Vorgok: Um registro forte, honesto, competente e cheio de garra

Resenha - Assorted Evils - Vorgok

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fabio Reis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Se eu não soubesse previamente que se tratava da nova banda do experiente Edu Lopes (ex-Explicit Hate e Necromancer), certamente a minha surpresa seria imensa ao me deparar com um álbum de tamanha qualidade, porém conhecendo o trabalho de Edu, confesso que a devastação promovida em "Assorted Evils" já era absolutamente esperada.

Guitarristas: E se os mestres esquecessem como se toca?Nightwish: Participação de Dawkins em álbum irritou alguns fãs

Para dar vida a Vorgok, o tarimbado músico se juntou ao jovem baixista João Wilson e desde 2014, ambos vem trabalhando nas composições contidas neste debut. "Assorted Evils" foi produzido por Celo Oliveira no Kolera Homestudio, no Rio de Janeiro e como em toda boa produção de Thrash Metal, a sonoridade ficou bem balanceada e num meio termo acertado entre a sujeira requerida pelo estilo e a limpidez das gravações mais modernas.

O nome da banda possui uma particularidade interessante e que encaixa como uma luva no conteúdo das letras apresentadas, Vorgok é uma palavra sem tradução e que significa a junção do conjunto de males realizados pela humanidade no passado, presente e futuro. Tal significado pode ser constatado em praticamente todo o disco, as canções abrangem temas como intolerância, manipulação, opressão, extermínio entre raças, educação, os direitos dos povos do Terceiro Mundo à segurança alimentar adequada e outros assuntos de total relevância.

Musicalmente, a Vorgok executa um Thrash Metal old school e que em nenhum momento soa datado. Percebe-se diversas referências ao Slayer (do início de carreira) e influências de bandas alemãs como Kreator e Sodom, algumas pitadas de Crossover também são notadas e apesar de "Assorted Evils" não trazer nenhuma novidade ao gênero, é um registro forte, honesto, competente, cheio de garra e que ao longo de suas 10 composições, reúne todas as principais características que um fã do estilo espera.

O trabalho é uma porradaria desenfreada da primeira à última faixa e para quem estava acostumado com os riffs matadores de Edu Lopes em seus trabalhos passados, na Vorgok o músico também é responsável pelas partes vocais, sendo esta uma grande surpresa e também uma grata revelação.

Algumas canções já nasceram com potencial para se tornarem clássicos do Metal nacional, casos de "Kill Them Dead" (o primeiro single), "Hunger" (que ganhou um vídeo clipe) e a espetacular "Mass Funeral At Sea". Logicamente estas não são as únicas que se destacam, pois o álbum é dos mais homogêneos e faixas devastadoras como "Headless Childrem", "Deception In Disguise" e a soberba "Man Wolf To Man" são algumas que empolgam bastante e são um verdadeiro tormento para pescoços destreinados.

"Assorted Evils" é um disco de estréia contagiante, capaz de agradar qualquer apreciador de música rápida, agressiva, visceral e bem tocada. Traz uma banda ajustada e que sabe exatamente onde quer chegar, é possuidora de uma identidade bem definida, com ótimos riffs, ótimos solos e letras que abordam assuntos inteligentes. É claro que a Vorgok ainda tem um longo caminho a percorrer, porém automaticamente já se transforma em mais um nome de peso de nosso Metal nacional e certamente, deve conquistar um público cativo fora do Brasil também.

Estando totalmente antenados nos atuais meios de divulgação, a Vorgok disponibilizou o disco completo para audição em seu canal oficial do Youtube e nas principais plataformas de streaming. O download é uma realidade inquestionável e os streamings são os responsáveis por uma grande porcentagem do que é escutado pelo público headbanger nos dias de hoje, ser alheio a estes fatos é demonstrar total desconhecimento de causa. Além de você poder ouvir o álbum em sua totalidade, pode acompanhar as letras de todas as composições, para isso basta acessar o link abaixo:

Recomendo! Excepcional trabalho de um grupo que demonstra qualidades irrefutáveis e enorme potencial, vale cada segundo da audição e desde já, é um dos meus álbuns nacionais favoritos de 2016.

Integrantes:

Edu Lopez (vocal e guitarra)
João Wilson (baixo)
Bruno Tavares (guitarra)

Baterista convidado (session drummer): Jean Falcão

Faixas:

1. Deception in Disguise
2. Hunger
3. Kill Them Dead
4. Last Nail in Our Coffin
5. Antagonistic Hostility
6. Hell's Portrait
7. Headless Children
8. Man Wolf to Man
9. Drowning
10. Mass Funeral at Sea


Outras resenhas de Assorted Evils - Vorgok

Vorgok: influências de bandas como Slayer e detalhes Death MetalVorgok: As maldades da raça humana abordadas em Thrash Metal




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Vorgok"


Guitarristas: E se os mestres esquecessem como se toca?Guitarristas
E se os mestres esquecessem como se toca?

Nightwish: Participação de Dawkins em álbum irritou alguns fãsNightwish
Participação de Dawkins em álbum irritou alguns fãs

Megadeth: as pérolas mais polêmicas ditas por MustaineMegadeth
As pérolas mais polêmicas ditas por Mustaine

Cristina Scabbia: cantora fala sobre seus seios e PlayboyCristina Scabbia
Cantora fala sobre seus seios e Playboy

Tony Iommi: opiniões sobre Dio, Rhoads e HalfordTony Iommi
Opiniões sobre Dio, Rhoads e Halford

Queen: por que a parceria com Paul Rodgers chegou ao fimQueen
Por que a parceria com Paul Rodgers chegou ao fim

Iron Maiden: o fim de nossa carreira está próximo, diz Steve HarrisIron Maiden
"o fim de nossa carreira está próximo", diz Steve Harris


Sobre Fabio Reis

Paulista, 32 anos, Editor do Blog Mundo Metal, fã de Rock Clássico e Diversos subgêneros do Metal. Banda favorita: Megadeth. Conheceu o Rock ainda quando criança por intermédio dos pais (amantes de Beatles) e com 11 anos já ia na galeria do Rock comprar seus primeiros LP's, desde sempre fez do Metal seu estilo de vida e até os dias de hoje essa paixão pela música só aumenta.

Mais matérias de Fabio Reis no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336