Brutallian: Sonoridade clássica e moderna

Resenha - Blow On The Eye - Brutallian

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor Freire, Fonte: Rock'N'Prosa
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O som de raiz do heavy metal, como aquele praticado pelo Judas Priest e pelo Accept, foi sempre algo que atraiu minha atenção. Ultimamente não me deparei com bandas assim no mercado, mas eis que surge, direto de São Luiz/MA, o Brutallian.

Brutallian: vocalista em entrevista ao programa Rock in PautaJethro Tull: a fúria de Ian Anderson pra cima do Led Zeppelin

A banda formada por Pablo Barros (vocal), Lex Wave (guitarra), Rayan Oliveira (bateria) e Fabio Matta (baixo) lançou o seu debut, o Blow on the Eye (2015), respeitando todos esses elementos, fazendo um som clássico com uma cara nova. Isso tudo é observado em Blow on the Eye. A faixa-título abre o álbum da melhor forma possível, com um refrão em coro que dá vontade de cantar junto. Black Karma continua na mesma linha com uma introdução bastante forte - riff bem clássico. Além dos coros e dos riffs na guitarra, destaco as linhas vocais das músicas - achei muito bem escritas, variando entre graves e agudos.

I, the Scoundrel se diferencia um pouco das outras, arrisco a dizer que possui uma sonoridade mais "moderna". O riff inicial foca mais no peso e deixa os elementos clássicos um pouco de lado. Além de curtir a música, gostei da presença dela no álbum para mostrar que a banda não se limita em uma linha apenas. Quando ouço músicas assim já penso nos trabalhos futuros da banda e quais novos elementos eles podem explorar para enriquecer seu trabalho. Para encerrar o álbum, voltando com a sonoridade clássica, temos Pain Masterpiece.

O Blow on the Eye (2015) conseguiu cumprir seu papel, que é o de apresentar a sonoridade do Brutallian. As músicas seguem mais ou menos a mesma linha - não estou aqui dizendo que são iguais, são de estilos parecidos, por assim dizer -, mas conseguem ser distintas entre si. O álbum possui músicas que focam mais no peso e são seguradas por riffs excelentes como Primal Sigh e Hell Is Coming With Me; e músicas que são mais velozes como You Can't Deny Hate. Todas juntas definem bem a proposta da banda, e isso para um álbum debut é o que importa. Além dessa parte, as músicas são muito bem construídas e a qualidade da gravação está excelente.

#Tracklist:

1.A Prelude to Agression
2.Blow on the Eye
3.Black Karma
4.Primal Sigh
5.Psycho Excuse
6.You Can't Deny Hate
7.Hell is Coming with Me
8.I, the Scoundrel
9.Pain Masterpiece


Outras resenhas de Blow On The Eye - Brutallian

Brutallian: Um grande nível de excelênciaBrutallian: Puro Heavy Metal Tradicional com elementos do ThrashBrutallian: Investindo no Metal puroBrutallian: revelação do metal tradicional nacionalBrutallian: Melodias alegres? Não, aqui tem o puro Heavy Metal...




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Brutallian"


Brutallian: vocalista em entrevista ao programa Rock in Pauta

PoeiraPoeira
A fúria de Ian Anderson pra cima do Led Zeppelin

Blasfêmias?Blasfêmias?
Rockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e Deus

VocalistasVocalistas
Três grandes erros na história de três grandes bandas

Guns N' Roses: a verdadeira história de "Rocket Queen"Marilyn Manson: "Sou o monstro do Lago Ness! Sou o Bicho Papão!"Dave Grohl: A opinião dele sobre Napster e downloads em 2000Metallica: os álbuns da banda, do pior para o melhor

Sobre Victor Freire

Professor universitário e mestre em Engenharia Mecânica pela UFRN. Nascido no deserto de Mossoró/RN. É fã e colecionador de itens relacionados ao rock'n'roll. Editor-chefe do blog Rock'N'Prosa e guitarrista do Godhound. Acessa o Whiplash! desde a infância e colabora com o site sempre que possível.

Mais matérias de Victor Freire no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336