RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemMike Portnoy comprou "Piece Of Mind", do Maiden, em excursão escolar

imagemRolê aleatório: Geoff Tate e Rhapsody se divertem em aeroporto no aeroporto

imagemA medida extrema que Dio pensou em tomar por não curtir "Rainbow in the Dark"

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical


Aeon Prime: Mais um nome promissor que desponta na cena nacional

Resenha - Future Into Dust - Aeon Prime

Por Fabio Reis
Postado em 15 de maio de 2016

Em 2008, na cidade de Guarulhos, região metropolitana de São Paulo, os guitarristas Felipe Mozini e Yuri Simões, formavam a Aeon Prime. O grupo que antes se chamou Scarioth, passou por diversas mudanças em sua formação até se estabilizar e entrar em estúdio para a gravação do seu primeiro EP. "The Poet And The Wind" (2010).

O EP recebeu boas críticas por parte da mídia especializada, porém como toda banda do underground, seguiram enfrentando diversas dificuldades e por isso, apenas em 2015 lançaram seu primeiro disco de estúdio, "Future Into Dust". Tanto o álbum como o EP, foram produzidos pelo experiente guitarrista Pedro Esteves, da veterana banda de Heavy Metal, Liar Symphony.

Após diversas audições, fica evidente que a Aeon Prime possui originalidade de sobra e é tecnicamente impecável. Desde a construção das faixas até a variação rítmica imposta, demonstram um padrão musical elevado e muita versatilidade, todos os instrumentos se destacam individualmente, porém é nos vocais de Michel de Lima, que a banda conquista o ouvinte.

O disco abre com a faixa "Coliseum", que inicia com uma breve introdução acústica para depois apresentar uma sonoridade totalmente calcada no Heavy Metal mais tradicional. A canção possui um riff bem marcante e um refrão grudento, daqueles de fácil assimilação, capaz de fixar-se no subconsciente do ouvinte.

É somente quando chegamos na quarta faixa que fica evidenciado a real proposta da banda, já que nenhuma das canções seguem algum tipo de fórmula e se "Future Into Dust" é marcada pela alternância de ritmos, "Revolving Melody" é uma viagem de quase 7 minutos, iniciando despretensiosa e evoluindo até atingir seu ápice, transformando-se em uma das melhores composições do álbum e ainda servindo de ponte para a totalmente Hard Rock, "Ghost".

Esta sequência inicial funciona quase como um cartão de visitas, mas também deixa claro que o registro não é daqueles em que poucas audições são suficientes para assimilar todo o seu conteúdo. É claro que em músicas como "The Commandments", "Newborn Star" e "In The Depths Of Me", o ouvinte é fisgado de imediato por melodias mais simples, porém é na complexidade que o grupo desenvolve melhor a sua musicalidade e realmente convence.

Tal complexidade instrumental ainda é abordada na excepcional "In God We Trust", onde temos em uma única composição, um pouco de todas as principais características apresentadas no trabalho. Com a mesma competência, a Aeon Prime ainda surpreende com a faixa mais direta do disco, "Deadly Sacrifice" e com a belíssima "About Dreams And Lies", uma canção que em uma primeira audição, pode parecer um pouco perdida, mas com o tempo, se torna uma das mais interessantes do registro.

"Future Into Dust" é um debut cativante e por sua variedade rítmica, não se torna enjoativo, é daqueles que você termina de escutar e sente vontade de apertar play novamente.

Os guitarristas Yuri Simões e Felipe Mozini executam um grande trabalho, com arranjos e linhas instigantes, onde apesar da técnica, o feeling sobrepuja a virtuose. Na parte rítmica, André Fernandes (baixo) e Anderson alarça (bateira) formam uma dupla extremamente correta e precisa, executando marcações e viradas cirúrgicas.

Com um time entrosado como este, fica fácil para que Michel de Lima possa trabalhar seus vocais, que se destacam por possuir um bom alcance e um timbre muito agradável, além disso o vocalista não se assemelha a nenhuma voz consagrada do Metal, transmitindo uma aura de originalidade ao som da banda.

A Aeon Prime é certamente mais um nome promissor que desponta na cena nacional, daqueles que servem como exemplo a ser mostrado para indivíduos que insistem em dizer que no Brasil não se faz Metal de qualidade. Recomendo audições cuidadosas, material de muita qualidade.

Nota 1: Anderson alarça (baterista do Liar Symphony) gravou a bateria do álbum, Rafael Negreiros entrou na banda logo após as gravações.

Nota 2: Resenha escrita em parceria com Rafaela Souza (Mundo Metal e Roadie Metal)

Integrantes:

Yuri Simões (guitarra)
Felipe Mozini (guitarra)
André Fernandes (baixo)
Rafael Negreiros (bateira)
Michel de Lima (vocal)

[an error occurred while processing this directive]

Faixas:

1. Coliseum
2. Future Into Dust
3. Revolving Melody
4. Ghost
5. The Commandments
6. Deadly Sacrifice
7. About Dreams and Lies
8. Newborn Star
9. In Gold W eTrust
10. In The Depths Of Me

[an error occurred while processing this directive]


Outras resenhas de Future Into Dust - Aeon Prime

Resenha - Future Into Dust - Aeon Prime

Resenha - Future into Dust - Aeon Prime

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

LGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Fabio Reis

Paulista, 32 anos, Editor do Blog Mundo Metal, fã de Rock Clássico e Diversos subgêneros do Metal. Banda favorita: Megadeth. Conheceu o Rock ainda quando criança por intermédio dos pais (amantes de Beatles) e com 11 anos já ia na galeria do Rock comprar seus primeiros LP's, desde sempre fez do Metal seu estilo de vida e até os dias de hoje essa paixão pela música só aumenta.
Mais matérias de Fabio Reis.