Infection: Death Metal manauara puro e sem rodeios

Resenha - Vale dos Suicidas - Infection

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo M. Brauna
Enviar correções  |  Ver Acessos


Death Metal manauara puro e sem rodeios, assim faz o INFECTION. Os caras assimilaram bem as suas influências 'old school' e lançaram um registro que define muito a sua proposta. Surgidos em 2005 onde no mesmo ano dividiram um 'split' com ARS TENEBRAE, eles em 2007 lançaram a primeira demo, 'Infecting the World'. Retornando ao estúdio em 2012 é lançado o terceiro trabalho, 'Vale dos Suicidas'.

Rhythm: os bateristas mais influentes de todos os temposMetal: 16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino

A demo contém cinco registros que são quatro canções cantadas em português e uma em inglês. As características do Death Metal original são percebidas logo na introdução da faixa título, com o vocalista CARLOS mostrando que tem pomo de adão para notas guturais. Quem já ouviu IMMOLATION ou INCANTATION sabe do que estou falando.

CARLOS também assume o baixo e mostra ter talento para as duas áreas. Durante as cinco execuções, o peso é mantido com categoria sem estrapolações e muito bem encaixado. Exemplificando, 'O Retorno do Pesadelo' é uma canção com passagens mais pesadas e que valoriza bastante o trabalho das quatro cordas.

MARCIANO (guitarrista) é o que traz para o 'Vale dos Suicidas' as idéias mais tupiniquins, pois seus riffs rasteiros que primam pela velocidade, parecem sair da escola do SEPULTURA (fase JAIRO TORMENTOR), SARCÓFAGO e SEXTRASH. A música 'Gritos de Agonia' é a que mais nos guia a essa lembrança.

Como já fazem dois anos de seu lançamento, o que se espera é que CLEYTON (baterista) possa ter aprimorado mais a sua técnica. Não que ele tenha descumprido o seu papel aqui, mas em alguns momentos ele deixa dominar-se pelo excesso de fibra e com isso passa alguns milímetros da conta.

Para mim o único pecado do CD está na falta de informação técnica. O encarte vem com as letras das quatro músicas (a quinta faixa, 'Warriors of Death', por ser bônus não contém letra no encarte), a capa com um desenho fabuloso, mas não existe nome dos integrantes ou produção escritos, porém o conteúdo sonoro pode compensar essa falta. Então é hora de procurar a sua cópia!

Formação:

CARLOS - Baixo, Vocal;
MARCIANO - Guitarra, Backing Vocal;
CLEYTON - Baterista.

Faixas:

01 - Vale dos Suicidas;
02 - Discórdia e Morte;
03 - O Retorno do Pesadelo;
04 - Gritos de Agonia;
05 - Warriors of Death.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Infection"


Rhythm: os bateristas mais influentes de todos os temposRhythm
Os bateristas mais influentes de todos os tempos

Metal: 16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treinoMetal
16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino

Strip-Tease: algumas canções que combinam com o temaStrip-Tease
Algumas canções que combinam com o tema

Megadeth: Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu GomesMegadeth
Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu Gomes

Duff McKagan: Nikki Sixx, do Motley Crue, é um gênio!Duff McKagan
"Nikki Sixx, do Motley Crue, é um gênio!"

Metallica: e se Mike Portnoy fosse o baterista de Enter Sandman?Metallica
E se Mike Portnoy fosse o baterista de "Enter Sandman"?

Ian Gillan: Eu era um idiota tão grande quanto RitchieIan Gillan
"Eu era um idiota tão grande quanto Ritchie"


Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.

Mais matérias de Leonardo M. Brauna no Whiplash.Net.