RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemRoger Waters se defende, mas David Gilmour fica do lado da esposa e confirma tudo

imagemEm 1974, Raul Seixas explicava detalhes dos significados por trás da letra de "Gita"

imagemA reação de King Diamond ao ouvir Metallica tocando músicas do Mercyful Fate

imagemO ponto fraco de Yngwie Malmsteen segundo Ronnie James Dio, em 1985

imagemRodinha de mosh gigantesca em show do System of a Down viraliza e impressiona

imagemQuem ganhou e quem devia ter ganhado o Grammy de metal desde 1989, segundo Loudwire

imagemVeja o que esperar da turnê do Mayhem no Brasil

imagemJason Newsted diz que estaria morto se tivesse continuado no Metallica

imagemPor que Herbert Vianna gosta muito do riff de "Eu Quero Ver o Oco" do Raimundos?

imagemMegadeth é processado por artista que criou capa do último disco da banda

imagemAs 20 melhores músicas do Nightwish, em lista da Metal Hammer

imagemRússia pede para que Roger Waters fale com a ONU sobre a situação da Ucrânia

imagemVeja Dave Grohl cantando e agitando em show do Mercyful Fate

imagemO show do Engenheiros do Hawaii sem Humberto, que eles achavam que havia sido sequestrado

imagemJimmy Page diz não haver gênio no rock - mas um gênio fez ele se contradizer


Def Leppard Motley Crue 2

Broken Jazz Society: EP mostra o potencial da banda

Resenha - Gas Station - Broken Jazz Society

Por Vicente Reckziegel
Postado em 18 de novembro de 2016

Nota: 7

Devo confessar que, ao ver pela primeira vez o nome Broken Jazz Society, logo me veio a cabeça o provável parente distante da banda, o Black Label Society. Mas o fato é que as bandas têm pouco em comum além do "sobrenome", mesmo que a parte inicial da faixa de abertura "Gas Station" possua alguns toques de Stoner/Sludge Metal.

Mas esse inicio em "Gas Station" não condiz com o restante da música em questão, já que a mesma envereda por outros caminhos também, com uma sonoridade mais crua, mais orgânica e até mesmo o seu ritmo contagiante no refrão faz com que a mesma possua alguns traços de Rock n’ Roll quase esbarrando no Punk Rock.

"Riot Spring" é uma regravação, visto que a música já constava em seu primeiro disco, "Tales From Purple Land", e não se mostra deslocada com relação as outras músicas que compõem o EP, mostrando que a banda soube moldar sua sonoridade, não descaracterizando seu estilo, e mesmo assim seguindo um novo caminho. "Riot Spring" traz bons solos de guitarra e acabou por virar um belo vídeo clipe (o mesmo aparece ao final da resenha).

O EP encerra com "Mean Machine", uma faixa um pouco mais cadenciada, com guitarras mais melódicas e violões, praticamente uma balada mais pesada e suja, o que combina com as duas faixas anteriores e fecha com chave de ouro "Gas Station".

A produção de "Gas Station" soube buscar a sonoridade pretendida pela banda, uma sonoridade mais analógica, orgânica, sem arroubos. Simplesmente a banda tocando a sua música. E a capa do disco também merece elogios, casando muito bem com a proposta lírica da banda.

Não são três músicas que vão nos garantir que o futuro do Broken Jazz Society será de glórias ou frustrações, mas o caminho a seguir por eles está traçado, e somente eles poderão saber como pavimentá-lo...

Formação:
Mateus Graffunder – Guitarra/Vocal
João Fernandes – Baixo
Felipe Araújo – Bateria

3 Faixas – 11:54

Tracklist:

1.Gas Station
2.Riot Spring
3.Mean Machine


Outras resenhas de Gas Station - Broken Jazz Society

Resenha - Gas Station - Broken Jazz Society

Resenha - Gas Station - Broken Jazz Society

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.
Mais matérias de Vicente Reckziegel.