Blur: Voltando às origens e amadurecendo sem deixar de renovar

Resenha - Magic Whip - Blur

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Célio Azevedo
Enviar Correções  

9


Em "The Magic Whip", a banda Blur volta às origens, porém de maneira amadurecida, e sem deixar de inovar. Mesmo estando há 12 anos sem lançar um trabalho de inéditas, o quarteto não perdeu a sua criatividade genial na hora de compor.

Kiss sobre Secos e Molhados: "há quem acredite em OVNIs"Black Sabbath: o dia em que Tony Iommi quase matou Bill Ward

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Iniciando em "Lonesome Street", o ritmo dançante marca a canção do início ao fim. Com uma letra simples e melódica. Um refrão pop, mostrando o quanto eles ainda sabem produzir uma música comercial sem perder a qualidade. Claramente uma releitura do ‘Modern Life is Rubbish’. O que dizer de uma música que até um "Oasis" a classificou como a melhor do ano?

Em "New World Towers" possui muita influência do novo disco solo de Damon Albarn, com destaque para o ar psicodélico que a música passa, com suas batidas africanas. A visão de um mundo pós-moderno, em reconstrução de identidade.

Na música de trabalho "Go Out" é simplesmente o Blur sendo Blur, com guitarras solos que lembram a conhecida "Coffee and Tv", do álbum '13', um tanto diferente de "Ice Cream Man", que conta a história de um "homem-sorvete", meio que relembra também a história do videoclipe da mesma "Coffee and Tv", com a caixinha de leite. Em "Thought I Was a Spaceman" é uma balada com uma certa pitada de música eletrônica, e que poderia facilmente ter entrado na discografia solo de Damon Albarn.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O rock alternativo dançante de "I Broadcast" coloca o tom de diversão que a discografia do Blur tem de melhor em músicas como "Song 2" e "Bugman", e o ritmo cadenciado retorna em "My Terracotta Heart", uma balada romântica épica que com certeza entraria num cd de melhores da banda. Falando do mundo hoje e das questões enfrentadas por todos nós, "There Are Too Many of Us" tem um belo arranjo e uma letra bem filosófica (There are too many of us/ That's plain to see/ We all believe in praying/ For our immortality/ We've posed these questions to our children/ Across the mountain stream/ And live in tiny houses/ Of the same mistakes we've made).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Ghost Ship" traz uma banda calma, e isso demonstra o amadurecimento da mesma com a superação das brigas do passado entre Graham Coxon e Damon Albarn. Na belíssima faixa, "Pyongyang" trata da solitude como uma coisa boa. Em como o individualismo pode ser benéfico, sem este ser egoísta. Bem uma crítica à ditadura coletivista da comunista Coréia do Norte, onde há a "morte espiritual do indivíduo". A animada "Ong Ong" relembra as épocas animadas do 'Parklife'. E a espetacular "Mirrorball" fecha o trabalho com uma melodia progressiva e uma letra reflexiva.

Tracklist:

1 - "Lonesome Street"
2 - "New World Towers"
3 - "Go Out"
4 - "Ice Cream Man"
5 - "Thought I Was a Spaceman"
6 - "I Broadcast"
7 - "My Terracotta Heart"
8 - "There Are Too Many of Us"
9 - "Ghost Ship"
10 - "Pyongyang"
11 - "Ong Ong"
12 - "Mirrorball"


Outras resenhas de Magic Whip - Blur

Resenha - Magic Whip - Blur



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Astros do rock: os pedidos de desculpas mais notóriosAstros do rock
Os pedidos de desculpas mais "notórios"

Blur: baixista detona Rolling Stones e Led Zeppelin por fingirem ser jovensBlur
Baixista detona Rolling Stones e Led Zeppelin por fingirem ser jovens


Kiss sobre Secos e Molhados: há quem acredite em OVNIsKiss sobre Secos e Molhados
"há quem acredite em OVNIs"

Black Sabbath: o dia em que Tony Iommi quase matou Bill WardBlack Sabbath
O dia em que Tony Iommi quase matou Bill Ward


Sobre Célio Azevedo

Nascido no Rio de Janeiro, Célio Azevedo é jornalista pós-graduado, músico, compositor e escritor. Apaixonado por heavy metal, apreciador de rock alternativo. Desde 1997, através de bandas como Blur, Silverchair, Sonic Youth, Helloween e Iron Maiden, foi inspirado em diversos estilos musicais para desenvolver o seu próprio. Atualmente, analisa a realidade política nacional e internacional sob uma perspectiva conservadora. É autor de "A Cobertura do JB e do Globo da Queda do Muro de Berlim (1989) e do Fim da URSS (1991)", "Manuscritos Poéticos" e "Java para todos". Também lançou os álbuns de estúdio: "2012", "Mr. Fusion", a ópera rock "Celio Azevedo's Scout - Scoutish: The XXI Rock Opera", além de outros trabalhos em plataformas alternativas.

Mais matérias de Célio Azevedo no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280