Matérias Mais Lidas

imagemSummer Breeze Open Air Brasil acontece em abril de 2023 em São Paulo

imagemLady Gaga: "o Iron Maiden mudou a minha vida!"

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemO álbum do The Who que Roger Daltrey achou "uma m*rda completa

imagemPink Floyd: Suas 10 músicas mais subvalorizadas, segundo a What Culture

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemLars Ulrich: O motivo pelo qual o Big Four tocou "Am I Evil"

imagemMax Cavalera diz quais foram os dois discos mais difíceis que já gravou

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal


Stamp

Vorgok: influências de bandas como Slayer e detalhes Death Metal

Resenha - Assorted Evils - Vorgok

Por Vitor Sobreira
Em 01/08/17

Os cariocas do Vorgok apresentam em seu primeiro álbum, lançado no final de 2016, uma sonoridade totalmente voltada ao Thrash Metal, com influências de bandas como Slayer e agradáveis detalhes de Death Metal.

Em um pouco mais de 36 minutos de duração total, ‘Assorted Evils’, instantaneamente chama a atenção, por sua simples, mas muito bonita embalagem em digipack, com um encarte onde as letras são bem nítidas, e que apostou em tons de cinza e azul escuro para expressar o clima de ‘maldade’ em suas 10 composições.

Contando apenas com os competentes Edu Lopez (vocal e guitarra) e João Wilson (baixo e violão), a então dupla começou com o pé direito, mas a bateria programada – pelo produtor Celo Oliveira – tirou um pouquinho o brilho do trabalho, mas nada que tenha prejudicado o resultado final.

Algo que precisa ser ressaltado, é que a palavra diversidade foi muito bem empregada, já que ouvimos as indispensáveis velocidade e peso, bem como trechos mais elaborados com solos e notas precisamente inseridas, e até mesmo arranjos de violão. Ainda no tópico diversidade, os vocais de Edu são bem curiosos, pois não se prendem à apenas uma técnica, e alternam de um Tom Araya a um gutural grave, quando a ocasião demanda. Além disso, sua guitarra também faz bonito, não economizando nos riifs e solos, enquanto que o baixo de João, assume o papel de fiel escudeiro, marcando, pulsando e estalando eficientemente.

Nada melhor, do que iniciar um disco com boas faixas rápidas e diretas, e aqui temos "Deception in Disguise" e "Hunger" (que ganhou um vídeo clipe), exibindo que os cariocas não vieram para brincar. De "Kill Them Dead" a diante, ainda que mantenha a pegada agressiva, começa-se a perceber a uma maior variedade de ritmos e andamentos.

"Hell’s Portrait" começa tendendo para o Death Metal, com vocais mais fechados, mas retorna ao Thrash antes dos 2 minutos. As pancadas "Headless Children" e "Man Wolf to the Man" até nos fazem esquecer que a audição caminha para seus últimos suspiros, mas a bela e introspectiva "Drowning" – movida apenas a violão – confirma isso, e abre espaço para a derradeira "Mass Funeral", que foi a escolha perfeita para finalizar a obra, ora com possantes levadas de bumbo duplo ora com riffs carregados e sorumbáticos.

A proposta do Vorgok pode não apresentar nada de novo, mas o que realmente importa é a qualidade, a força de vontade e a garra em terem acrescentado mais um louvável disco ao rol do Metal Brasileiro!

Formação:
Edu Lopez (vocal e guitarra);
João Wilson (baixo)

Faixas:
01. Deception in Disguise
02. Hunger
03. Kill Them Dead
04. Last Nail in Our Coffin
05. Antagonistic Hostility
06. Hell’s Portrait
07. Headless Children
08. Man Wolf to Man
09. Drowning
10. Mass Funeral at Sea.


Outras resenhas de Assorted Evils - Vorgok

Resenha - Assorted Evils - Vorgok

Resenha - Assorted Evils - Vorgok

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira.