Matérias Mais Lidas

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemBruce Dickinson revela qual é sua música preferida do Iron Maiden

imagemRock in Rio libera ingressos extras e novamente dia do metal é único que não esgota

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemO hit da Legião que Renato Russo compôs para Cássia Eller e traz coincidência trágica

imagemOzzy Osbourne revela de qual de seus álbuns Lemmy Kilmister mais gostava

imagemJoão Gordo se reencontra com o amigo Iggor Cavalera; "Agora falta zerar com o vovô"

imagemO clássico dos Paralamas do Sucesso que Lobão acusou de plágio

imagemSteve Perry revela o motivo ter recusado substituir Dave Lee Roth no Van Halen

imagemA opinião de Brian May sobre Lemmy Kilmister e o Motörhead

imagemIron Maiden e o Rock in Rio: em detalhes, o que exatamente a banda pediu para o evento

imagemA reação de Jimi Hendrix ao assistir King Crimson ao vivo

imagemO hit de Nando Reis inspirado em clássico do Led Zeppelin e na relação com sua mãe

imagemKing Diamond fala sobre retorno do Mercyful Fate; "Isso não é uma reunião"


Dream Theater 2022

Zombie Cookbook: Prato cheio para fãs de um bom terror trash

Resenha - Outside the grave - Zombie Cookbook

Por Écio Souza Diniz
Fonte: Polvora Zine
Em 07/10/14

publicidade

Nota: 9

Quem aí é fã de um bom terror trash? Pois bem o ZOMBIE COOKBOOK é um prato cheio pra isso e muito mais.

Munidos de letras e visual repulsivo, esses catarinenses englobam num contexto sobre zumbis vários estilos de Metal, indo da rapidez do Crossover e Thrash, passando por elementos de Grindcore e Splatter, e chegando a passagens potentes de Death.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Este debut mostra esmero tanto na qualidade da gravação e das musicas quanto da arte gráfica, cujo encarte possui uma estória em quadrinhos muito bem elaborada, na qual os membros são os protagonistas. Todos na banda obtiveram ótimo desempenho em seus respectivos instrumentos, destacando, por exemplo, o vocal berrado a lá John Tardy (OBITUARY) de Dr. Stinky.

Após uma breve e sádica vinheta, Feasting the human dusk entra como uma cacetada certeira que mostra o que vem pela frente, e sem nenhuma pausa já emenda no Dethão de I sell the dead. Passagens cadenciadas torturantes em Midnight hunger vão preparando-o para os riffs letais de I drink your blood. A bateria arrasadora de V.O.D.U.N descamba nos solos inspirados de Harvest of the damn, que se aliam eficientemente as bases rapidíssimas de Grab the guts e Fellows in sadism.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

A versão em CD do álbum ainda possui as faixas Boneyard (que possui os vocais mais medonhos de todos) e .Feast of the undead. Já a versão em vinil é composta por uma linda capa gatefold, com as letras, a estória em quadrinhos, LP roxo e um pôster. Algo também muito legal é que o lançamento do álbum foi realizado com apoio da Lei de Incentivo a Cultura de Santa Catarina.

Certamente, eis um registro que estará marcado para posteridade no underground nacional. Se você é sensível, nem chegue perto. Mas se possui adrenalina e afinidade pelo lado pútrido da existência aprecie sem moderação.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Faixas (CD): 1-Feasting humans at dusk/ 2-I sell the dead/ 3-Midnight hunger/ 4-Boneyard/ 5-I drink your blood/ 6-I eat your skin/ 7-Creepy freak/ 8-Feast of the undead/9-V.O.D.U.N (Vile odor of decomposing unborn necropolis)/ 10-Harvest of the damn/ 11-Grab the guts/ 12-Fellows in sadism/ 13-Then you scream


Outras resenhas de Outside the grave - Zombie Cookbook

Resenha - Outside The Grave - Zombie Cookbook

Resenha - Outside The Grave - Zombie Cookbook

Resenha - Outside the Grave - Zombie Cookbook

Resenha - Outside the Grave - Zombie Cookbook

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Guns N' Roses: a versão de Axl Rose sobre a separação

Metal: 16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino


Sobre Écio Souza Diniz

Graduado em Ciências Biológicas e pesquisador na área de Ecologia e Evolução vegetal, sempre foi aficionado por leituras sobre o mundo do Rock/Metal. Além do metal, tem como paixões filmes de terror e épicos. Já participou como vocalista de várias bandas de Death/Grind, mas como nenhuma vingou se encontrou melhor em redigir matérias, fundando há alguns anos atrás o Pólvora Zine. Colabora também com vários sites especializados e com a revista Roadie Crew. Suas bandas preferidas são Iron Maiden, Black Sabbath, Dio, Dorsal Atlântica, Candlemass e Sarcófago.

Mais matérias de Écio Souza Diniz.