Lacrimosa: "Einsamkeit", a obra prima da tristeza

Resenha - Einsamkeit - Lacrimosa

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Lemos
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

Após o lançamento do fantástico debut "Angst", Tilo Wolf lança seu segundo trabalho, "Einsamkeit", na minha opinião o melhor de toda a carreira da banda. Pode-se dizer que é uma continuação natural do trabalho anterior, pois a sonoridade sombria é muito parecida entre eles, assim como a produção, estética musical e letras, desta vez conduzidas pelo tema que intitula o álbum, a solidão. Se trata de uma verdadeira obra prima da arte gótica e darkwave alemã, um trabalho que cheguei a viciar a ponto de ouvir repetidamente todos os dias por horas a fio.

Plágio ou coincidência: trechos semelhantes no rock/metalBlack Sabbath: Tony Iommi explica como tocar "Paranoid"

Pela primeira vez, o Lacrimosa se tornou uma banda de verdade, pois no álbum anterior Tilo Wolff era quem tocava todos os instrumentos. As composições melancólicas, no entanto, continuaram sendo totalmente de sua autoria. A banda contava, além dele, com Philippe Alioth no piano e teclado (função que dividia com Tilo), Roland Thaler na guitarra, Stelio Diamantopoulos no baixo e Eric the Phantom no violino, além do uso de sintetizadores e bateria eletrônica programados por Tilo. Data da época desse álbum as primeiras apresentações da banda.

Um piano triste e muito bem executado inicia o disco com "Tränen der Sehnsucht - Part I and II", assemelhando ao som de uma caixinha de música, que abruptamente é substituído por ruídos e por um baixo marcante. A voz assombrosa de Tilo vem em seguida, elevando a música a um desespero aterrorizante.

"Reißende Bircke" é a melhor música do disco, com um som grave de teclado que preenche o cômodo no qual se ouve a música. A bateria é hipnótica, em ritmo constante. Tilo tem uma das mais brilhantes interpretações nesta música, abrindo sua alma à canção com sua voz cavernosa.

Uma música de um circo decadente inicia a faixa título, uma das melhores letras da banda, abordando de maneira poética poética solidão. Em relação à letra, "Diener eines Geistes" não fica muito atrás, abordando o conflito maniqueísta entre o bem e o mal que existe no interior de cada um de nós. Musicalmente, esta música é aquele gótico mais dançante, típico do final dos anos 80 na Alemanha, com um baixo tocado em volume alto e com andamento muito bem marcado.

Ruídos e sussurrose lamentos compõem "Loblied auf die Zweisamkeit", uma música de ritmo lento que segue com sombrias preces próximas ao seu final.

A última música é a belíssima"Bresso", que narra a despedida amorosa em um leito de morte. Embalada por um piano, encerra com um choro de Tilo Wolff.

A edição em cd de 2002 conta com a bônus "Ruin", que segue o estilo decadente do disco. A edição em cd, em digipack, possui encarte com desenhos, fotos, letras e informações técnicas.

Se você nunca ouviu o início do Lacrimosa, este trabalho se faz obrigatório, pois ele sintetizou todo o desespero que Tilo Wolff sentia e quis passar com a sua arte.

Faixas:
1- Tränen der Sehnsucht - Part I and II
2- Reißende Bircke
3- Einsamkeit
4- Diener eines Geistes
5- Loblied auf die Zweisamkeit
6- Bresso
7- Ruin (bônus)




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Lacrimosa"


Idioma: bandas que já cantaram em sua língua natalIdioma
Bandas que já cantaram em sua língua natal


Plágio ou coincidência: trechos semelhantes no rock/metalPlágio ou coincidência
Trechos semelhantes no rock/metal

Black Sabbath: Tony Iommi explica como tocar ParanoidBlack Sabbath
Tony Iommi explica como tocar "Paranoid"


Sobre Rafael Lemos

Rafael Lemos começou a gostar de Heavy Metal, Hard Rock e Progressivo em 1991, sem influência de ninguém, realizando pesquisas sobre as bandas.

Mais matérias de Rafael Lemos no Whiplash.Net.

adGooILQ