Bathory: Necromantic Black Metal

Resenha - Bathory - Bathory

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Vitor Sobreira
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Se os ingleses do Venom criaram e nomearam a fórmula maligna, o sueco Bathory reconfigurou a receita e injetou no mundo o Black Metal, que com o passar do tempo, outros também o aperfeiçoariam. Não é de se negar que o misterioso Quorthon foi um músico muito criativo, pois além do Black, o cara ainda deu uma nova roupagem ao Thrash e de quebra ainda criou o que se convencionaria a chamar de Viking Metal!!

244 acessosMosh #15: Fanzine se despede do Black Sabbath e eterniza Bathory5000 acessosQueen: 10 coisas que você não sabia sobre Brian May

O bode na capa não poderia ter combinado melhor com o som seco, um Metal distorcido e sombrio, com influencias de Venom e Motörhead e uma temática bem obscura, que chamou a atenção, principalmente de quem buscava por algo mais acelerado e agressivo. Músicas recheadas de riffs nervosos e envolventes são ouvidas por todo o (curto) disco, além de vocais "rouco-rasgados" tenebrosos e únicos, e batidas firmes e diretas, mostrando o poder de fogo de um ataque sobrenatural vindo da Suécia (ô terra boa, hein?!).

Citar destaques seria covardia, mas... 'Hades' inicia o "ritual" de forma indescritivelmente 'Speed', sendo uma verdadeira pancada para levantar os mortos. 'Reaper' apresenta uma curiosa batida (onde tenho a impressão que o baterista quis fazer levadas mais diretas, só que não conseguiu manter o ritmo, mas de maneira alguma comprometeu a música) e riffs bem legais, enquanto que 'Necromansy' possui uma delirante levada hipnótica e solos que brotam da escuridão. 'Raise the Dead' pode até dar uma diminuída no tempo, mas o dobrar de sinos em seu começo e o andamento predominante mais contido, com algumas aceleradas e a batida de gongo no final só serviram para deixa-la mais macabra. No mais, 'Sacrifice', 'War','In Conspiracy With Satan' e 'Armageddon', mantem a pegada e o folego desta obra-prima, com velocidade e peso.

Os lançamentos do Bathory foram de suma importância para o mundo Metal, e mesmo tudo tendo acontecido de forma quase "secreta" (pois até hoje pouco se sabe sobre detalhes a cerca dos trabalhos e tudo envolvido), Quorthon nos deixou um legado de respeito e originalidade, que apenas quem possui o dom da inovação pode fazer de maneira inesquecível. Classico!

Tracks:

1. Hades
2. Reaper
3. Necromansy
4. Sacrifice
5. In Conspiracy with Satan
6. Armageddon
7. Raise the Dead
8. War

(Tempo Total - 27:02)

Line Up:

Quorthon (Thomas Börje Forsberg) - Vocals, Guitars, Lyrics, Songwriting

(Stefan Larsson - Drums
Rickard "Ribban" Bergman - Bass)

Lançamento: Outubro de 1984 - Black Mark Production

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

244 acessosMosh #15: Fanzine se despede do Black Sabbath e eterniza Bathory0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Bathory"

Elizabeth BathoryElizabeth Bathory
O legado da condessa sanguinária no cenário Rock

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1986

KissKiss
As dez mais pesadas releituras de músicas da banda

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 03 de janeiro de 2016

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Bathory"

QueenQueen
10 coisas que você não sabia sobre Brian May

Cinco contra um?Cinco contra um?
Roqueiros comentam como a revista Playboy os marcou

ExodusExodus
"Ninguém é maior que o Maiden na América do Sul!"

5000 acessosLemmy: "John Lennon era o cuzão dos Beatles!"5000 acessosJudas, Queen e Rammstein: entre os vídeos mais gays5000 acessosKeith Richards: "As drogas de hoje são uma droga"5000 acessosOzzy Osbourne: eleito o maior astro de rock do mundo5000 acessosRadicalismo: quem disse que gosto não se discute?2723 acessosOffspring: uma incrível versão de Pretty Fly For com falas de 230 filmes

Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online