Bloodwork: Conhecimento de causa no Death Metal

Resenha - Just Let Me Rot - Bloodwork

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Mais um grande nome oriundo das entranhas do Rio Grande do Sul, o Bloodwork não inova no Death Metal – até porque o estilo não exige isso -, mas o faz com maestria e muito conhecimento de causa. Enfim, “Just Let Me Rot” (que título sensacional!), é praticamente um jogo ganho aos amantes do estilo.
5000 acessosAnette Olzon: "Eu fui demitida exatamente como Tarja também foi"5000 acessosDi'Anno: "Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!"

Vamos começar pela belíssima produção de Sebastian Carsin ao lado da banda. Carsin, que vem se tornado um grande nome na produção do Metal nacional, conseguiu captar muito bem a sonoridade imposta pela banda, já que o quinteto de São Leopoldo une técnica e brutalidade.

Influenciados diretamente por Cannibal Corpse e Suffocation, os riffs abastecem grande parte do peso das composições, tendo como aliado as enfáticas linhas de baixo que estremecem tudo e uma bateria que é bem explorada ditando os ritmos ora velozes ora mais cadenciados.

Se utilizando de temáticas gore (canibalismo, morte e terror), a banda mostra objetividade em faixas relativamente curtas. Tudo com ótimos vocais guturais, versáteis e que soam rasgados em alguns momentos. A morbidez dita o clima das composições, o que é algo essencial no Death Metal.

Difícil mesmo é destacar apenas algumas composições, mas fique de olho (ou de ouvidos?) em faixas como Defecating Broken Glass, Asphyxiant Cum Load e Toothed Vagina. Mas a indicação correta é apreciar o álbum todo sem moderação. Orgulho do Death Metal brasileiro!

http://www.bloodwork.biz/
https://www.facebook.com/pages/Bloodwork/112876215503680?fre...

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Just Let Me Rot - Bloodwork

279 acessosBloodwork: Grata revelação do death metal nacional510 acessosBloodwork: Death Metal violentíssimo vindo do sul do Brasil

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Bloodwork"

Anette OlzonAnette Olzon
"Eu fui demitida exatamente como Tarja também foi"

Paul DiAnnoPaul Di'Anno
"Harris é como Hitler e estar no Maiden é entediante!"

Monsters of RockMonsters of Rock
A feijoada que quase derrubou King Diamond

5000 acessosMastodon: Brent Hinds diz que "Dream Theater é uma banda Gay!"5000 acessosFloor Jansen: "Eu não sou uma puta arrogante"5000 acessosGóticas: 10 grandes bandas do gênero na Inglaterra dos anos 805000 acessosQuem ouve Heavy Metal ouve apenas Heavy Metal?5000 acessosJustin Bieber e Marilyn Manson: eles agora são melhores amigos5000 acessosNapalm Death: Babymetal e Slipknot são essenciais para o Metal

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online