GLAY: Variedade dos antecessores deu lugar à coesão

Resenha - Music Life - GLAY

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7


Com uma capa visivelmente inspirada em Revolver, dos Beatles - não é coincidência nem plágio, é que o artista responsável é o mesmo: Klaus Voormann - o quarteto japonês de pop rock GLAY fecha o ano de celebração de sua segunda década de carreira mainstream com seu décimo quarto álbum, Music Life. Um terço álbum de inéditas, dois terços coletânea, o disco regular pode vir acompanhado de dois discos com um total de 27 faixas marcantes da história da banda.

Ozzy x Sharon: conheça a mulher que supostamente causou a separaçãoRicardo Confessori: "Iron Maiden, aposenta logo!"

Diferentemente do lançamento duplo Justice/Guilty, de 2013, Music Life é um álbum mais direto ao ponto. A diversidade de outrora ainda está presente aqui, mas em intensidade visivelmente menor.

Não que isso seja um problema, por si só. Este trabalho não é nem de longe apenas uma sequência chata de riffs repetitivos. Na verdade, muitas faixas trazem seu charme particular: as linhas proeminentes de baixo em "Only Yesterday", o ska de "Uwaki na Kiss Me Girl", as guitarras de "Mousou Collector" e a introdução operática da faixa título. Mas no geral, é um disco muito coeso.

A alta qualidade, variedade e sofisticação de Justice/Guilty ficou lá em 2013 mesmo, e Music Life vem para entregar uma lista de faixas que não se destacam muito na vasta discografia do grupo (com algumas exceções), mas cumprem seu papel de "trabalhos de GLAY" - todos os temperos da banda estão aí para os fãs curtirem. Se o GLAY costuma se manter equidistante da música recheada de firulas e da música crua, este disco serve de indicador disso.

Morno e com alguns pontos altos, Music Life ajuda a manter o GLAY como um dos grupos asiáticos mais relevantes dos dias de hoje, e um nome-chave da música nipônica. Se não resgata a explosão de criatividade de Justice/Guilty, ao menos não fica abaixo da média.

Abaixo, a faixa "Only Yesterday":

Track-list da edição regular:
1. "Bleeze"
2. "百花繚乱" (Hyakka Ryoran)
3. "Only Yesterday"
4. "疾走れ!ミライ" (Hashire! Mirai)
5. "祭りのあと" (Matsuri no Ato)
6. "浮気なKiss Me Girl" (Uwaki na Kiss Me Girl)
7. "妄想コレクター" (Mousou Collector)
8. "Hospital pm9"
9. "Dark River"
10. "Till Kingdom Come"
11. "Music Life"



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Glay"


Ozzy x Sharon: conheça a mulher que supostamente causou a separaçãoOzzy x Sharon
Conheça a mulher que supostamente causou a separação

Ricardo Confessori: Iron Maiden, aposenta logo!Ricardo Confessori
"Iron Maiden, aposenta logo!"


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.