igualmente técnicas. Sempre liderada pelo perfeccionista Jeff Waters, e com essa boa aceitação, a banda seguiu em frente e até hoje faz lançamentos constantes. Chegando no ano de 1996, lançou ‘Refresh the Demon’ seu quinto álbum de estúdio, no dia 11 de março, pela gravadora Music For Nations.

Uma das características mais curiosas da banda – além da música – é a constante alteração na formação ao longo de toda a sua carreira. No entanto, o baterista Randy Black (presente no anterior ‘King of the Kill’, de 1994) foi mantido, bem como o guitarrista Dave Scott Davis que desde 1989, participava esporadicamente em singles, demos e inclusive do segundo álbum ‘Never, Neverland’ (1990), mas em ‘Refresh the Demon’, executou "apenas" os solos das faixas "The Pastor of Disaster", "Ultraparanoia", "City of Ice" e "Anything for Money". Ainda em tempo, do trabalho anterior, também foram mantidos o artista gráfico Paul Archer, responsável pelo horrendo ‘capiroto’, e Ralph Alfonso, na direção de arte e design.

Tudo bem que a originalidade pode ter ficado nos primórdios do Annihilator mesmo, pois a fórmula em si não apresentou mudanças, mas é inegável que é sempre uma experiência interessante ouvir um trabalho dos canadenses e se surpreender, pois é tudo muito bem pensado e executado. Dos riifs hipnóticos e cortantes, às levadas rítmicas milimetricamente calculadas e distribuídas, até mesmo às melodias, não há do que se reclamar. A produção e os demais processos de estúdio fazem jus as composições, e ficaram por conta de Paul "The Pastor" Blake, Craig Waddell e, adivinhe de quem mais… Jeff Waters! – também responsável pelos vocais (onde acabou se saindo razoavelmente bem), baixo e guitarra.

Destaques estão por todos os lados, e desde a impactante e veloz abertura com a faixa título, percebe-se que será uma audição que valerá a pena. "Syn.Kill 1" recebeu um video clipe, enquanto que "Pastor of Disaster" apresenta momentos mais diversificados. "Ultraparanoia" e "Anything For Money" retornam com as levadas rápidas, e instrumental geral primoroso. Chegando na reta final, "Hunger", "Voices and Victims" e a ‘balada’ "Innocent Eyes" – certamente a composição mais diferente do disco, com vocais totalmente limpos – tiram o pé do acelerador e empregam um pouco menos "quilowatts" no peso…

‘Refresh the Demon’ pode não ser o ‘play’ mais conhecido ou admirado desta entidade canadense, mas nem por isso, deixa de ser um trabalho respeitosamente bom. Dê uma conferida!

Formação:
Jeff Waters (guitarra, baixo e vocal);
Dave Scott Davis (guitarra solo faixas 4, 6, 7 e 8);
Randy Black (bateria)

Faixas:
01. Refresh the Demon
02. Syn. Kill 1
03. Awaken
04. The Pastor of Disaster
05. A Man Called Nothing
06. Ultraparanoia
07. City of Ice
08. Anything for Money
09. Hunger
10. Voices and Victims
11. Innocent Eyes.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze

Jeff Waters: escolhendo os 13 melhores discos de todos os tempos

Whatculture!: site elege dez maiores discos de Thrash Metal

Annihilator: guitarrista quase substituiu James Hetfield em 1992

Annihilator: "A cena está crescendo, mas precisa de um novo Metallica"


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.
Mais matérias de Vitor Sobreira.