Van Canto: Álbum conceitual ajuda banda a se reinventar

Resenha - Voices of Fire - Van Canto

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

Após cinco álbuns apostando na não mais tão inovadora fórmula do metal a cappella, o van Canto resolveu sair um pouco da sua zona de conforto. Dispensou participações especiais de músicos consagrados do metal pela segunda vez seguida, deixou os covers de lado (um fato inédito) e apostou numa metal opera, ou "musical" como eles preferem.

Woodstock: som ruim, gente demais e cheiro de fezes e urinaHard Rock: as 25 melhores músicas acústicas do gênero

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O projeto resultou em uma participação mais significativa de corais (trazidos pelo London Metro Voices e pelo coral infantil da Chorakademie Dortmund), o que aproximou o grupo do metal sinfônico. O som está mais épico e poderoso, fazendo jus à proposta mais teatral do álbum.

Voices of Fire não escapa de incorrer em alguns clichês. Como o Rhapsody of Fire fazia com o ator britânico Chistopher Lee, o van Canto também pegou emprestada a voz de outra estrela da trilogia Senhor dos Anéis: John Rhys-Davies, que fez o papel do anão Grimli. Ao final de quase todas as faixas, ele aparece para narrar os acontecimentos. Quanto à história fantasiosa, só não digo que foi inspirada em The Astonishing do Dream Theater porque este foi lançado menos de dois meses antes.

As novas influências não ofuscaram as manobras vocais típicas da banda. Os riffs "rakkatakka" e os solos "wah-wah" dividem espaço com os pedais duplos nervosos e as múltiplas camadas vocais, criando aquela atmosfera inconfundível vancantoniana.

Embora o álbum empolgue menos do que todo o marketing feito em torno dele poderia sugerir, ainda é preciso elogiar a ousadia do sexteto em sair um pouco da mesmice na qual insistia em se esconder.
O desgaste da fórmula da banda causa menos impacto aqui do que causaria se este fosse um lançamento convencional. A novidade da metal opera é o suficiente para dizer que conseguiram se reinventar, estes alemães - que agora estão mais alemães ainda, com a saída do membro brasileiro Ike, substituído por Jan Moritz.

Abaixo, o vídeo de "The Bardcall":

Track-list:
1. "Prologue"
2. "Clashings on Armour Plates"
3. "Dragonwake"
4. "Time and Time Again"
5. "All My Life"
6. "Battleday's Dawn"
7. "Firevows (Join the Journey)"
8. "The Oracle"
9. "The Betrayal"
10. "We Are One"
11. "The Bardcall"
12. "To Catharsis"
13. "Epilogue"
14. "Hymn" (faixa bônus)


Outras resenhas de Voices of Fire - Van Canto

Van Canto: Álbum conceitual dá uma nova cara à banda




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Van Canto"


Andre Matos: assista vídeo de Carry On com Van Canto no WOAAndre Matos
Assista vídeo de Carry On com Van Canto no WOA

Originalidade: 10 Bandas ou Projetos InusitadosOriginalidade
10 Bandas ou Projetos Inusitados


Woodstock: som ruim, gente demais e cheiro de fezes e urinaWoodstock
Som ruim, gente demais e cheiro de fezes e urina

Hard Rock: as 25 melhores músicas acústicas do gêneroHard Rock
As 25 melhores músicas acústicas do gênero


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

adGoo336