Chaos Synopsis: Um disco para calar os detratores do Metal nacional

Resenha - Gods Of Chaos - Chaos Synopsis

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vicente Reckziegel
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

"Gods of Chaos" é o quarto disco da banda paulistana Chaos Synopsis, e uma nítida continuação/evolução de uma discografia cada dia mais rica e complexa. Se em seus lançamentos anteriores ("Kvlt Ov Dementia", "Art Of Killing", "Seasons Of Red", sem contar Splits, Demos e Singles), a banda já despontava como um dos destaques da "nova geração", o novo disco é uma confirmação de que são merecedores de tal honraria.

Guitar World: os 100 melhores guitarristas de hard rockBon Jovi: o mistério de Tommy e Gina em "Livin' On A Prayer"

Se na parte lírica a banda continua dando show, dessa vez versando sobre os deuses do caos, guerras e destruição, trazendo um estudo de velhas mitologias relacionadas, é na parte instrumental que o bicho pega. Friggi Mad Beats continua com sua bateria ensandecida, enquanto Jairo Vaz parece que conseguiu adicionar ainda mais poder a seu gutural. E a dupla de guitarristas Luiz Ferrari e Diego Sanctus destilam riffs inspirados e pesados, e mesmo assim conseguindo trazer uma variedade interessante as músicas aqui contidas.

Com relação a música em si, algumas faixas são destaques óbvios, pois sao aquelas que já possuem o peso registrado da banda, como "Raising Hell", "Storm of Chaos" (pusta trabalho de bateria), e "The Beast that Sieges Heaven". "Black God" tem a participação dos poloneses Uappa Terror (Terrordome) e Wojciech Michalak, um país no qual o Chaos Synopsis desfruta de ótima aceitação. "Opposer of Gods" é outra faixa que possui ritmo contagiante, mas o ponto alto do álbum é a estupenda "Serpent in Flames". Essa música possui todos os ingredientes para tornar-se clássica, riffs e solos de guitarra bem encaixados, um andamento mais cadenciado e um vocal cheio de raiva (como a letra em si pede). E o disco encerra com "Cocaine", cover da igualmente icônica banda Andralls.

Em suma, "Gods of Chaos" é mais um daqueles discos a serem aclamados como um dos melhores albuns de 2017 no Metal nacional. E demonstra que o Chaos Synopsis, se ainda não atingiu o seu ápice, se aproximou muito disso, e pode se orgulhar de ter criado mais uma obra-prima do Thrash/Death Metal.

Formação:
Jairo Vaz - voz e baixo
Luiz Ferrari - guitarra
Diego Sanctus - guitarra
Friggi Mad Beats - bateria

10 Faixas - 41:28

Gods of Chaos - Chaos Synopsis
(Dunna Records / Black Legion Productions)

Tracklist:
1. Raising Hell
2. Storm of Chaos
3. Black God
4. Serpent in Flames
5. Opposer of Gods
6. The Beast that Sieges Heaven
7. Sixteen Scourges
8. Badlands Terror
9. Gods of Chaos
10. Cocaine (Andralls cover)


Outras resenhas de Gods Of Chaos - Chaos Synopsis

Chaos Synopsis: Definindo o caosChaos Synopsis: mantendo sua sonoridade forte e brutal




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Chaos Synopsis"


Guitar World: os 100 melhores guitarristas de hard rockGuitar World
Os 100 melhores guitarristas de hard rock

Bon Jovi: o mistério de Tommy e Gina em Bon Jovi
O mistério de Tommy e Gina em "Livin' On A Prayer"

Metallica e Iron Maiden: veja a diferença absurda de faturamento em shows nos EUAMetallica e Iron Maiden
Veja a diferença absurda de faturamento em shows nos EUA

Metallica: gosto musical impediu que se tornassem um MaidenBlack Sabbath: Tony Iommi explica diferença entre Dio e OzzyJason Newsted: Ele abandonou o colegial e lavou pratos antes de ser famosoMax Cavalera: relembrando vomitada em Eddie Vedder

Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336