Nightwish: A Paixão Sombria de Tuomas Holopainen

Resenha - Dark Passion Play - Nightwish

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Vitor Sobreira
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Quando Tarja Turunen foi demitida do Nightwish, ninguém sabia quais os rumos que a banda tomaria – se continuaria, ou terminaria. Mas, eis que após um período de pausa, e outro em busca de uma substituta, foi revelado ao mundo, a vocalista sueca Anette Olzon, que por sua vez, em nada remetia a Tarja, e infelizmente, desagradou a muitos com seu estilo vocal (principalmente com seu histórico em grupos de Pop/Rock) e algumas performances ao vivo. Apesar de tudo, ela se saiu muito bem, e registrou um dos melhores trabalhos da banda finlandesa!

1248 acessosRio Rock City: O Power Metal morreu?5000 acessosKiss: as mulheres da vida de Paul Stanley

‘Dark Passion Play’ foi lançado em 26 de setembro de 2007 pelo selo Spinefarm Records (relacionado à Universal Music Group), e é o sexto álbum da banda, em um hiato de três anos após o aclamado ‘Once’ (2004). Soando mais pesado, moderno e sombrio (refletido pelo estado emocional abalado, de Tuomas), o álbum não possuí faixa alguma abaixo da média, mas sim, muita qualidade e composições fortíssimas e inspiradas!

Para a divulgação, foram lançados, os ‘singles’: “Eva”, e quase que simultaneamente, os vídeos, das excelentes músicas “Amaranth” e “Bye Bye Beautiful” (uma clara despedida à vocalista anterior), que foram filmados em Los Angeles. “The Islander” (uma antiga composição da banda de Marco Hietala, o Tarot, que nunca havia sido utilizada), também foi ‘single’ e ganhou um vídeo oficial, que saiu apenas em 2008. Outra que ganhou vídeo, que não foi ‘single’ e nem saiu no ‘track list’ do álbum, foi “While Your Lipes Are Still Red”, composta para ser tema de um filme finlandês, conta com Marco, Tuomas e Jukka.

Diversidade, também será algo que o ouvinte não poderá reclamar aqui, pois desde a abertura, com “The Poet and the Pendulum” e seus quase 14 minutos de duração (dividida em 5 partes), vemos a grandeza do disco, indo de partes orquestradas e sentimentais ás mais pesadas e diretas. Por falar em peso, a já citada “Bye Bye Beautiful” também pode surpreender aos desavisados, juntamente com “Master Passion Greed”, e suas passagens agressivas (algo até então, inédito), retratando o ódio causado pelas experiências ruins enfrentadas anteriormente, além de fazer referencia a Tarja e seu marido, o argentino Marcelo Cabuli, sendo cantada somente por Marco.

Ainda como provas da diversidade, temos faixas também diferentes do usual, optando pela modernidade, como as envolventes “Amaranth” e “The Cadence of Her Last Breath”, que assim como as demais, possuem refrões bem bacanas e profundos. A balada “Eva” e “For the Heart I Once Had”, podem possuir um discreto acento “comercial”, mas não deixam a petaca cair. As misteriosas “Sahara”, “Whoever Brings the Night” e “7 Days to the Wolves”, mantém o peso, as orquestrações e o clima de pompa, dinamismo e grandiosidade. Finalizando... “The Islander”, sinceramente, é a que menos agradei, e a que menos ouvi, nestes quase dez anos que conheço este disco, mas não que seja uma música ruim – já que possui um andamento mais Folk, mas, apenas nunca me agradou mesmo. A instrumental “The Last of the Wilds”, é um show de interpretação, também caminhando pelos verdes campos do Folk, e conta com a presença, do músico inglês Troy Donocley, que firmaria sua parceria com os finlandeses e anos mais tarde, seria efetivado como membro. “Meadows of Heaven”, encerra com chave-de-ouro, este espetacular registro, também como uma espécie de balada, bem emocional e pura, que começa bem tranqüila – descrevendo lembranças de uma infância (provavelmente de, pasmem, Tuomas!), e aos poucos, vai ganhando força, muita força mesmo, tanto no instrumental, como nos vocais, que inclusive, os coros, remetem aqueles corais gospel (tanto é que no encarte, é definido como “The Gospel Choir”). Nada mais a dizer, apenas ouça... Simplesmente isso!

Ainda em tempo, o trabalho gráfico (desde a capa ao encarte todo), ficou lindo, condizendo como a atmosfera sombria, em tons mais escuros, sendo que cada música, recebeu uma imagem diferente, retratando seu conceito. O álbum teve as partes orquestrais, gravadas no lendário estúdio inglês, Abbey Road Studios, e contaram ainda, com mais de 130 músicos convidados da Orquestra Filarmônica de Londres, em colaboração com o The Metro Golden Choir. Para conduzir a orquestra, foi convocado Pip Willians, que havia trabalhado no disco anterior - assim como o faria, nos outros discos futuros! Por fim, especula-se, que foram gastos aproximadamente 500 mil euros, sendo então, o trabalho musical mais caro da história musical da Finlândia!

Formação:
Anette Olzon (vocal);
Tuomas Holopainen (teclados);
Emppu Vuorinen (guitarra e violão);
Marco Hietala (baixo, vocal e violão);
Jukka Nevalainen (bateria)

Faixas:
01 - The Poet and the Pendulum
02 - Bye Bye Beautiful
03 - Amaranth
04 - Cadence of Her Last Breath
05 - Master Passion Greed
06 - Eva
07 - Sahara
08 - Whoever Brings the Night
09 - For the Heart I Once Had
10 - The Islander
11 - Last of the Wilds
12 - 7 Days to the Wolves
13 - Meadows of Heaven

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Dark Passion Play - Nightwish

5000 acessosNightwish: o mais apoteótico disco da banda?5000 acessosNightwish: recomeçando em alto estilo5000 acessosResenha - Dark Passion Play - Nightwish

TarjaTarja
Cantora fará show de graça em Piedade (SP)

1248 acessosRio Rock City: O Power Metal morreu?368 acessosBrother Firetribe: banda de Emppu Vuorinen completa 15 anos5000 acessosNightwish: nasce a filha de Floor Jansen e Hannes Van Dahl761 acessosNightwish: inseto que vive nas sombras ganha nome de Tuomas0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Nightwish"

Floor JansenFloor Jansen
Ela acha Slayer horrível e entediante

Poetas do RockPoetas do Rock
Frases célebres e estúpidas ditas por grandes artistas

Alissa White-GluzAlissa White-Gluz
Floor Jansen manda muito bem toda noite

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 01 de março de 2017

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Nightwish"

KissKiss
As mulheres da vida de Paul Stanley

RihannaRihanna
O logo death metal e a relação da cantora com o metal

Guns N RosesGuns N' Roses
O melhor solo de guitarra da história

5000 acessosMetallica: os fantasticos carros de James Hetfield5000 acessosMetal: você acredita na "lenda do terceiro álbum"? - Parte 25000 acessosDrogas e Álcool: protagonistas nos piores shows de grandes astros4545 acessosGilby Clarke: foi fácil gravar The Spaghetti Incident5000 acessosVenom: Quem são as crianças da capa do "Possessed"?5000 acessosGuitarristas: nem corda arrebentada detém os que são foda

Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online