Buffalo: Um disco que você pode até não conhecer - mas deveria

Resenha - Volcanic Rock - Buffalo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Felipe Mascarenhas, Fonte: Ultimate Classic Rock, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Uma das maiores obscuridades do hard rock dos anos 70 fez 40 anos no dia 10 de agosto. E se você perdeu naquela época, então prepare-se pra se impressionar com poder puro e sísmico do disco apropriadamente chamado de "Volcanic Rock" (n.t. ou Rock Vulcânico, em tradução livre), do quarteto australiano BUFFALO.

Lindo Demais: conheça o London, o primeiro smartphone da MarshallAgressividade: 21 caras que fizeram a história do rock pesado

No começo de 1973, com o AC/CD não exatamente formado ainda, o que as bandas de hard rock da Austrália estavam fazendo (como o blues pesado de Billy Thorpe and the Aztecs, ou os guerreiros psicodélicos do Kahvas Jute, que tinha Bob Daisley, que viria a ser baixista do Rainbow) mal dava pra competir com os pesos pesados internacionais como Led Zeppelin, Black Sabbath e Deep Purple.

É por isso que a violência visionária executada pelo segundo LP do BUFFALO foi um avanço criativo tão impressionante, mesmo tendo ficado provado que foi um pouco pesado demais pra ser engolido pelos consumidores mainstream. "Volcanic Rock" estava também muito distante da influência do rock progressivo, psicodélico e sem muito foco do primeiro disco do grupo - "Dead Forever...,", lançado no ano anterior.

Simplificando a sua formação (diminuída de 6 músicos, para o clássico quarteto), o BUFFALO também simplificou o seu som - não abandonando completamente a sede por viagens musicais e as letras pós-Aquarius, que são mostradas em jams hipnotizantes como "Freedom" e "The Prophet", mas aprimorando esses aspectos com ganchos muito melhores, providos pela voz rouca, e influenciada pela música soul, do vocalista Dave Tice e a guitarra versátil de John Baxter.

Baxter é a verdadeira estrela, e o instigador, por trás de "Volcanic Rock", começando com guitarras de causar calos, que abrem o álbum em "Sunrise (Come My Way)," que compartilha do mesmo DNA do MC5 como também do Blue Cheer e Black Sabbath. Sem muitas surpresas, essa música já foi, desde então, e sem nenhum pudor, canibalizada pelas suas partes por mais bandas de stoner-rock do que você possa contar.

O miolo do álbum, como "Till My Death" e "Pound of Flesh", traz tons mais baixos com os fundamentos sólidos de um blues-rock enraizadas na cozinha do baixista Pete Wells (que mais tarde tocaria no Rose Tattoo) e do baterista Jimmy Economu. Mas o proto-metal contundente e debochado é devidamente reintegrado pela música contagiosa que fecha o álbum, "Shylock", que mistura doses iguais de melodias ameaçadoras com riffs pulverizantes - tudo invocado pelo mago louco das seis cordas, Baxter.

Não precisa nem dizer que isso também minimizou as chances do BUFFALO ter um álbum promovido apropriadamente nas lojas de discos, e contribuiu ainda mais para as vendas decepcionantes. Não que a Austrália - ou o mundo, nesse caso - estivesse pronta pra esse quarteto de Sydney. Mas temos que admitir que tanto a arte do álbum quanto a música exemplificam o som do BUFFALO explodindo para a perfeição.


Outras resenhas de Volcanic Rock - Buffalo

null




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Buffalo"


Loudwire: 10 álbuns pesados dos 70's que não são do Black SabbathLoudwire
10 álbuns pesados dos 70's que não são do Black Sabbath


Lindo Demais: conheça o London, o primeiro smartphone da MarshallLindo Demais
Conheça o London, o primeiro smartphone da Marshall

Agressividade: 21 caras que fizeram a história do rock pesadoAgressividade
21 caras que fizeram a história do rock pesado

Chris Cornell: a emocionante despedida de Tom MorelloChris Cornell
A emocionante despedida de Tom Morello

Mike Terrana: "Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!"Metallica: gosto musical impediu que se tornassem um MaidenKiko Loureiro: não precisa conhecer teoria para ser um bom músicoThe Voice Kids: até Brian May ficou impressionado com brasileiro

Sobre Felipe Mascarenhas

Nascido em Salvador, na Bahia, é amante da música, frequentador de shows e nas horas vagas, traduz matérias e entrevistas para o Whiplash.Net. Ouve tudo aquilo que lhe agrada, mas desde que ouviu Metallica pela primeira vez, em 2001, bandas de rock e heavy metal nunca mais saíram das suas playlists.

Mais matérias de Felipe Mascarenhas no Whiplash.Net.