Matérias Mais Lidas

Mamonas Assassinas: a história por trás do enigmático CreuzebekMamonas Assassinas
A história por trás do enigmático "Creuzebek"

Guns N' Roses: Axl entendia que as coisas mudaram, mas Slash tinha virado um personagemGuns N' Roses
Axl entendia que as coisas mudaram, mas Slash tinha virado um personagem

Nirvana: músico canadense muito parecido com Kurt Cobain faz sucesso no TikTokNirvana
Músico canadense muito parecido com Kurt Cobain faz sucesso no TikTok

Robert Fripp: veja cover de Welcome to the Jungle com esposa segurando halteresRobert Fripp
Veja cover de "Welcome to the Jungle" com esposa segurando halteres

Iced Earth: Jon Schaffer será extraditado para Washington; não há decisão sobre fiançaIced Earth
Jon Schaffer será extraditado para Washington; não há decisão sobre fiança

Megadeth: quando a MTV ferrou a banda ao rejeitar clipe de A Tout Le MondeMegadeth
Quando a MTV ferrou a banda ao rejeitar clipe de "A Tout Le Monde"

Slayer: Faca feita com cordas de guitarra gera imagens que ninguém esperavaSlayer
Faca feita com cordas de guitarra gera imagens que ninguém esperava

Kiss: Gene Simmons diz que passou dos 70 anos por nunca ter bebido ou usado drogasKiss
Gene Simmons diz que passou dos 70 anos por nunca ter bebido ou usado drogas

AC/DC: a resposta inusitada de Supla quando perguntam se ele gosta da bandaAC/DC
A resposta inusitada de Supla quando perguntam se ele gosta da banda

Slash: por que ele usa óculos escuros o tempo todo?Slash
Por que ele usa óculos escuros o tempo todo?

Faith No More: todas as faixas do magnífico The Real Thing, da pior para a melhorFaith No More
Todas as faixas do magnífico "The Real Thing", da pior para a melhor

Chester Bennington: viúva anuncia separação de bombeiro após um anoChester Bennington
Viúva anuncia separação de bombeiro após um ano

Enjaulados: Os crimes mais chocantes da história do rockEnjaulados
Os crimes mais chocantes da história do rock

Alexi Laiho: A banda de metal do céu agora tem um guitarrista solo, afirma MustaineAlexi Laiho
"A banda de metal do céu agora tem um guitarrista solo", afirma Mustaine

Metallica: todas as faixas do polêmico Load, da pior para a melhorMetallica
Todas as faixas do polêmico "Load", da pior para a melhor


Matérias Recomendadas

Rolling Stone: revista elege melhores faixas de álbuns ruinsRolling Stone
Revista elege melhores faixas de álbuns ruins

Slipknot: Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saídaSlipknot
Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saída

Buckethead: uma rara imagem do guitarrista sem a máscaraBuckethead
Uma rara imagem do guitarrista sem a máscara

Slayer: Raining Blood é brutal, mesmo com a bateria da BarbieSlayer
"Raining Blood" é brutal, mesmo com a bateria da Barbie

Vanusa e Black Sabbath: a notável coincidência nos riffsVanusa e Black Sabbath
A notável coincidência nos riffs

Stamp
Tunecore

Grave Digger: Novo álbum revisita o passado glorioso dos alemães

Resenha - Return Of The Reaper - Grave Digger

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Felipe Cipriani Ávila
Enviar Correções  


Com quase trinta e cinco anos de estrada, eis que a instituição germânica Grave Digger retorna com um novo álbum, que pode ser considerado o décimo oitavo de estúdio (contando com "Stronger Than Ever", gravado sob o nome Digger e "Symphony Of Death", que apesar de ser considerado um EP por muitos, é categorizado no site oficial como álbum completo), com uma regularidade de lançamentos bastante elogiável. "Return Of The Reaper", diferentemente dos seus predecessores, não é conceitual e soa bem mais agressivo, tradicional e direto, se aproximando das raízes do grupo.

Lançado no dia 11 de julho via Napalm Records e disponibilizado para o Brasil através do selo Die Hard Records, "Return Of The Reaper" apresenta um Grave Digger mais básico e sedento por peso. Afora a introdução homônima e uma balada, "Nothing To Believe", todos os temas são diretos, pesados e com uma roupagem que nos remete prontamente ao passado da banda. O trabalho em questão comprova o quão benéfica foi a adição de Axel Ritt, presente em concertos desde 2009 e efetivado no ano seguinte, apresentando uma atuação bastante expressiva em sua terceira participação em estúdio. Após vários discos conceituais, desta vez a parte lírica versa sobre diversos assuntos, o que certamente contribuiu para o direcionamento mais agressivo das composições. A sonoridade do disco soa bem orgânica e "ao vivo", com todos os instrumentos em evidência, e até mesmo a sua duração nos remete aos tempos áureos do conjunto e do Heavy Metal clássico. E o que dizer sobre a bela arte de capa, com a mascote "The Reaper" bem à mostra, de autoria do húngaro Gyula Havancsák (Annihilator, Destruction, Týr), responsável por elas desde "The Last Supper", lançado em janeiro de 2005? Simplesmente incrível!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O trabalho como um todo soa bem homogêneo e a audição integral é mais do que simplesmente aprazível, logo dando vontade de apertar o "repeat" do aparelho de som. Após uma breve introdução homônima, logo somos bombardeados pelo primeiro single e videoclipe, "Hell Funeral", que apresenta tudo o que fez a banda conquistar uma legião de seguidores. Com início enérgico, refrão forte, direto e atuação soberba do vocalista Chris Boltendahl, membro fundador e único presente em todas as formações e álbuns, temos aqui um tema irrepreensível e que seguramente atrairá os fãs de imediato. É Heavy Metal executado com garra, amor e suor, sem maiores firulas e experimentalismos. As faixas seguintes apenas reforçam essa afirmação, apresentando ao ouvinte tudo o que ele espera ouvir de uma banda do porte e calibre do Grave Digger, mantendo o pique em alta. Os refrães são um espetáculo à parte e se destacam por serem eficientes, de fácil assimilação e memorização. "War God" não deixa nada a dever a sua antecessora, soando pungente e imponente desde o seu início. Os riffs de guitarra de Axel Ritt merecem menção e atenção especial, assim como o solo melódico, que vai "crescendo" e ficando cada vez mais rápido no seu desenvolvimento, mostrando o quão integrado ao grupo ele está. Essa é daquelas canções que provavelmente soará muito bem ao vivo, com a plateia cantando a sua letra em uníssono e a "plenos pulmões". Com excelentes riffs de guitarra de entrada e com uma bela parede sonora, temos "Tattooed Rider". A ponte e o refrão desta já são mais melódicos, e nem por isso menos intensos. Sem dúvida, uma música que Chris Boltendahl "tira de letra", provando ser uma das vozes mais marcantes e singulares do gênero. Outra que já começa bem encorpada e fica ainda mais vigorosa no seu transcorrer é a "Ressurrection Day". Note, prezado (a) leitor (a), que este já é o quinto tema do disco e o peso continua a imperar e impactar, de forma muito natural e genuína. A ponte e o refrão vão "direto ao ponto" e foram muito bem compostos. O solo de guitarra é preciso, versátil e sem exageros, complementando muito bem a atmosfera da canção. Numa verve mais sombria e, como o próprio título dá a entender, discorrendo sobre bruxas, temos "Season Of The Witch". Com introdução acústica, logo fica mais pesada, com ponte e refrão novamente memoráveis. Há um trecho no qual o coro impera, soando de modo bem marcante e arrepiante. A sétima faixa, "Road Rage Killer" é outro peso pesado, não perdendo o pique e a energia em momento algum. O vocal eloquente e magnificente de Chris Boltendahl aliado a ótimos riffs de guitarra e cozinha extremamente precisa e entrosada não poderiam gerar resultado mais satisfatório. Seguindo um direcionamento bem pesado e agressivo, "Grave Desecrator" é outra pérola, com solo de guitarra bem criativo e diferenciado, fugindo do que se convenciona chamar de "lugar comum". Para quem é fã do Motörhead, certamente uma grande influência para os alemães desde os seus primórdios, "Satan’s Host" soará perfeita e intensa! Breve, rápida e enérgica, tem outro excelente desempenho de Axel Ritt, que nos brinda com um ótimo solo de guitarra. Principiando com riffs de guitarra bem altivos, com refrão irrepreensível e sem rodeios, "Dia De Los Muertos" conclama o ouvinte a "chacoalhar os ossos" e cantar junto, mostrando que muitas vezes "menos é mais". Com introdução com ótimas camadas de teclado de Hans Peter "H.P." Katzenburg", "Death Smiles At All Of Us" logo dá lugar para o mais puro Heavy Metal. Contendo um dos refrães mais inesquecíveis e épicos de todo o trabalho, conta também com ótimo solo de guitarra, ficando mais rápido no seu "crescimento" e decorrer, e nem por isso se tornando enjoativo ou exagerado. Eis que chegamos à última faixa da audição regular do play. "Nothing To Believe" é a única balada e encerra o álbum com "chave de ouro", com o perdão da expressão batida. Como é comumente na carreira dos germânicos, outra bela balada, com atuação magistral e emocionante de Chris Boltendahl, que atinge o seu ápice no refrão bem bonito e épico, seguido de um tocante solo de guitarra.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A versão nacional conta com duas faixas bônus que poderiam facilmente ter figurado no repertório principal do álbum. "The Emperors Death" tem introdução sinfônica envolvente, porém logo fica bem enérgica e explosiva. Conta com outro refrão direto, marcante, simples e eficiente. "Rebel Of Damnation" é outro tema bem básico e tradicional, mostrando todo o poder e singularidade vocal de Chris Boltendahl. A letra é uma clara homenagem ao Heavy Metal e a toda fidelidade dos seus seguidores. Emocionante! Há uma passagem breve que nos remete prontamente ao clássico "Paranoid", faixa-título do segundo álbum de estúdio do Black Sabbath, lançado em setembro de 1970.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Return Of The Reaper" é um trabalho honesto, gratificante e que emocionará os seguidores e admiradores mais próximos do conjunto germânico. As composições são sólidas, pesadas e mostram uma banda que respeita as suas origens e essência, mas que ao mesmo tempo procura sempre "olhar para frente", mostrando-se relevante e com sonoridade e identidade próprias mesmo depois de mais de três décadas de atividade. E que venham mais dez, quinze, vinte anos pela frente! Não perca mais tempo e adquira logo a sua cópia!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Confira o videoclipe oficial de "Hell Funeral":

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Formação atual:
Chris Boltendahl – Vocal
Axel Ritt – Guitarra
Jens Becker – Contrabaixo
Hans Peter "H.P." Katzenburg – Teclado
Stefan Arnold – Bateria

Faixas:
1 – Return Of The Reaper
2 – Hell Funeral
3 – War God
4 – Tattooed Rider
5 – Resurrection Day
6 – Season Of The Witch
7 – Road Rage Killer
8 – Grave Desecrator
9 – Satan’s Host
10 – Dia De Los Muertos
11 – Death Smiles At All Of Us
12 – Nothing To Believe
13 – The Emperors Death (Bonus Track)
14 – Rebel Of Damnation (Bonus Track)


Outras resenhas de Return Of The Reaper - Grave Digger

Grave Digger: Novo lançamento traz tudo aquilo que os fãs esperam

Grave Digger: Resgatando a essência de uma história gloriosaGrave Digger
Resgatando a essência de uma história gloriosa


Malvada
Dead Daisies
Como consegui viver de Rock e Heavy Metal
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Capas: as 10 mais bonitas lançadas em 2014 eleitas por blogCapas
As 10 mais bonitas lançadas em 2014 eleitas por blog

Kai Hansen: escolhendo as dez maiores bandas de metal da AlemanhaKai Hansen
Escolhendo as dez maiores bandas de metal da Alemanha


Scorpions: As 20 melhores canções com temática românticaScorpions
As 20 melhores canções com temática romântica

Kiss sobre Secos e Molhados: há quem acredite em OVNIsKiss sobre Secos e Molhados
"há quem acredite em OVNIs"


Sobre Felipe Cipriani Ávila

Headbanger convicto e fanático, jornalista (graduado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC Minas), colecionador compulsivo de discos, não vive, de modo algum, sem música. Procura, sempre, se aprofundar no melhor gênero de música do mundo, o Heavy Metal, assim como no Rock'n'Roll, de um modo geral, passando pelo clássico, pelo progressivo, pelo Hard setentista e oitentista, e não se esquecendo do Blues. Play It Loud!

Mais matérias de Felipe Cipriani Ávila no Whiplash.Net.