Matérias Mais Lidas

imagemO hit da Legião Urbana cuja letra fala sobre esperança de Renato em se curar da AIDS

imagemO clássico dos Paralamas do Sucesso que Lobão acusou de plágio

imagemFãs de Stranger Things do Tik Tok querem cancelar o Metallica

imagemPrika: "Já esperava saída da Fernanda, mas só em longo prazo e não naquele momento"

imagemPodcast diz que prática comum no black metal hoje seria "coisa de esquerdomacho"

imagemA canção do Rush que tira sarro de balada clássica do Kiss

imagem"Babá de Artista" do Rock in Rio diz que Iron Maiden não dá trabalho e são "gentleman"

imagemIngressos para o Wacken 2023 se esgotam em tempo recorde

imagemA lenda do Rock que se arrepende de nunca ter dormido com Jimi Hendrix

imagemBlack Sabbath: Ozzy e Iommi sobem ao palco para tocar clássicos na final do Commonwealth

imagemNando Reis e a enigmática música que ele queria usar para seduzir Marisa Monte

imagemO hit dos Engenheiros do Hawaii com citação de canção soviética sobre defender a pátria

imagem"Farsa" da Mobile Fidelity abre crise no conceito de "áudio puramente analógico"

imagemDinho lembra quando entrevistou Robert Plant sem poder falar sobre Led Zeppelin

imagemTom Morello explica por que o RATM se reúne, mas não lança novas músicas


Stamp

Lacrimosa: "Einsamkeit", a obra prima da tristeza

Resenha - Einsamkeit - Lacrimosa

Por Rafael Lemos
Em 31/05/17

Nota: 10

Após o lançamento do fantástico debut "Angst", Tilo Wolf lança seu segundo trabalho, "Einsamkeit", na minha opinião o melhor de toda a carreira da banda. Pode-se dizer que é uma continuação natural do trabalho anterior, pois a sonoridade sombria é muito parecida entre eles, assim como a produção, estética musical e letras, desta vez conduzidas pelo tema que intitula o álbum, a solidão. Se trata de uma verdadeira obra prima da arte gótica e darkwave alemã, um trabalho que cheguei a viciar a ponto de ouvir repetidamente todos os dias por horas a fio.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Pela primeira vez, o Lacrimosa se tornou uma banda de verdade, pois no álbum anterior Tilo Wolff era quem tocava todos os instrumentos. As composições melancólicas, no entanto, continuaram sendo totalmente de sua autoria. A banda contava, além dele, com Philippe Alioth no piano e teclado (função que dividia com Tilo), Roland Thaler na guitarra, Stelio Diamantopoulos no baixo e Eric the Phantom no violino, além do uso de sintetizadores e bateria eletrônica programados por Tilo. Data da época desse álbum as primeiras apresentações da banda.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Um piano triste e muito bem executado inicia o disco com "Tränen der Sehnsucht - Part I and II", assemelhando ao som de uma caixinha de música, que abruptamente é substituído por ruídos e por um baixo marcante. A voz assombrosa de Tilo vem em seguida, elevando a música a um desespero aterrorizante.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

"Reißende Bircke" é a melhor música do disco, com um som grave de teclado que preenche o cômodo no qual se ouve a música. A bateria é hipnótica, em ritmo constante. Tilo tem uma das mais brilhantes interpretações nesta música, abrindo sua alma à canção com sua voz cavernosa.

Uma música de um circo decadente inicia a faixa título, uma das melhores letras da banda, abordando de maneira poética poética solidão. Em relação à letra, "Diener eines Geistes" não fica muito atrás, abordando o conflito maniqueísta entre o bem e o mal que existe no interior de cada um de nós. Musicalmente, esta música é aquele gótico mais dançante, típico do final dos anos 80 na Alemanha, com um baixo tocado em volume alto e com andamento muito bem marcado.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Ruídos e sussurrose lamentos compõem "Loblied auf die Zweisamkeit", uma música de ritmo lento que segue com sombrias preces próximas ao seu final.

A última música é a belíssima"Bresso", que narra a despedida amorosa em um leito de morte. Embalada por um piano, encerra com um choro de Tilo Wolff.

A edição em cd de 2002 conta com a bônus "Ruin", que segue o estilo decadente do disco. A edição em cd, em digipack, possui encarte com desenhos, fotos, letras e informações técnicas.

Se você nunca ouviu o início do Lacrimosa, este trabalho se faz obrigatório, pois ele sintetizou todo o desespero que Tilo Wolff sentia e quis passar com a sua arte.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Faixas:
1- Tränen der Sehnsucht - Part I and II
2- Reißende Bircke
3- Einsamkeit
4- Diener eines Geistes
5- Loblied auf die Zweisamkeit
6- Bresso
7- Ruin (bônus)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Idioma: bandas que já cantaram em sua língua natal

Van Halen: o constrangedor encontro de Eddie com o Nirvana

A importância da revista Playboy na vida de alguns rockstars


Sobre Rafael Lemos

Rafael Lemos começou a gostar de Heavy Metal, Hard Rock e Progressivo em 1991, sem influência de ninguém, realizando pesquisas sobre as bandas.

Mais matérias de Rafael Lemos.