RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA atitude ousada da Legião Urbana ao peitar Globo e Faustão no meio de uma grande crise

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemA razão que levou Humberto Gessinger a decidir não usar mais nome "Engenheiros do Hawaii"

imagemPor que Gisele Bündchen e Ivete Sangalo deturparam "Imagine", segundo André Barcinski

imagemDiva Satânica explica qual foi a razão que a fez deixar a banda Nervosa

imagemO último show de Bon Scott com o AC/DC, três semanas antes de sua morte

imagemA hilária reação de Keith Richards ao encontrar músicos do Maneskin

imagemDavid Coverdale relembra parceria com Jimmy Page, e fala sobre relançamento

imagemAs duas razões que levaram RPM a passar por segunda separação em 2003

imagemEm entrevista, Tony Iommi contou como aprendeu a tocar guitarra

imagemAlém do Moonspell, São Paulo Metal Fest anuncia Beyond Creation em seu cast

imagemAngra parabeniza a aniversariante Sandy nas redes sociais

imagemJimmy Page sobre o "Presence": "Não se faz músicas como aquelas caindo de bêbado"

imagemGuitarrista do Offspring continuou em seu emprego normal mesmo depois da fama

imagemPrika explica por que nova vocalista da Nervosa não é brasileira e promete single em março


Stamp

Antiga Roll: Rock simples, dançante, despojado e de qualidade

Resenha - De Jaqueta no Inferno - Antiga Roll

Por Mário Orestes Silva
Postado em 24 de maio de 2014

É indiscutível que os Ramones influenciaram gerações inteiras em qualquer parte do mundo. Mais do que óbvio e inegável, esta afirmação pode ser comprovada sem muito esforço em praticamente todas as cidades. O imprevisível é que isso fluiria mesmo nos confins do interior do Estado do Amazonas. Pois é do município de Maués, localizado na região central da Amazônia, que surgiu a ramoníaca banda Antiga Roll, agora estabilizada (por motivos lógicos) na capital Manaus. Após lançar um CD demo ("Nós Amamos Toda Essa Sujeira", em 2009), no ano de 2012 lançam um debut EP intitulado "De Jaqueta no Inferno". Ambos disponibilizados para download gratuito no blog do grupo.

A ótima capa do debut de uma banda que ainda promete muito. Com o EP físico em mãos, aperto o play do aparelho e degusto "Landau" que abre o trabalho, com backing vocals, refrão grudento e duração um pouco superior a dois minutos, bem nas características dos quatro novaiorquinos citados como influência acima. A segunda é "Teu LP" que pode sugerir um trocadilho pecaminoso em seus versos, para os mais libidinosos. Em seguida vem a faixa que nomeia o disquinho, e não se diferencia muito do todo, sendo esta com frases um pouquinho machistas, mas nada que comprometa o cativo rocker. A quarta faixa é "Teu Escravo" que perdoa de vez a pitada machista da anterior com sua devoção erótica submissa. Pra fechar a bolachinha com chave de ouro, vem a mais rockeira do disco. "Baby" tem um capricho especial nos arranjos com um naipe de metais. Com uma levada totalmente rockabilly, a música faz justiça em ser a mais longa (2:56 de duração) dentre todas.

A produção está excelente para o padrão de praxe no meio manauara e um destaque evidente vai para a parte gráfica com ótimas ilustrações em capa, contra capa e encarte que tem letras e uma indispensável ficha técnica. Um orgulho é ver apoio local e produção conjunta de pessoas que acreditaram e apostaram nesta sonoridade cosmopolita. O único problema é que, pelo fato de ser um EP, fica aquele torturante gostinho de "quero mais".

Em suma, "De Jaqueta no Inferno" não é apenas o debut da banda Antiga Roll, mas também o registro concreto de que rock simples, dançante, despojado e de excelente qualidade, também se produz na Zona Franca de Manaus.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze

LGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.
Mais matérias de Mário Orestes Silva.