Crown: "Psychurgy" é pra quem não tem pressa de bater cabeça

Resenha - Psychurgy - Crown

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Hissa
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Dooomm! Assim se resume o que se ouve nesse álbum. Heavy metal com muito (muito mesmo) peso e cadência. Direto da França a banda CROWN lança seu primeiro full-length Psychurgy. Não se deixe enganar pela capa e o título escrito em alfabeto Rúnico, aqui você não ouvirá a alegria do Folk Metal.

Rockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e DeusSteve Vai: O dia em que ele foi humilhado por Chimbinha

A primeira faixa Kynesyk I é apenas uma introdução caótica e subliminar, o último refúgio do terror que se sucederá. Abyss vem com todo o peso, sem perdão, sem firula, cadente pela bateria que martela nas entranhas. Pressa pra quê quando se tem intensidade? Os vocais urrados só ratificam o desespero do doom.

E assim prossegue o álbum: a bateria ordenando a velocidade, a guitarra fornecendo o peso e o vocal urrando o desespero. Em Blood Runs intercala-se áreas mais limpas, mas não necessariamente tranquilas, com o mesmo peso de sempre. Em Empress_Hierophant quem começa a ganhar destaque é o baixo. Distorcido à gravidade máxima, as 4 cordas enaltecem atmosfera enegrecida da música. Como a maioria das faixas, nada aqui termina simples, são mais de 8 minutos de peso. Segue-se Serpent and Fire mantendo o padrão animalesco.

Kynesh com apenas 2 minutos de duração é apenas uma transição, um descanso caótico pra quem sobreviveu até aqui. Telepath surpreende com a batida eletrônica e o vocal distorcido, o único deslize de todo álbum. We Will Crush the Open Sky persiste com a atmosférica eletrônica, mas não demora muito até que o doom volte com todo o peso. Em seguida a faixa título Psychurgy sustenta peso cadente. Fechando o álbum com Alpha_omega, a banda experimenta pisar um pouco no acelerador e cria um groove galopante (talvez mais pra trotado), a última perola do CROWN.

Psychurgy é pra quem não tem pressa de bater cabeça. Doom atmosférico lento e pesadíssimo, algo na linha de Triptykon. Não se assute se seu coração começar a coincidir batidas como a bateria marcial do CROWN, é a apenas o doom impondo sua ordem. Eu sei que é clichê, mas ainda assim totalmente aplicável... escute no talo pra uma experiência sonora completa.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Crown"


Rockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e DeusRockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e Deus
Rockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e Deus

Steve Vai: O dia em que ele foi humilhado por ChimbinhaSteve Vai
O dia em que ele foi humilhado por Chimbinha

Entrevistas: Coices e tretas entre artista e entrevistadorEntrevistas
Coices e tretas entre artista e entrevistador

Oito razões pra dormir com um bateristaPlanet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarraVan Halen: Sammy Hagar comenta as bizarrices de EddieMegadeth: Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu Gomes

Sobre Marcelo Hissa

Médico em horário comercial, fanático e colecionador de música em tempo integral. Tipo de música preferida: a boa, se tiver peso melhor ainda.

Mais matérias de Marcelo Hissa no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336