Antiga Roll: Rock simples, dançante, despojado e de qualidade

Resenha - De Jaqueta no Inferno - Antiga Roll

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mário Orestes Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


É indiscutível que os Ramones influenciaram gerações inteiras em qualquer parte do mundo. Mais do que óbvio e inegável, esta afirmação pode ser comprovada sem muito esforço em praticamente todas as cidades. O imprevisível é que isso fluiria mesmo nos confins do interior do Estado do Amazonas. Pois é do município de Maués, localizado na região central da Amazônia, que surgiu a ramoníaca banda Antiga Roll, agora estabilizada (por motivos lógicos) na capital Manaus. Após lançar um CD demo ("Nós Amamos Toda Essa Sujeira", em 2009), no ano de 2012 lançam um debut EP intitulado "De Jaqueta no Inferno". Ambos disponibilizados para download gratuito no blog do grupo.

Power Metal: 10 álbuns essenciais do estiloEddie Van Halen: "Eruption foi um acidente"

A ótima capa do debut de uma banda que ainda promete muito. Com o EP físico em mãos, aperto o play do aparelho e degusto "Landau" que abre o trabalho, com backing vocals, refrão grudento e duração um pouco superior a dois minutos, bem nas características dos quatro novaiorquinos citados como influência acima. A segunda é "Teu LP" que pode sugerir um trocadilho pecaminoso em seus versos, para os mais libidinosos. Em seguida vem a faixa que nomeia o disquinho, e não se diferencia muito do todo, sendo esta com frases um pouquinho machistas, mas nada que comprometa o cativo rocker. A quarta faixa é "Teu Escravo" que perdoa de vez a pitada machista da anterior com sua devoção erótica submissa. Pra fechar a bolachinha com chave de ouro, vem a mais rockeira do disco. "Baby" tem um capricho especial nos arranjos com um naipe de metais. Com uma levada totalmente rockabilly, a música faz justiça em ser a mais longa (2:56 de duração) dentre todas.

A produção está excelente para o padrão de praxe no meio manauara e um destaque evidente vai para a parte gráfica com ótimas ilustrações em capa, contra capa e encarte que tem letras e uma indispensável ficha técnica. Um orgulho é ver apoio local e produção conjunta de pessoas que acreditaram e apostaram nesta sonoridade cosmopolita. O único problema é que, pelo fato de ser um EP, fica aquele torturante gostinho de "quero mais".

Em suma, "De Jaqueta no Inferno" não é apenas o debut da banda Antiga Roll, mas também o registro concreto de que rock simples, dançante, despojado e de excelente qualidade, também se produz na Zona Franca de Manaus.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Antiga Roll"


Power Metal: 10 álbuns essenciais do estiloPower Metal
10 álbuns essenciais do estilo

Eddie Van Halen: Eruption foi um acidenteEddie Van Halen
"Eruption foi um acidente"

Tony Iommi: opiniões sobre Dio, Rhoads e HalfordTony Iommi
Opiniões sobre Dio, Rhoads e Halford

Slash: uso excessivo de drogas chocou David BowieQueen: novas fotos do recluso John DeaconSouth Park: Aparições de estrelas do rock no desenhoVan do Halen: Melhores discos de 2017

Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.

Mais matérias de Mário Orestes Silva no Whiplash.Net.

adGooILQ