Buck Tick: Para o deleite dos(as) fãs!

Resenha - Atom Miraiha #9 - Buck Tick

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Se você curte J-Rock, Visual Key e a música japonesa em geral você já tem o novo trabalho do Buck Tick em mãos. "Atom Miraha #9" é lançado após quatro anos do não tão popular "Yume Miru Uchuu", e vem para provar que a banda formada em 1985 por Sakurai Atsushi (vocais), Yagami Toll (bateria), Hoshino Hideiko (guitarras), Imai Hisashi (guitarras, teclados, efeitos) e Higuchi Yutaka (baixo) continua firme em sua proposta de misturar estilos, com muita extravagância musical e muito visual forte e chocante em fotos e apresentações (características que norteiam a banda e o próprio estilo de Visual Key).

Instagram: as fotos mais legais do perfil de James HetfieldEddie Van Halen: "Eruption foi um acidente"

Algumas semanas antes do lançamento de seu novo trabalho a banda liberou o vídeo de "New World - begining" para delírio dos fãs. A música trazia um Buck Tick flertando com o pop e criava boas expectativas. Ao ouvir "Cum uh sol Nu - Frasco no Besshu", com seu toque oriental e boas incusões acústicas, seguida da industrial "Pinoa Icchio -Odoru Atom ", percebe-se que a banda atira sem medo no mosaico de influências que sempre lhe caracterizou."Devils Wings" remete a "New World - begining", sendo mais acessível. O lado industrial e gótico dá as caras em "El Dorado", "Bi NEO Universe" e "BOY sepptem peccata mortalia". Os que torcem o nariz para sons mais industriais poderão se satisfazer com "Jukai" e "The Seaside Story" (com um ótimo andamento e refrão"). A bana se mantém coesa, com boas guitarras (Imai vem solando muito bem), e com os vocais de Sakurai bem afinados, adepto da escola de David Bowie.

Muitas influências são encontradas neste trabalho: new age em "Manjusaka", e um rock mais pesado em "Cuba Libre". No geral um trabalho bem elaborado que satisfará os fãs da banda e os fanáticos mundo afora (que participam do fã clube "Fish Tank". A banda retorna a Victor, consagrada gravadora japonesa com um bom trabalho.

Resta apenas lançarem o show comemorativo "Climax Together III" (feito poucas semanas ao lançamento de "New World", e que o guitarrista Imai perca seu medo de avião para eles saírem do Japão, tendo em vista que em 30 anos de banda (celebrados em 2016) o mais próximo que vieram do Brasil foi ao Nepal.

VICTOR ENTERTAINEMENT - 2016




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Buck-Tick"


InstagramInstagram
As fotos mais legais do perfil de James Hetfield

Van HalenVan Halen
Eddie explica os segredos do seu modo de tocar

Simplicidade é para os falsosSimplicidade é para os falsos
O nome de banda mais complicado do mundo

Separados no nascimento: Roger Waters e Richard Gere.Metallica e Iron Maiden: veja a diferença absurda de faturamento em shows nos EUAA cena do rock em Curitiba está vendida para os coversOs Melhores: Os álbuns destaques da primeira década do novo milênio

Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336