RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemQuando o Lynyrd Skynyrd irritou Mick Jagger ao abrir o show dos Rolling Stones

imagemApós dez anos, Jason Newsted procura guitarristas para montar um projeto de metal

imagemMax Cavalera escolhe seus álbuns "não metal" preferidos

imagemA única música tocada no Festival de Woodstock que atingiu o primeiro lugar nas paradas

imagemAs queixas que colegas do Paralamas mais fazem sobre Herbert Vianna, segundo o próprio

imagemSlash acha que os rockstars dos 60s e 70s eram mais inteligentes e educados que os dos 80s

imagemO hit da Legião Urbana antiviolência cantado sob perspectiva de jovem da periferia

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagem"A vida é curta", afirma Floor Jansen, vocalista do Nightwish

imagemJohn Lennon queria regravar todas as músicas dos Beatles, segundo produtor George Martin

imagemA bizarra lembrança que Kerry King tem do último show do Slayer

imagemA icônica reportagem de Glória Maria em que Raul Seixas disse que foi atropelado por onda

imagemA reação de Jairo Guedz quando houve o racha do Sepultura no auge do sucesso

imagemA vingança de Joana Prado (ex-Feiticeira) contra filhos briguentos que envolve RPM


Stamp

Aeon Prime: Metal atual e dinâmico

Resenha - Future Into Dust - Aeon Prime

Por Vitor Sobreira
Postado em 26 de outubro de 2017

Vindos da maior metrópole da América Latina, São Paulo, o Aeon Prime está na luta desde 2009. Lançando o EP ‘The Poet and the Wind’ no ano seguinte, a banda retornou apenas cinco anos depois, com o álbum oficial ‘Future Into Dust’, igualmente lançado de maneira independente – algo bem usual atualmente. A sonoridade é trabalhada, e busca seu porto seguro na modernidade do Heavy Metal, com inserções diferenciadas para enriquecer sua musicalidade.

Dois anos já se passaram do lançamento deste álbum, que aparenta ter saído outro dia mesmo. Um dos motivos apontados, vem a ser a inquestionável qualidade de áudio, que ficou sob os cuidados de Pedro Esteves (guitarrista da banda Liar Symphony) no Estúdio Masterpiece, em Guarulhos/SP. Sabe quando se pega um ‘play’ para ouvir, e logo percebe nitidez e equilíbrio entre os instrumentos? Então pode ter certeza que isso será presenciado em ‘Future Into Dust’. Logicamente, os integrantes também merecem as congratulações por suas performances, mostrando que estavam seguros em registrar seu primeiro disco completo, e buscando o melhor de si nas composições e execuções. Passando pelo vocal bem limpo de Michel, pelas linhas de baixo de André e pelas constantes guitarras de Yuri e Felipe, tudo foi bem pensado. Em relação às partes de bateria, Anderson Alarça, também integrante do Liar Symphony, foi o escalado para a missão e deu conta do recado.

Como dito acima, o som é amparado especialmente pelo Heavy Metal mais atual, pesado e com aquela pegada Tradicional em um momento ou outro, bem como elementos um pouco mais refinados e até mesmo acessíveis, porém não se prendendo exclusivamente ao estilo citado e deixando a criatividade fluir. Já pela questão visual, a arte de capa ficou muito interessante, com um teor visualmente reflexivo e profissional, onde Ed Anderson, o responsável, soube bem o que fazer.

Apesar de tudo ser muito bem executado e produzido, um detalhe saliente me chamou a atenção: a extensão das músicas! Não que isso seja um problema, mas apenas duas apresentam duração pouco inferior a 5 minutos, e as restantes, desse tempo pra cima. Mesmo com variação e tudo mais, às vezes fica-se com a impressão de que a música poderia ter sido encerrada em determinado ponto, mas ela continua! Uma pequena atenção extra, na hora da edição final, teria sido louvável para os envolvidos terem analisado melhor esse aspecto, e saber a hora de "pisar no freio"…

Da abertura "Coliseum" à razoavelmente épica "The Commandments", "Deadly Sacrifice" e o interessante encerramento com "In The Dephts of Me", que conta com refrão forte e algumas linhas de guitarra em uma vibe mais Rock’n’Roll – as que mais gostei – ouvimos uma banda criativa e com uma boa proposta, que pode e deve continuar seguindo cada vez mais em frente e lançando mais trabalhos. Por isso, Leitor, não deixe de conhecer mais um nome de nosso imenso cenário brasileiro!

Formação:
Michel de Lima (vocal);
Yuri Simões (guitarra);
Felipe Mozini (guitarra);
André Fernandes (baixo)

Faixas:
01. Coliseum
02. Future Into Dust
03. Revolving Melody
04. Ghost
05. The Commandments
06. Deadly Sacrifice
07. About Dreams and Lies
08. Newborn Star
09. In Gold We Trust
10. In Depths of Me.


Outras resenhas de Future Into Dust - Aeon Prime

Resenha - Future Into Dust - Aeon Prime

Resenha - Future into Dust - Aeon Prime

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Def Leppard Motley Crue 2


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.
Mais matérias de Vitor Sobreira.