Atacke Nuclear: Não ouça em volume baixo e sem banguear

Resenha - Extermínio - Atacke Nuclear

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Écio Souza Diniz
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A banda Sul-mineira ATACKE NUCLEAR, oriunda de Três Corações, vem deixanado sua marca no underground nacional através de seu Crossover e Thrash Old School autêntico e direto, que retrata a realidade de nosso país e de sua região e cidade, uma das mais violentas do Estado.

Filmes sobre rock: A história do gênero no cinemaAve, Satan!: As dez melhores músicas sobre o Inferno

Agora como trio composto por Gregori (Guitarra e Backing vocal), Luiz O. (Baixo e Backing vocal) e Eduardo S. (Bateria e Vocal) neste segundo álbum mostram musicas ainda mais elaboradas e pesadas do que no debut "Caos mundial" (2010).

A gravação tem uma pegada mais crua, mas que mantêm a clareza necessária para se ouvir perfeitamente todos os instrumentos e vocal, dando uma realçada na agressividade das músicas.

As alternâncias entre o Thrash típico de bandas como EXODUS, o Crossover de bandas como SUICIDAL TENDENCES e o Speed/Thrash são notadas no decorrer da audição. Mas o principal é de fato a pegada mais Speed/Thrash que percorre o disco, além de alguns elementos Death/Thrash nacional aqui e acolá.

A faixa de abertura, "Mercadores da morte", já entra com uma boa base de riffs dobrados que logo entram numa pegada mais cortante. "Crucifique os falsos" entra arrebentando tudo com ótimos solos e uma base muito consistente da bateria. Mas é em "Suicidas" que temos um dos melhores momentos, visto que é a mais pedrada de todas, lembrando a mescla mineira clássica do Thrash/Death, uma espécie combinação sonora entre MUTILATOR e SARCÓFAGO. Inclusive, nas partes mais cadenciadas lembra o SARCÓFAGO das fases I.N.R.I e "Rotting". Ainda se destacam "Vítimas do sistema" com ótimos "blast beats" e solo lancinante, "Silêncio da conveniência" com seu refrão marcante e a faixa título que é um esporro sobre a alienação que um governo absoluto submete à nação para ir exterminando-a lentamente.

No final das contas ao colocar "Extermínio" pra rolar, apenas não ouça em volume baixo e sem banguear!

Faixas:
1 - Intro - Lamentos do Inferno
2 - Mercadores da Morte
3 - Crucifique os Falsos
4 - Suicidas
5 - Vítimas do Sistema
6 - SOS Indígenas
7 - País Fantasma
8 - Silencio da Conveniéncia
9 - Extermínio
10 - Guerreiros do Underground
11 - Impiedade
12 - Insulto




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Atacke Nuclear"


Filmes sobre rock: A história do gênero no cinemaFilmes sobre rock
A história do gênero no cinema

Ave, Satan!: As dez melhores músicas sobre o InfernoAve, Satan!
As dez melhores músicas sobre o Inferno

Aerosmith: curiosidades sobre a voz de Steven TylerAerosmith
Curiosidades sobre a voz de Steven Tyler

Contra-baixo: as melhores introduções do Heavy MetalHetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaThe James Gang - A gangue encrenqueira do rockSepultura: Andreas Kisser explica conceito de A-Lex

Sobre Écio Souza Diniz

Graduado em Ciências Biológicas e pesquisador na área de Ecologia e Evolução vegetal, sempre foi aficionado por leituras sobre o mundo do Rock/Metal. Além do metal, tem como paixões filmes de terror e épicos. Já participou como vocalista de várias bandas de Death/Grind, mas como nenhuma vingou se encontrou melhor em redigir matérias, fundando há alguns anos atrás o Pólvora Zine. Colabora também com vários sites especializados e com a revista Roadie Crew. Suas bandas preferidas são Iron Maiden, Black Sabbath, Dio, Dorsal Atlântica, Candlemass e Sarcófago.

Mais matérias de Écio Souza Diniz no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336