Blur: Não é o melhor trabalho, mas traz muitas novidades

Resenha - Magic Whip - Blur

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Tiago Colombelli
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Nunca fui um grande fã da cena Britpop, que lançou grandes bandas do cenário Inglês para o mundo como Oasis, Happy Mondays , Supergrass, Pulp, entre outras. Mas uma banda que sempre me chamou a atenção foi o Blur, conheci através do sucesso radiofônico de "Song 2" mas foi na compra de uma coletânea (que foi lançada logo depois do hiato da banda em 2003) que comecei a escutar incessantemente.

Blur: "Song 2" em novo comercial da cerveja BudweiserRock, Revolução e Satanismo

O último álbum lançado não me empolgou tanto (e convenhamos, demorou demais lançar algo novo, já que Think Tank foi lançado em 2003!) Mas bateu uma curiosidade ainda mais porque foi gravado em Hong Kong e a capa enigmática do álbum também traz a tônica que o disco é.

Já a primeira faixa "Lonesome Street" soa como as canções que estão em Parklife, álbum de maior sucesso do grupo, é um rock animado e traz a identidade da banda para o ouvinte. Já a faixa seguinte, "New World Towers" traz o experimentalismo que a banda faz nesse novo trabalho. "Go Out" é a um rock grudento com refrão fácil e uma guitarra suja.

"Thought I Was a Spaceman" e "I Broadcast" mostra o tom que The Magic Whip é, o primeiro um som de experimentação, trazendo a influência do Gorillaz (banda paralela do vocalista, Damon Albarn) já a segunda traz elementos de Hong Kong com sintetizadores que lembram as trilhas sonoras dos jogos de 16 bits.

A melódica "My Terracotta Heart" quebra o ritmo do álbum (de novo!) mais por um bom motivo, pois é a melhor música desse álbum, "There Are Too Many Of Us", "Ghost Ship" até as duas últimas músicas são de um clima oriental, de um experimentalismo que ficou um pouco exacerbado.

Não é o melhor trabalho do Blur, mas traz muitas novidades para a continuação da carreira da banda que já tem seus 25 anos. Para os fãs é um sopro de novidade, para o rock não tanto.


Outras resenhas de Magic Whip - Blur

Blur: Voltando às origens e amadurecendo sem deixar de renovar




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Blur"


Blur: "Song 2" em novo comercial da cerveja Budweiser

Capas de discosCapas de discos
Agora com ícones da cultura pop

BlurBlur
Baixista detona Rolling Stones e Led Zeppelin por fingirem ser jovens

Pra ouvir e discutirPra ouvir e discutir
Os melhores discos lançados em 1994


SatanismoSatanismo
O que pensam os que acreditam que rock é coisa do demo?

OutOut
Os 100 álbuns mais gays segundo a revista

Duff McKaganDuff McKagan
Arrependido por ceder nome para cerveja

Axl Rose: como ele pegava todas as garotas que Slash conquistavaDinho Ouro Preto: "É assustador ver todo o rock ficar de direita"Keith Richards: "Odeio música eletrônica! O mundo digital deixa as pessoas burras!"Sepultura: como foi ter sido a 1ª banda internacional de metal a tocar em Cuba

Sobre Tiago Colombelli

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336|adClio336