RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemFatboy Slim confessa ter se arrependido de conhecer David Bowie pessoalmente

imagemA influente banda que acabou causando a "separação" do Guns N' Roses

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemO megahit dos Beatles inspirado em desenho de amiguinha do filho de John Lennon

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagemOzzy Osbourne é contemplado com dois Grammy na edição de 2023 do evento

imagemAs polêmicas escolhas do Nirvana para o "MTV Unplugged in New York"

imagemAs 5 bandas confirmadas no Summer Breeze Brasil que não tocarão em outras cidades

imagemO hit da Legião Urbana que Renato Russo considerava "pretensioso e babaca"

imagemQuando o Lynyrd Skynyrd irritou Mick Jagger ao abrir o show dos Rolling Stones

imagemNovo álbum do Angra será o melhor da era Fabio Lione, segundo Felipe Andreoli

imagemA única música tocada no Festival de Woodstock que atingiu o primeiro lugar nas paradas

imagemLendário empresário do Kiss se manifesta sobre acusações de playback de Paul Stanley

imagemBeatles: O processo de gravação do "Let It Be", segundo o produtor George Martin

imagemKiss: Segundo Gene Simmons, Ace Frehley votou pela demissão de Peter Criss, em 1980


Stamp

Asking Alexandria: novo álbum é melódico, mas também pegajoso

Resenha - Black - Asking Alexandria

Por Guilherme Niehues
Postado em 21 de abril de 2016

A banda ASKING ALEXANDRIA teve várias alterações em sua sonoridade, desde os primórdios da banda – tentando se refinar e somar algo novo sempre. Muitos fãs não ficaram felizes com essa direção, que teve uma influência de Post-Hardcore com elementos eletrônicos para ir se moldando mais na vertente de um gênero que eu ainda não consegui classificar exatamente, mas se encaixaria em momentos mais cadenciados entre o melódico, com vocais limpos e passagens menos intrincadas.

O álbum THE BLACK (25 de março de 2016) causou um hype nos fãs por se tratar do primeiro registro oficial sem o excelente vocalista Danny Worsnop, atuando como frontman e deixando suas linhas vocais registradas ao longo de toda a existência da banda, até então.

O novato Denis Stoff (da banda ex-Make me Famous) deixou claro que não tentaria manter o mesmo padrão de vocais de Danny e cravaria sua própria marca dentro do novo som proposta pela banda com esse álbum.

Agora que você está ciente um pouco sobre o álbum THE BLACK, vamos falar sobre a sonoridade que abrange as 11 faixas dessa bolacha.

Ao longo do play é possível perceber uma – talvez – evolução da banda no que diz respeito ao ritmo adotado, cadenciado entre o melódico e peso, seguindo uma linha que é possível notar também no álbum Reckless & Relentless (2011). Todavia, é preciso ressaltar que esse é o álbum que mais apresenta refrões pegajosos e com vocais limpos, muitas vezes ecoando a voz limpa do novato Denis e quebrando um pouco o ritmo da música como um todo. Há quem goste desse tipo de sonoridade e outros que ainda preferem refrões mais pesados, vai do gosto de cada um.

Mas, não se engane, ainda existem as famosas quebras de ritmos, entre melodia e peso, tanto nos riffs quanto nos vocais que vou acabar citando mais abaixo.

Instrumentalmente falando, a banda mantém o mesmo ritmo apresentado no From Death to Destiny (2013) e as guitarras sempre se sobressaem ao longo de cada uma das faixas e a bateria perde um pouco o foco, mas acaba se encaixando na proposta como um ótimo coadjuvante.

O novo vocalista assume bem o posto, possuindo um vocal que consegue executar o que o antigo vocalista conseguia, ou seja, aqui temos vocais limpos, rasgados e guturais. Todos muito bem encaixados, trincados e executados de uma forma que não deixa a desejar. Aliás, o próprio ex-vocalista chegou a elogiar a música I Won’t Give In.

Apesar de toda a evolução, infelizmente a banda acabou se apegando demais nos refrões e criando quase sempre uma mesma visão. Vocais mais cantadas e abertos, como é possível observar na música The Lost Souls. Particularmente, eu ainda não consegui digerir muito bem essa parte, mas acho que é apenas questão de costume.

Em resumo para os preguiçosos:

O álbum em si traz uma evolução e se encaixa com o vocalista novato. Existe em sua sonoridade os momentos mais equilibrados que remetem a discos anteriores e momentos mais trincados, que deixaram os fãs mais saudosos contente, especialmente por existir ainda os vocais rasgados e guturais.

Infelizmente, o álbum peca no exagero dos refrões extremamente pegajosos e cantados, não dando um espaço para passagens mais soturnas ou sombrias. Parece que, eles querem fazer com que ao menos um ou outro refrão fique grudado na sua cabeça.

Lembre-se, essa resenha é para demonstrar minhas impressões sobre o álbum descrito, portanto carrega uma carga grande de opiniões pessoais. Ouça o álbum por contra própria e descubra se você concorda ou não comigo.

[an error occurred while processing this directive]


Outras resenhas de Black - Asking Alexandria

Resenha - Black - Asking Alexandria

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Def Leppard Motley Crue 2

Asking Alexandria: reverenciando o Skid Row

Bateristas: os dez melhores em vídeo, com algumas surpresas

Metalcore: 13 músicas que um fã de death metal deve gostar


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal