Get Up!: um dos grandes lançamentos de 2013

Resenha - Get Up! - Ben Harper & Charlie Musselwhite

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Lucas Troglio
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Quando uma lenda do blues se encontra com um talentoso compositor e intérprete a expectativa é grande. E quando essa lenda é Charlie Musselwhite, a promessa fica mais forte ainda.

Surfing Rockers: várias bandas em documentário sobre surf para 2020Heavy Metal: Os 11 melhores álbuns dos anos 2000 segundo o Loudwire

O blues não vem sendo um grande expoente midiático faz tempo. E alguns nomes fantásticos como o de CHARLIE MUSSELWHITE estavam adormecidos, o seu trabalho na harmônica sempre foi louvável e com muito swing. Não é de hoje que BEN HARPER vem se revelando um grande músico. Lançando discos excelentes e bem trabalhados no blues, folk, e soul.

Logo na primeira audição "Get Up!" chama a atenção. Um disco ora blues, ora rock, tão cru que não parece ser gravado nesse ano."Don't Look Twice" abre o álbum com um compasso diferente e de bater o pé. A sensação de disco "épico" vem logo na primeira faixa. Os tempos de MUDDY WATERS são literalmente desenterrados.

MUSSELWHITE esbanja seu talento em "I'm In I'm Out And I'm Gone", é um dos grandes momentos do disco vale a pena cada segundo da faixa. "We Can't End This Way" tem traz um blues totalmente inovador e fluido, sem abandonar as raízes, backing vocals tradicionais e compasso repetitivo que combina, pelo incrível que pareça.

"I Don't Believe A Word You Say" tem uma atmosfera que lembra bastante LED ZEPPELIN, vide a percussão da música - agressiva e bem trabalhada em conjunto com a guitarra. A balada do disco "You Found Another Lover (I Lost Another Friend)" é realmente emocionante, vale a pena conferir.

Eis que surge uma linha de baixo tão folk, que faz de "I Ride At Dawn" um momento interessante, mostra um disco que segue uma sonoridade, porém sem ser repetitivo, talvez a grande característica do disco. Que logo em seguida te leva direto à Chicago com "Blood Side Out", guitarra e harmônica pulsantes.

A influência de BB KING na faixa "Get Up!" é nítida, com certeza BEN HARPER segue os caminhos certos, a guitarra solo da faixa tenta resgatar o som marcante de Lucille, vale a tentativa. "She Got Kick" e "All That Matters Now" encerram o disco com maestria.

Nota 10 para esse que é um dos grandes lançamentos do ano, muito recomendável para quem curte essa pérola negra americana, o blues.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Ben Harper"


Surfing Rockers: várias bandas em documentário sobre surf para 2020

Heavy Metal: Os 11 melhores álbuns dos anos 2000 segundo o LoudwireHeavy Metal
Os 11 melhores álbuns dos anos 2000 segundo o Loudwire

Two and a Half Men: Participações de astros do rockTwo and a Half Men
Participações de astros do rock

Tragédia e dor: O Blues, o Rock e o DiaboTragédia e dor
O Blues, o Rock e o Diabo

Musas do Metal: as bandas que elas ouvem quando estão em casaDane-se Bruce Dickinson: Simone Simons no metrô é muito melhorSlipknot: Clown está maravilhado com a persistência de CoreySlayer: "sem eles, não haveria Sepultura", diz Andreas ao comentar aposentadoria

Sobre Lucas Troglio

Estudante de Caxias Do Sul (RS), apaixonado por música desde sempre. Aprecia Blues, Rock Progressivo, Hard Rock, Rock Psicodélico, Punk Rock, Funk (verdadeiro), Jazz e outras fontes de música boa. Incrivelmente eclético, crítico e teimoso, defende a música nacional boa e o rock com qualidade artística.

Mais matérias de Lucas Troglio no Whiplash.Net.