Chaos Synopsis: Definindo o caos

Resenha - Gods Of Chaos - Chaos Synopsis

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor Freire
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imergindo na temática do caos, o Chaos Synopsis apresenta seu novo trabalho, sucessor dos excelentes Seasons of Red (2015) e Art of Killing (2013). Jairo Vaz (baixo e vocal), Diego Sanctus (guitarra), Luiz Ferrari (guitarra) e Friggi MadBeats (bateria) não economizaram peso nas músicas e entregaram um trabalho com bastante variações melódicas num alicerce bem moldado no death-thrash.

Slipknot: "para cada Mustaine falando merda há um Hetfield"Gene Simmons: sexo com vocalista do Linkin Park na cadeia?

Como é já tradição nos trabalhos do Chaos Synopsis, os álbuns adotam uma temática. O Gods of Chaos (2017) traz um "estudo das velhas mitologias, onde o homem criava deuses para explicar o desconhecido". Tudo isso fincado em um cenário de guerra e destruição.

Dessa forma é que Raising Hell já abre os trabalhos com bastante velocidade, assim como Storm of Chaos. O que mais me chama a atenção na sonoridade do Chaos Synopsis, desde o primeiro trabalho deles que pude escutar, é a coerência do som. Os riffs são pesados, mas bem executados de uma forma que conseguimos entender cada linha - o mesmo vale para os vocais. As músicas unem metranca com passagens mais melódicas, misturando death metal com thrash e até heavy metal.

A bateria sustenta a velocidade em Black God, que apesar de ter basicamente a mesma batida, consegue variar bastante as melodias. Isso é que define bem a sonoridade do Chaos Synopsis para mim. O álbum não é cansativo, as músicas, apesar de pesadas e rápidas, são bem distintas entre si. E por falar em variações, Serpent in Flames, está cheia delas, o que incluiu até um dedilhado melancólico.

Peso e velocidade estão presentes em todo o álbum, mas em Opposer of Gods e Badlands Terror isso ficou mais evidente. Certamente são músicas para não descansar a cabeça, quando executadas ao vivo. O álbum é encerrado com a faixa-título, Gods of Chaos. O tom obscuro e pesado da música gera toda uma atmosfera de terror na música - como seria se estivéssemos de frente para os Deuses do Caos.

As composições do Gods of Chaos (2017) são bastante ricas. Os riffs são muito bem construídos e tudo é muito bem harmonizado juntamente com os vocais e bateria. Comparando com o Seasons of Red (2015), o Gods of Chaos (2017) é mais imerso em caos musical - muita velocidade e peso nas músicas. Sem sombra de dúvidas, é mais um trabalho para firmar ainda mais o nome do Chaos Synopsis como uma das representantes brasileiras do death-thrash metal. A evolução deles a cada trabalho é notória e não é precipitação apontar esse álbum como um dos melhores do ano.

#Chaos Synopsis - Gods of Chaos (Dunna Records/Black Legion Prod. - 2017)

1.Raising Hell
2.Storm of Chaos
3.Black God
4.Serpent in Flames
5.Opposer of Gods
6.The Beast that Sieges Heaven
7.Sixteen Scourges
8.Badlands Terror
9.Gods of Chaos

Resenha publicada no Rock'N'Prosa:
http://rocknprosa.com.br/index.php/2017/08/29/chaos-synopsis-definindo-o-caos/ -


Outras resenhas de Gods Of Chaos - Chaos Synopsis

Chaos Synopsis: Um disco para calar os detratores do Metal nacionalChaos Synopsis: mantendo sua sonoridade forte e brutal




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Chaos Synopsis"


Slipknot: para cada Mustaine falando merda há um HetfieldSlipknot
"para cada Mustaine falando merda há um Hetfield"

Gene Simmons: sexo com vocalista do Linkin Park na cadeia?Gene Simmons
Sexo com vocalista do Linkin Park na cadeia?

Jim Morrison: ele está vivo e criando cavalos nos EUA?Jim Morrison
Ele está vivo e criando cavalos nos EUA?

Phil Anselmo: mandou um White Power mas nega ser racistaPhil Anselmo
Mandou um "White Power" mas nega ser racista

Robert Plant: quase saí do Led quando meu filho morreuRobert Plant
"quase saí do Led quando meu filho morreu"

AC/DC e Axl Rose: o que Gene Simmons achou da parceria?AC/DC e Axl Rose
O que Gene Simmons achou da parceria?

O Metaleiro: 16 exigências bizarras nos camarinsO Metaleiro
16 exigências bizarras nos camarins


Sobre Victor Freire

Professor universitário e mestre em Engenharia Mecânica pela UFRN. Nascido no deserto de Mossoró/RN. É fã e colecionador de itens relacionados ao rock'n'roll. Editor-chefe do blog Rock'N'Prosa e guitarrista do Godhound. Acessa o Whiplash! desde a infância e colabora com o site sempre que possível.

Mais matérias de Victor Freire no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336