Broken Jazz Society: EP mostra o potencial da banda

Resenha - Gas Station - Broken Jazz Society

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Vicente Reckziegel
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Devo confessar que, ao ver pela primeira vez o nome Broken Jazz Society, logo me veio a cabeça o provável parente distante da banda, o Black Label Society. Mas o fato é que as bandas têm pouco em comum além do “sobrenome”, mesmo que a parte inicial da faixa de abertura “Gas Station” possua alguns toques de Stoner/Sludge Metal.

5000 acessosBlack Metal: o cotidiano fascinante dos fãs adolescentes5000 acessosSteve Vai: veja o "cantinho da criação" do guitarrista

Mas esse inicio em “Gas Station” não condiz com o restante da música em questão, já que a mesma envereda por outros caminhos também, com uma sonoridade mais crua, mais orgânica e até mesmo o seu ritmo contagiante no refrão faz com que a mesma possua alguns traços de Rock n’ Roll quase esbarrando no Punk Rock.

“Riot Spring” é uma regravação, visto que a música já constava em seu primeiro disco, “Tales From Purple Land”, e não se mostra deslocada com relação as outras músicas que compõem o EP, mostrando que a banda soube moldar sua sonoridade, não descaracterizando seu estilo, e mesmo assim seguindo um novo caminho. “Riot Spring” traz bons solos de guitarra e acabou por virar um belo vídeo clipe (o mesmo aparece ao final da resenha).

O EP encerra com “Mean Machine”, uma faixa um pouco mais cadenciada, com guitarras mais melódicas e violões, praticamente uma balada mais pesada e suja, o que combina com as duas faixas anteriores e fecha com chave de ouro “Gas Station”.

A produção de “Gas Station” soube buscar a sonoridade pretendida pela banda, uma sonoridade mais analógica, orgânica, sem arroubos. Simplesmente a banda tocando a sua música. E a capa do disco também merece elogios, casando muito bem com a proposta lírica da banda.

Não são três músicas que vão nos garantir que o futuro do Broken Jazz Society será de glórias ou frustrações, mas o caminho a seguir por eles está traçado, e somente eles poderão saber como pavimentá-lo...

Formação:
Mateus Graffunder – Guitarra/Vocal
João Fernandes – Baixo
Felipe Araújo – Bateria

3 Faixas – 11:54

Tracklist:

1.Gas Station
2.Riot Spring
3.Mean Machine

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube
youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube
5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Gas Station - Broken Jazz Society

290 acessosBroken Jazz Society: Vale a pena ouvir246 acessosBroken Jazz Society: Stoner rock com altas doses de hard

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Broken Jazz Society"

Black MetalBlack Metal
O cotidiano fascinante dos fãs adolescentes

Steve VaiSteve Vai
Veja o "cantinho da criação" do guitarrista

Black SabbathBlack Sabbath
Décadas depois a participação de Gillan causa espanto

5000 acessosAC/DC: "Éramos comuns até Angus decidir se vestir como colegial!"5000 acessosMegadeth: Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu Gomes5000 acessosPantera: o segredo da capa de Vulgar Display of Power5000 acessosUltraje: Roger conta quem escolheu a banda para abrir pros Stones5000 acessosGuitarras: as 10 melhores guitarristas de todos os tempos5000 acessosVH1: os melhores momento do rock e pop na história

Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online