Arceye: Peso, agressividade, brutalidade, melodia e técnica

Resenha - At First Light - Arceye

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar Correções  

publicidade

9


Os britânicos do Arceye trabalharam cuidadosamente na concepção deste seu segundo trabalho e o resultado final não poderia ser outro, um disco maravilhoso. Todos sabem que não é fácil fazer Metal extremo abrangendo diversos estilos e, ainda, aliar isso a muita técnica sem soar pretensioso ou mirabolante.

As piores tatuagens de rockstarsMax Cavalera: triste ver uma banda tão importante virar uma merda

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A banda consegue unir na sonoridade de "At First Light" peso, agressividade, brutalidade, melodia e técnica como poucos. O melhor de tudo? Não há muito toque de modernidade e quase nada de incursões de outros instrumentos que não sejam guitarra, baixo e bateria.

O primeiro destaque sem dúvidas é o baterista Craig Mackay. Desde a primeira música o cara demonstra uma técnica incrível, precisão e versatilidade (qualidade essa que engloba toda a banda). Viradas sensacionais, quebradas intrincadas e o bom uso dos bumbos duplos são fichas pro cara.

As linhas de baixo acompanham bem todo esse processo, sendo que os riffs e solos dos guitarristas Dave Roberts e Luke Durston são um charme a parte. Os caras conseguem fazer um trabalho sensacional, com passagens cheias de dedilhados, sem serem egocêntricos. Só ouvindo pra ver o quanto o conjunto da obra é de alto nível neste disco. Sem contar os ótimos vocais de Al Llewellyn (também baixista) que manda um belo gutural potente e inteligível.

Destaques? Sim, apesar de todas as faixas possuírem qualidade, a faixa título e The Longest Drive chamam atenção de cara. A bela instrumental Sirius merece menção, e a diferenciada balada (!) Damage Done também, afinal é a que mais sai do contexto do disco, mesmo sendo belíssima. Corre conferir.

http://www.arceye.co.uk/
http://www.facebook.com/Arceye




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


As piores tatuagens de rockstarsAs piores tatuagens de rockstars

Max Cavalera: triste ver uma banda tão importante virar uma merdaMax Cavalera
Triste ver uma banda tão importante virar uma merda


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor