RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas


Asking Alexandria: novo álbum é melódico, mas também pegajoso

Resenha - Black - Asking Alexandria

Por Guilherme Niehues
Postado em 21 de abril de 2016

A banda ASKING ALEXANDRIA teve várias alterações em sua sonoridade, desde os primórdios da banda – tentando se refinar e somar algo novo sempre. Muitos fãs não ficaram felizes com essa direção, que teve uma influência de Post-Hardcore com elementos eletrônicos para ir se moldando mais na vertente de um gênero que eu ainda não consegui classificar exatamente, mas se encaixaria em momentos mais cadenciados entre o melódico, com vocais limpos e passagens menos intrincadas.

Asking Alexandria - Mais Novidades

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

O álbum THE BLACK (25 de março de 2016) causou um hype nos fãs por se tratar do primeiro registro oficial sem o excelente vocalista Danny Worsnop, atuando como frontman e deixando suas linhas vocais registradas ao longo de toda a existência da banda, até então.

O novato Denis Stoff (da banda ex-Make me Famous) deixou claro que não tentaria manter o mesmo padrão de vocais de Danny e cravaria sua própria marca dentro do novo som proposta pela banda com esse álbum.

Agora que você está ciente um pouco sobre o álbum THE BLACK, vamos falar sobre a sonoridade que abrange as 11 faixas dessa bolacha.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

Assistir vídeo no YouTube

Ao longo do play é possível perceber uma – talvez – evolução da banda no que diz respeito ao ritmo adotado, cadenciado entre o melódico e peso, seguindo uma linha que é possível notar também no álbum Reckless & Relentless (2011). Todavia, é preciso ressaltar que esse é o álbum que mais apresenta refrões pegajosos e com vocais limpos, muitas vezes ecoando a voz limpa do novato Denis e quebrando um pouco o ritmo da música como um todo. Há quem goste desse tipo de sonoridade e outros que ainda preferem refrões mais pesados, vai do gosto de cada um.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3

Mas, não se engane, ainda existem as famosas quebras de ritmos, entre melodia e peso, tanto nos riffs quanto nos vocais que vou acabar citando mais abaixo.

Instrumentalmente falando, a banda mantém o mesmo ritmo apresentado no From Death to Destiny (2013) e as guitarras sempre se sobressaem ao longo de cada uma das faixas e a bateria perde um pouco o foco, mas acaba se encaixando na proposta como um ótimo coadjuvante.

O novo vocalista assume bem o posto, possuindo um vocal que consegue executar o que o antigo vocalista conseguia, ou seja, aqui temos vocais limpos, rasgados e guturais. Todos muito bem encaixados, trincados e executados de uma forma que não deixa a desejar. Aliás, o próprio ex-vocalista chegou a elogiar a música I Won’t Give In.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 4

Assistir vídeo no YouTube

Apesar de toda a evolução, infelizmente a banda acabou se apegando demais nos refrões e criando quase sempre uma mesma visão. Vocais mais cantadas e abertos, como é possível observar na música The Lost Souls. Particularmente, eu ainda não consegui digerir muito bem essa parte, mas acho que é apenas questão de costume.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 5

Em resumo para os preguiçosos:

O álbum em si traz uma evolução e se encaixa com o vocalista novato. Existe em sua sonoridade os momentos mais equilibrados que remetem a discos anteriores e momentos mais trincados, que deixaram os fãs mais saudosos contente, especialmente por existir ainda os vocais rasgados e guturais.

Infelizmente, o álbum peca no exagero dos refrões extremamente pegajosos e cantados, não dando um espaço para passagens mais soturnas ou sombrias. Parece que, eles querem fazer com que ao menos um ou outro refrão fique grudado na sua cabeça.

Lembre-se, essa resenha é para demonstrar minhas impressões sobre o álbum descrito, portanto carrega uma carga grande de opiniões pessoais. Ouça o álbum por contra própria e descubra se você concorda ou não comigo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 6

Assistir vídeo no YouTube

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Outras resenhas de Black - Asking Alexandria

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps




publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | Alex Juarez Muller | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Geraldo Fonseca | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS