Avenged Sevenfold: Lição de casa feita com competência

Resenha - Hail to the King - Avenged Sevenfold

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Gustavo Dezan
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Acompanho o trabalho do AVENGED SEVENFOLD desde o terceiro álbum, “City of Evil”, de 2005. Naquela oportunidade, me chamou a atenção o instrumental que flertava com o power metal tocado por uma banda dos Estados Unidos, país em que o estilo é desprezado. O som dos caras foi então amadurecendo com os trabalhos sucessores, o álbum autointitulado (2007), no auge da criatividade, e “Nightmare (2010)”, o mais pesado, até o recém-lançado “Hail to the King” (2013).
1488 acessosA7X: em vídeo, os dez melhores solos de Synyster Gates5000 acessosZakk Wylde: detonando a reunião dos Alcoólicos Anonimos

A expectativa em torno do álbum era grande, por ser o primeiro sem a participação do falecido baterista The Rev na composição. Em 2012 a banda soltou a boa “Carry On”, escrita para o jogo “Call of Duty: Black Ops 2”, que acabou não entrando no disco, mas que já mostrava o novo direcionamento da banda: beber (e muito) da água dos deuses do metal. Para a surpresa de muitos, a música lembra em vários momentos “March of Time” e “Eagle Fly Free”, dois clássicos do HELLOWEEN, banda praticamente desconhecida pelos norte-americanos em geral.

Neste ínterim, os membros da banda deram entrevistas afirmando que “estudaram os clássicos do rock”, e a tendência se confirmou em “Hail to the King”. Mais cadenciado do que os trabalhos anteriores, o álbum apresenta uma banda pesada e madura, porém, com um certo distúrbio de personalidade. Coincidências ou não, referências não faltam a alguns dos maiores clássicos do gênero.

O disco abre com “Shepherd of Fire”, uma música que lembra em muito a construção de “Enter Sandman”, do METALLICA, com uma injeção de melodia e algumas orquestrações soturnas bem características do AVENGED SEVENFOLD. Então a faixa título surge com um riff que remete a “Thunderstruck”, do AC/DC, mas que logo se torna uma música com bastante pegada e notáveis duetos de guitarra, mais uma marca da banda. Esta canção, inclusive, traz um belíssimo solo da guitarra de Synyster Gates, cujo talento é indiscutível.

“Doing Time” é uma faixa mais pancada, que parece um medley de GUNS N´ROSES com uma pitada de VELVET REVOLVER, que mostra uma maior versatilidade do vocalista M. Shadows. A influência de Axl Rose, SLASH e companhia sobre a banda é notória desde o início da carreira nos trejeitos do vocalista e no timbre e técnica das guitarras.

“This Means War”, como já foi muito falado, traz uma semelhança assustadora com “Sad But True”, do METALLICA. A diferença fica por conta da melodia empolgante responsável pelo melhor “bridge” e refrão do álbum, que fica na cabeça. O trabalho das guitarras também é marcante, com mais um grandioso dueto entre Gates e Zacky Vengeance. Com corais e orquestras, “Requiem” mescla “Kashmir”, do LED ZEPPELIN, com um pouco mais de peso e uma atmosfera dark. A esta altura, a bateria cadenciada e arrastada pode mostrar os primeiros sinais de cansaço aos fãs mais antigos.

Com uma introdução dedilhada no melhor estilo METALLICA antigo, “Crimson Day” é uma bela power balada, com um ótimo refrão e um solo de Synyster Gates, mais uma vez inspiradíssimo no SLASH. Já “Heretic”, embora uma boa música, é indefensável. Dá quase para ouvir Dave Mustaine, do MEGADETH, cantando “Symphony of Destruction”. Mesma construção, mesma pegada. Ao menos, nessa música o baterista Arin Ilejay começa a se soltar.

A sequência, “Coming Home”, finalmente acelera o play. Embora tenha uma melodia familiar, não consegui identificar de onde vem, mas parece ter saído de um álbum do IRON MAIDEN. De qualquer forma, é uma boa música, mas passa um pouco a impressão de que está mais para preencher o álbum. Em seguida, entretanto, surge “Planets”, talvez a mais original do disco, que traz todas as características marcantes da banda. Dois pedais, melodias sombrias, orquestrações e Shadows rasgando nos vocais. “Acid Rain” fecha o CD com uma balada grandiosa, com direito a piano e orquestra.

Cópias, coincidências, influências ou homenagens, “Hail to the King” apresenta semelhanças inegáveis que, no saldo final, não comprometem a qualidade do trabalho. Pelo contrário. As criaturas tendem a superar seus criadores porque é muito mais fácil fazer algo novo descartando o que não funcionou no antigo. Vemos exemplos em séries, nos remakes de cinema e na música. Se a originalidade está em cheque, ao menos não se pode negar que a banda é talentosa, competente e fez a lição de casa corretamente, gravando um disco de rock pesado, direto, melódico e sem frescura.

TRACKLIST:

1. Shepherd of Fire – 5:18
2. Hail to the King – 5:02
3. Doing Time – 3:30
4. This Means War – 6:09
5. Requiem – 4:24
6. Crimson Day – 5:00
7. Heretic – 4:53
8. Coming Home – 6:20
9. Planets – 5:58
10. Acid Rain – 6:44

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Hail to the King - Avenged Sevenfold

5000 acessosAvenged Sevenfold: sonoridade cada vez mais madura

A7XA7X
Os celulares também podem contribuir para o espetáculo

1488 acessosA7X: em vídeo, os dez melhores solos de Synyster Gates2440 acessosShows: veja quanto Sabbath, A7X, Red Hot e Disturbed faturaram0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Avenged Sevenfold"

Avenged SevenfoldAvenged Sevenfold
Johnny Christ responde se sente falta de Portnoy

Teoria da conspiraçãoTeoria da conspiração
Teria The Rev do A7X cometido suicídio?

Crianças ProdígioCrianças Prodígio
"Molek" de 7 anos detonando YYZ, do Rush

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Avenged Sevenfold"

Zakk WyldeZakk Wylde
Detonando a reunião dos Alcoólicos Anonimos

Q MagazineQ Magazine
Os álbuns mais pesados de todos os tempos

Cradle of FilthCradle of Filth
Chimbinha, do Calypso, usando camiseta?

5000 acessosDuff McKagan: inspiração para cerveja Duff dos Simpsons?5000 acessosNatal: as impressões de Nergal, Dani Filth e Shagrath5000 acessosMetallica: Kirk Hammett admite que a banda pensou em demitir Lars Ulrich5000 acessosCorey Taylor: Não podíamos trabalhar junto com Jordison5000 acessosSlipknot: "Nunca ganhei um dólar com vendas de disco!"5000 acessosNirvana: Pat Smear fala sobre as Fenders que quebrava com Kurt!

Sobre Gustavo Dezan

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online