RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemQuando o Lynyrd Skynyrd irritou Mick Jagger ao abrir o show dos Rolling Stones

imagemApós dez anos, Jason Newsted procura guitarristas para montar um projeto de metal

imagemMax Cavalera escolhe seus álbuns "não metal" preferidos

imagemA única música tocada no Festival de Woodstock que atingiu o primeiro lugar nas paradas

imagemAs queixas que colegas do Paralamas mais fazem sobre Herbert Vianna, segundo o próprio

imagemSlash acha que os rockstars dos 60s e 70s eram mais inteligentes e educados que os dos 80s

imagemO hit da Legião Urbana antiviolência cantado sob perspectiva de jovem da periferia

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagem"A vida é curta", afirma Floor Jansen, vocalista do Nightwish

imagemJohn Lennon queria regravar todas as músicas dos Beatles, segundo produtor George Martin

imagemA bizarra lembrança que Kerry King tem do último show do Slayer

imagemA icônica reportagem de Glória Maria em que Raul Seixas disse que foi atropelado por onda

imagemA reação de Jairo Guedz quando houve o racha do Sepultura no auge do sucesso

imagemA vingança de Joana Prado (ex-Feiticeira) contra filhos briguentos que envolve RPM


Def Leppard Motley Crue 2

Avenged Sevenfold: Lição de casa feita com competência

Resenha - Hail to the King - Avenged Sevenfold

Por Gustavo Dezan
Postado em 11 de setembro de 2013

Nota: 8

Acompanho o trabalho do AVENGED SEVENFOLD desde o terceiro álbum, "City of Evil", de 2005. Naquela oportunidade, me chamou a atenção o instrumental que flertava com o power metal tocado por uma banda dos Estados Unidos, país em que o estilo é desprezado. O som dos caras foi então amadurecendo com os trabalhos sucessores, o álbum autointitulado (2007), no auge da criatividade, e "Nightmare (2010)", o mais pesado, até o recém-lançado "Hail to the King" (2013).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A expectativa em torno do álbum era grande, por ser o primeiro sem a participação do falecido baterista The Rev na composição. Em 2012 a banda soltou a boa "Carry On", escrita para o jogo "Call of Duty: Black Ops 2", que acabou não entrando no disco, mas que já mostrava o novo direcionamento da banda: beber (e muito) da água dos deuses do metal. Para a surpresa de muitos, a música lembra em vários momentos "March of Time" e "Eagle Fly Free", dois clássicos do HELLOWEEN, banda praticamente desconhecida pelos norte-americanos em geral.

Neste ínterim, os membros da banda deram entrevistas afirmando que "estudaram os clássicos do rock", e a tendência se confirmou em "Hail to the King". Mais cadenciado do que os trabalhos anteriores, o álbum apresenta uma banda pesada e madura, porém, com um certo distúrbio de personalidade. Coincidências ou não, referências não faltam a alguns dos maiores clássicos do gênero.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O disco abre com "Shepherd of Fire", uma música que lembra em muito a construção de "Enter Sandman", do METALLICA, com uma injeção de melodia e algumas orquestrações soturnas bem características do AVENGED SEVENFOLD. Então a faixa título surge com um riff que remete a "Thunderstruck", do AC/DC, mas que logo se torna uma música com bastante pegada e notáveis duetos de guitarra, mais uma marca da banda. Esta canção, inclusive, traz um belíssimo solo da guitarra de Synyster Gates, cujo talento é indiscutível.

"Doing Time" é uma faixa mais pancada, que parece um medley de GUNS N´ROSES com uma pitada de VELVET REVOLVER, que mostra uma maior versatilidade do vocalista M. Shadows. A influência de Axl Rose, SLASH e companhia sobre a banda é notória desde o início da carreira nos trejeitos do vocalista e no timbre e técnica das guitarras.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"This Means War", como já foi muito falado, traz uma semelhança assustadora com "Sad But True", do METALLICA. A diferença fica por conta da melodia empolgante responsável pelo melhor "bridge" e refrão do álbum, que fica na cabeça. O trabalho das guitarras também é marcante, com mais um grandioso dueto entre Gates e Zacky Vengeance. Com corais e orquestras, "Requiem" mescla "Kashmir", do LED ZEPPELIN, com um pouco mais de peso e uma atmosfera dark. A esta altura, a bateria cadenciada e arrastada pode mostrar os primeiros sinais de cansaço aos fãs mais antigos.

Com uma introdução dedilhada no melhor estilo METALLICA antigo, "Crimson Day" é uma bela power balada, com um ótimo refrão e um solo de Synyster Gates, mais uma vez inspiradíssimo no SLASH. Já "Heretic", embora uma boa música, é indefensável. Dá quase para ouvir Dave Mustaine, do MEGADETH, cantando "Symphony of Destruction". Mesma construção, mesma pegada. Ao menos, nessa música o baterista Arin Ilejay começa a se soltar.

A sequência, "Coming Home", finalmente acelera o play. Embora tenha uma melodia familiar, não consegui identificar de onde vem, mas parece ter saído de um álbum do IRON MAIDEN. De qualquer forma, é uma boa música, mas passa um pouco a impressão de que está mais para preencher o álbum. Em seguida, entretanto, surge "Planets", talvez a mais original do disco, que traz todas as características marcantes da banda. Dois pedais, melodias sombrias, orquestrações e Shadows rasgando nos vocais. "Acid Rain" fecha o CD com uma balada grandiosa, com direito a piano e orquestra.

Cópias, coincidências, influências ou homenagens, "Hail to the King" apresenta semelhanças inegáveis que, no saldo final, não comprometem a qualidade do trabalho. Pelo contrário. As criaturas tendem a superar seus criadores porque é muito mais fácil fazer algo novo descartando o que não funcionou no antigo. Vemos exemplos em séries, nos remakes de cinema e na música. Se a originalidade está em cheque, ao menos não se pode negar que a banda é talentosa, competente e fez a lição de casa corretamente, gravando um disco de rock pesado, direto, melódico e sem frescura.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

TRACKLIST:

1. Shepherd of Fire – 5:18
2. Hail to the King – 5:02
3. Doing Time – 3:30
4. This Means War – 6:09
5. Requiem – 4:24
6. Crimson Day – 5:00
7. Heretic – 4:53
8. Coming Home – 6:20
9. Planets – 5:58
10. Acid Rain – 6:44


Outras resenhas de Hail to the King - Avenged Sevenfold

Resenha - Hail to the King - Avenged Sevenfold

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Metal: As bandas mais expressivas surgidas nos últimos 15 anos

Riffs parecidos: Led, Sabbath, Maiden, Metallica, Dio, AC/DC e mais


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal