Matérias Mais Lidas

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemSteven Tyler dá entrada em clínica de reabilitação após sofrer recaída

imagemZakk Wylde relembra ídolo: "tão relevante quanto Bach, Beethoven e Mozart"

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemÁlbum histórico do Iron Maiden estampa capa da revista Metal Hammer

imagemLuciana Gimenez tentou aprender com Mick Jagger algo que não funcionou para ela

imagemComo foi 1º encontro de Nando Reis e Cássia Eller, ocorrido na casa de Marisa Monte

imagemKiko Loureiro explica efeito colateral da saída de Andre Matos que o fez crescer

imagemRitchie Blackmore comenta o instrumental que lançou como homenagem a Jon Lord

imagem"Eu realmente não tenho fé na humanidade", diz Schmier, vocalista do Destruction

imagemA definição de rock n roll segundo quem melhor entende do assunto: Mick Jagger


Stamp

Van Canto: Álbum conceitual dá uma nova cara à banda

Resenha - Voices of Fire - Van Canto

Por Junior Frascá
Em 26/05/16

Nota: 7

Confesso que, embora reconheça se tratar de um projeto ousado e inovador, sempre achei o VAN CANTO uma das coisas mais bizarras surgidas na música pesada. No começo foi até divertido ouvir alguns covers de bandas consagradas em versões sem guitarra e baixo, substituídas por vozes, mas nada a se levar a sério. Todavia, a banda seguiu firme com sua proposta, e agora lança seu novo material, um Metal Opera conceitual, procurando dar uma nova cara a sua sonoridade.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

E o que mais agrada aqui é que a banda procurou diversificar mais as linhas vocais que substituem os instrumentos citados (apenas há aqui bateria e vozes), sem tentar apenas ficar emulando os sons dos riffs de guitarra, o que, convenhamos, já não convence mais.

Por óbvio os solos ainda continuam insuportáveis e ridículos, mas no contesto geral o álbum funciona bem, com um clima denso presente em todo seu interregno, e faixas bem compostas seguindo os padrões do power/symphonic metal.

E isso tudo é potencializado graças à participação dos corais da London Metro Voices e da Chorakademie Dortmund (coral infantil), dando um tom ainda mais épico e instigante às composições, dando aquela impressão que o álbum poderia facilmente se enquadrar como uma peça musical de teatro.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Há ainda de se comentar a participação de John Rhys-Davies nas narrativas do álbum, conhecido por sua participação no filme Senhor dos Anéis (anão Gimli).

Sobre as faixas, todas são interessantes, e seguem uma linha homogêneo de qualidade, se destacando "Time and Time Again", por fugir um pouco das demais, com toques de funk, soul e blues muito bem vindos. A, e desta vez não temos aqui nenhum cover.

Ou seja, trata-se de um trabalho que agradará apenas os iniciados, embora mostre uma banda que tenta buscar se reinventar, mas sem deixar de lado suas origens.

Voices of Fire - Van Canto
(Shinigami - 2016)

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Tracklist:
1. Prologue
2. Clashings On Armour Plates
3. Dragonwake
4. Time And Time Again
5. All My Life
6. Battleday's Dawn
7. Firevows (Join The Journey)
8. The Oracle
9. The Betrayal
10. We Are One
11. The Bardcall
12. To Catharsis
13. Epilogue


Outras resenhas de Voices of Fire - Van Canto

Resenha - Voices of Fire - Van Canto

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Angra: como fica "Carry On" nas vozes do Van Canto

Originalidade: 10 Bandas ou Projetos Inusitados



Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá.