RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemRolê aleatório: Geoff Tate e Rhapsody se divertem em aeroporto no aeroporto

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemMike Portnoy comprou "Piece Of Mind", do Maiden, em excursão escolar

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemA medida extrema que Dio pensou em tomar por não curtir "Rainbow in the Dark"

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso


Stamp

Violation Wound: Projeto Punk/Hardcore de baterista do Autopsy

Resenha - Violation Wound - Violation Wound

Por Vitor Franceschini
Postado em 20 de julho de 2014

Nota: 7

O emblemático vocalista e baterista do Autopsy, Chris Reifert, formou o Violation Wound no ano passado com intuito de fazer um som puramente Punk Rock, como o próprio disse em uma entrevista à Decibel Magazine. Aqui ele ataca de vocalista e guitarrista e conta ao seu lado com Joe Orterry (baixo) e Matt O’Connell (bateria), ambos do Fog of War.

Como as influências do Metal extremo, de onde Chris vem, são inevitáveis, a sonoridade do trabalho tem um ‘quê’ disso e a música apresentada mescla algo de Ramones com o próprio Autopsy, porém com mais algumas coisas como uma pegada Rock ‘n’ Roll em algumas composições.

A produção é tosca (até demais), o instrumental simples e direto, o que coloca o trabalho como algo totalmente descompromissado, ou seja, pura diversão. São 18 composições sujas, agressivas, com bases simples, cozinha direta e com vocais raivosos.

Don´t Believe It, que abre o disco já impregna direto na mente, sendo que Seeing Scars, Glue Trap e In My Veins também merecem menção, principalmente essa última com uma ótima levada. A inclusão de gaitas em algumas faixas caiu como uma luva. Um trabalho bacana, mas que merecia uma produção um pouquinho melhor.

https://www.facebook.com/Violationwound
https://soundcloud.com/violation-wound

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps




publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.
Mais matérias de Vitor Franceschini.